Arquivos China - Le Monde Diplomatique

Equilibrismo geopolítico

Se os dirigentes chineses acharam que teriam algum descanso com os Estados Unidos focados na Europa, a acusação contra Pequim feita pelo conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, em 14 de março, foi um banho de água fria. Na véspera de seu encontro com o mais alto diplomata das Relações Exteriores da …

por em

A Rússia e a China na guerra contra o Ocidente

A guerra na Ucrânia e o consequente bloqueio econômico total da Rússia levado a cabo pelo Ocidente é o maior choque na política mundial desde, pelo menos, o fim da Guerra Fria. Do ponto de vista da unificação ocidental e aplicação das sanções, poderíamos dizer que já vivemos uma atmosfera de Terceira Guerra Mundial contra …

por em

A parceria estratégica entre Moscou e Beijing

O encontro entre Vladimir Putin e Xi Jinping em fevereiro de 2022 deve ser visto como histórico sob o ponto de vista geopolítico e estratégico. Marca o “fim do Pós-Guerra Fria” iniciado em 1989 com a desagregação do então chamado bloco socialista e, em dezembro de 1991, com a extinção da União Soviética. Durante a …

por em

Civilização ecológica em um só país?

A última vez que estive na China foi no outono de 2019, antes da pandemia, acompanhando a minha família em uma pequena viagem pelo planalto de Qinghai-Tibete (བོད་ ས་ མཐོ །, 青藏高原). O planalto tibetano, com altitude média de 4.500 metros, abrange a maior parte da Região Autônoma do Tibete (TAR), a província de Qinghai …

por em

“O maior mercado de esquiadores iniciantes”

A poucas semanas dos Jogos Olímpicos (de 4 a 20 de fevereiro de 2022), os telespectadores chineses descobriram na rede pública CCTV um curto documentário intitulado “Os guardiães da Montanha Branca”, louvando o heroísmo dos trabalhadores das pistas. Vemos ali Sun Duncheng, de 53 anos, empregado na estação de esqui de Fusong, província de Jilin …

por em

China: a crise da Evergrande e seu contexto

O colapso financeiro da Evergrande não é um raio em céu ensolarado, vindo do nada. Provocou impactos na China e no mundo e tem gerado temores e interpretações variadas, mas é um processo em curso e, por isso, a avaliação neste texto é ainda dependente da consolidação dos efeitos. Portanto, não temos qualquer pretensão de …

por em

Pequim usa as finanças para atacar Washington

Em seu discurso de abertura no Fórum Boao, o equivalente chinês do Fórum Econômico Mundial de Davos, o presidente da China, Xi Jinping, convocou, em abril, uma nova ordem internacional. Referindo-se aos Estados Unidos, rejeitou qualquer ideia de “guerra fria” e de “hegemonia”, antes de declarar: “Devemos promover a liberalização e a facilitação do comércio …

por em

Em Nova York, patrulhas comunitárias protegem Chinatown

Com memória fotográfica, Wellington Chen descreve a tentativa de homicídio da qual foi testemunha na esquina das ruas Worth e Baxter, na noite de 25 de fevereiro de 2020, por volta das 6h30 da tarde. Saindo de seu escritório em Chinatown, o norte-americano de origem taiwanesa viu um homem correr em sua direção e enfiar …

por em

Taiwan, a peça que falta no “sonho chinês”

“O lugar mais perigoso do mundo”, proclamava a revista The Economist no início de maio. A manchete era acompanhada por uma imagem de radar de Taiwan, como se a ilha fosse o alvo de um submarino. Esse artigo se inscreve numa longa série com títulos similares, que, por sua vez, ecoam uma multiplicidade de declarações …

por em

A luta da Águia contra o Dragão na América Latina

Em 9 de dezembro de 2020, a Development Financial Corporation (DFC), uma agência de financiamento dos Estados Unidos, desembarcou no Equador levando na mala um “novo modelo” de acordo-quadro para os países latino-americanos. Ele consistia na concessão de um empréstimo de US$ 3,5 bilhões para “ajudar” o governo equatoriano a pagar a “dívida predatória” contraída …

por em

O Brasil e o México em meio às disputas pela hegemonia

O crescimento da China e a consequente demanda por matérias-primas e expansão dos investimentos representam uma janela de desafios, mas também de oportunidades, para os países da América Latina e do Caribe, processo atualmente tornado mais espinhoso pelo cenário de disputas geopolíticas entre os Estados Unidos e a potência asiática. O Brasil e o México, …

