Os paramilitares e o terrorismo de Estado colombiano - Le Monde Diplomatique

COLÔMBIA

Os paramilitares e o terrorismo de Estado colombiano

por Hernando Calvo Ospina
1 de abril de 2003
compartilhar
visualização

Enquanto as negociações com as guerrilhas – Farc e o ELN – continuam em ponto morto, o governo Uribe, com apoio de Washington, recebe de braços abertos os paramilitares ligados a assassinatos de civis e a violação dos direitos humanosHernando Calvo Ospina

Explicitamente apoiado por Washington, o governo colombiano anunciou, no dia 27 de novembro de 2002, o início de conversações com os paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC). Um cessar-fogo começou a vigorar no dia 1° de dezembro com esta organização ligada ao narcotráfico e fortemente implicada na violação dos direitos humanos, ao passo que as negociações com a oposição armada nunca avançaram. Mas Estado e paramilitares sempre se deram bem na Colômbia.

Para derrotar as organizações de oposição armada que a ele se opõem há mais de 35 anos, o Estado colombiano empregou sempre a mesma estratégia: destruir ou neutralizar a base social que as apóia de modo real, potencial ou presumido. Verdadeiro terrorismo de Estado, a “guerra suja” baseia-se em dois pilares fundamentais: “As operações sigilosas ou clandestinas das forças militares e a criação de grupos paramilitares. Estes são o centro nevrálgico da contra-insurreição comandada pelo Estado e, de modo particular, por suas forças armadas1.”

O discurso do establishment

O alto comando militar envolveu caciques dos partidos Liberal e Conservador, latifundiários e chefes das máfias, no desenvolvimento das estruturas paramilitares

Tanto no interior quanto no exterior do país, alguns meios de comunicação e intelectuais de prestígio assumiram o discurso do establishment

Hernando Calvo Ospina é jornalista.



Artigos Relacionados

ORÇAMENTO SECRETO

A melhor forma de combate à corrupção não é o discurso

Online | Brasil
por Luís Frederico Balsalobre Pinto
DEMOCRACIA MILITANTE

A democracia do erro: Loewenstein e o Brasil de 2022

Online | Brasil
por Gabriel Mattos da Silva
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Qual é a função dos bandeirinhas após o surgimento do VAR?

por Helcio Herbert Neto
EDUCAÇÃO

Um ensaio timidamente indecente sobre pânico civilizacional e educação

Online | Brasil
por Fernando de Sá Moreira
ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira