Quem são os "estrangeiros" - Le Monde Diplomatique

IMIGRAÇÃO / ALEMANHA

Quem são os “estrangeiros”

por Albrecht Kieser
1 de junho de 2006
compartilhar
visualização

Entre eles estão, segundo as estatísticas e a lei, 1,5 milhão de pessoas nascidas no país… A entrada de “repatriados tardios” e de migrantes não recenseados torna os números ainda mais precáriosAlbrecht Kieser

O número de 7,3 milhões de estrangeiros recenseados na Alemanha inclui, de maneira absurda, os 1,5 milhões de “estrangeiros” nascidos no país. Somente são considerados alemães os indivíduos de “origem alemã” — ou seja, nascidos de pais alemães. A população da Alemanha Federal compreende, portanto, aproximadamente 9% de não-alemães ? dos quais 27% vindos de países da União Européia, 25% da Turquia, 14% da ex-Iugoslávia, 4,5% da Polônia (na época, ainda não membro da União Européia), 1,2% da Romênia, 1,5% dos Estados-Unidos, 1,2% do Vietnã, 1,1% do Marrocos, 1,1% do Irã, etc.

Durante a última década, o número de candidatos a asilo diminuiu rapidamente ? 440 mil em 1992, 128 mil em 1995, 36 mil em 2004. Em compensação, os reagrupamentos familiares fizeram com que aumentasse ligeiramente o número total de migrantes. Além disso, o número de trabalhadores imigrantes possuidores de um visto de permanência limitada (missões pontuais e contratos sazonais) aumentou.

As estatísticas sobre os “estrangeiros” ocultam, além de tudo, dois elementos que contribuem, de maneira importante, para dar a impressão de um crescimento da imigração: de um lado, a entrada na Alemanha de migrantes e refugiados não recenseados, cujo número aumentou no mínimo em 500 mil, desde o início dos anos 1990; de outro, a chegada de quase 3 milhões de”alemães de origem” e de “repatriados tardios de origem alemã” que “retornaram” desde 1988.

Nos últimos dez anos, 800 mil pessoas tornaram-se alemãs através da naturalização. A eles acrescentam-se todos os alemães que, após a segunda guerra mundial, tiveram que abandonar os antigos territórios do Leste (em particular a Polônia ou a Tchecoslováquia), para se refugiar na República Federal da Alemanha (RFA: 8,1 milhões) ou na República Democrática Alemã (RDA: 3,6 milhões). Não devemos esquecer, tampouco, os 4,6 milhões de dese



Artigos Relacionados

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye