Quem será o próximo inimigo? - Le Monde Diplomatique

“A AMÉRICA ESTÁ DE VOLTA, PRONTA PARA GOVERNAR O MUNDO”

Quem será o próximo inimigo?

por Serge Halimi
28 de dezembro de 2020
compartilhar
visualização

Já que Washington pretende garantir a liderança da cruzada democrática – A América está de volta, pronta para governar o mundo, proclamou Joe Biden em 24 de novembro de 2020 –, os paísessatélite deveriam entender que os norte-americanos não têm mais um acordo quanto à identidade de seu principal adversário. As razões têm pouco a ver com a geopolítica mundial e tudo a ver com suas divisões internas.

O cartão de Anders Fogh Rasmussen não esperou pela véspera do AnoNovo. O ex-secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) resumiu assim a missão que esta deverá cumprir, segundo ele, assim que Donald Trump tiver deixado a Casa Branca: Em 2021, os Estados Unidos e seus aliados terão uma oportunidade que se apresenta apenas uma vez a cada geração: reverter o recuo global das democracias em face de autocracias como a Rússia e a China. Mas para isso será necessário que as principais democracias se unam.1 O que muitas delas fizeram – uma geração atrás, precisamente – invadindo o Afeganistão, depois o Iraque. Portanto, é hora, aparentemente, de enfrentar adversários mais poderosos… 

Mas por qual começar? Já que Washington pretende garantir a liderança da cruzada democrática – A América está de volta, pronta para governar o mundo, proclamou Joe Biden em 24 de novembro de 2020 –, os paísessatélite deveriam entender que os norte-americanos não têm mais um acordo quanto à identidade de seu principal adversário. As razões têm pouco a ver com a geopolítica mundial e tudo a ver com suas divisões internas. Para os democratas, o inimigo é principalmente russo, já que, durante quatro anos, os líderes desse partido têm repetido, tal como Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados, que “com Trump todos os caminhos levam a PutinOs republicanos, num olho por olho que evoca as briguinhas do jardim de infância, respondem com o slogan Pequim Biden, porque o segundo filho do novo presidente, Hunter Biden, fez negócios na China, e a globalização, atribuída aos democratas, fez os negócios da China. CQD. 

(Cesar Habert Paciornik)

Assim, em 10 de dezembro, o secretário de Estado, Mike Pompeo, trabalhou para aumentar o fosso entre os dois países. Invocando, sem rir, sua preocupação com o respeito à privacidade, aquele que também foi diretor da CIA alertou o mundo: [O presidente chinês] Xi Jinping está de olho em cada um de nós. Em seguida, ele atacou os 400 mil estudantes chineses enviados aos Estados Unidos a cada ano, dos quais uma parte viria roubar segredos industriais e científicos; as próprias universidades norte-americanas, muitas devem ter sido compradas por Pequim; finalmente, citou os produtos da empresa Huawei, com os quais todo usuário se colocaria nas mãos do aparato de segurança chinês.2 Esse é o refrão que os republicanos vão opor a Biden. Ele fará ecoar os quatro anos de paranoia antirrussa alimentada pelos democratas contra Trump. Mar da China, Taiwan, destino dos uigures, Hong Kong: tudo será pretexto para testar a determinação antichinesa da nova administração. 

Rasmussen foi claro em pelo menos um ponto: Uma fila de aliados preocupados espera o presidente eleito, Joe Biden, do lado de fora da porta. Mas, em aliança com uma potência mentalmente abalada, eles não encontrarão sua tranquilidade tão cedo. 

 

*Serge Halimi é diretor do Le Monde Diplomatique. 

 

1 Anders Fogh Rasmussen, “A new way to lead the free world” [Uma nova maneira de liderar o mundo livre], The Wall Street Journal, Nova York, 16 dez. 2020. 

2 Michael R. Pompeo, “The Chinese Communist Party on the American campus” [O Partido Comunista Chinês no campus americano], discurso no Instituto de Tecnologia da Geórgia, Atlanta, 9 dez. 2020. Disponível em: www.state.gov. 



Artigos Relacionados

JUSTIÇA AMBIENTAL DEPENDE DA JUSTIÇA RACIAL

O racismo ambiental e climático nas favelas do Rio

Online | Rio de janeiro
por Gabrielle Alves e Mariana de Paula
PRISÕES BRASILEIRAS

Não há perspectiva de normalidade para quem sempre esteve na barbárie

Online | Brasil
por Janine Salles de Carvalho e Giovanna Preti
PRODUÇÃO DE ALIMENTOS

Por que tantos acidentes de trabalho, adoecimentos e mortes em frigoríficos?

Online | Brasil
por Márcia Kamei Lopez Aliaga, Luciano Lima Leivas, Leomar Daroncho, Sandro Eduardo Sardá e Lincoln Roberto Nóbrega Cordeiro
SEGURANÇA PÚBLICA

Racismo e violência letal do Estado: um olhar a partir da Baixada Fluminense

Online | Rio de janeiro
por Adriano Moreira de Araujo
RESENHAS

Miscelânea — Resenhas

Edição 173 | Brasil
ARTES

Alice Neel, na contracorrente

Edição 173 | Mundo
por Marie-Noël Rio
QUANDO O RECENSEAMENTO DA POPULAÇÃO CARCERÁRIA SE TORNA UM DESAFIO DEMOCRÁTICO

Magia da manipulação eleitoral nos Estados Unidos

Edição 173 | EUA
por Charlotte Recoquillon
OS ECOLOGISTAS NO PODER

Diplomacia: dos programas “verdes” à realidade

Edição 173 | Mundo
por Annette Lensing