por em

Como as fake news no Telegram pintam a China como inimigo

Grupos bolsonaristas no Telegram difundem constantemente fake news envolvendo a China, visando construir uma imagem do país como inimigo do Brasil e, especialmente, do presidente Bolsonaro. Até recentemente, o aplicativo de mensagens WhatsApp era o principal canal de disseminação de informações entre bolsonaristas, mas após medidas para restringir a divulgação de informações falsas, ocorreu uma migração …

por em

Uma humorista chinesa na corda bamba

“Uma mulher que amaldiçoa os homens e lhes arranca dinheiro.” Apoiada nessa ideia, uma horda indignada de internautas invadiu a conta da Intel na rede social chinesa Weibo convocando um boicote a seus produtos. O erro da marca: sua nova embaixadora, Yang Li, humorista de 29 anos, nome pioneiro e de destaque do stand-up na …

por em

Por trás do “Tik Tok vs Instagram”: soft power e a disputa da realidade

Cada vez mais evidentes, ainda em 2021, as tensões entre China e Estados Unidos têm se manifestado em diversas frentes. A disputa “Tik Tok vs. Instagram”, por exemplo, é um dos muitos reflexos através dos quais as duas potências correm pela hegemonia no Sistema Internacional. Se entre os países, a eleição de Joe Biden desacelera …

por em

Alibaba, uma epopeia chinesa

“Todos sabemos que, quando você faz um empréstimo de 100 mil yuans, você morre de medo do banco. Quando você faz um empréstimo de 10 milhões de yuans, você e o banco morrem de medo. E quando você faz um empréstimo de 1 bilhão de yuans, é o banco que morre de medo de você.” …

por em

Quem será o próximo inimigo?

O cartão de Anders Fogh Rasmussen não esperou pela véspera do Ano–Novo. O ex-secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) resumiu assim a missão que esta deverá cumprir, segundo ele, assim que Donald Trump tiver deixado a Casa Branca: “Em 2021, os Estados Unidos e seus aliados terão uma oportunidade que se apresenta apenas uma …

por em

A contraofensiva econômica dos EUA na América Latina

Desde meados dos anos 2000, a China vem ganhando uma maior proeminência no sistema econômico internacional. Por um lado, tem se configurado como o maior exportador de bens e serviços do mundo, alcançando o valor de US$ 2,6 trilhões em 2019, em sua maior parte produtos manufaturados, como aparelhos eletrônicos e máquinas. Por outro, essa …

por em

Fantasmas em torno de uma “ofensiva chinesa” nas Nações Unidas

“É possível contar nos dedos de uma mão os altos funcionários chineses nas Nações Unidas. E não é por falta de cargos de responsabilidade.” O ano é 2005. Wang Jingzhang, diplomata chinês aposentado que por muito tempo foi secretário do Comitê de Sanções para o Iraque, da ONU, queixa-se na imprensa de seu país.1 A …

por em

Mistérios e o poder da frota pesqueira chinesa

Para quem navega em alto-mar, o poder e o destemor da frota pesqueira chinesa são incontestáveis. Em 2019, quando passamos uma semana a bordo de uma unidade da polícia marítima da Gâmbia patrulhando mais de 150 quilômetros de costa, assistimos à inspeção de quinze embarcações estrangeiras acusadas de violações do direito trabalhista e pesca ilegal. …

por em

A análise política do discurso do presidente Xi Jinping

No projeto de pesquisa “Discurso, redes sociais e disputa de narrativas relativas à pandemia do Covid19” consideramos a pandemia do vírus Covid-19 como acontecimento que alterou a normalidade, acentuou as desigualdades e colocou em suspensão a hegemonia vigente, abrindo um espaço para disputa política de discursos. Esse campo discursivo no qual se insere a disputa, …

por em

A batalha geopolítica do 5G

Em 1994, quando a Huawei não passava de uma pequena vendedora de comutadores telefônicos, seu fundador, Ren Zhengfei, foi conversar com o então presidente chinês, Jiang Zemin. O ex-engenheiro do Exército convertido para o setor dos produtos eletrônicos de massa lançou então a carta patriótica: “As telecomunicações são uma questão de segurança nacional. Para uma …

por em

Tapas e beijos: as relações Brasil-China no governo Bolsonaro

As relações econômicas Brasil-China começaram a evoluir nos três últimos anos do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e cresceram bastante nos governos petistas de Lula da Silva e Dilma Rousseff, tanto em termos de trocas comerciais como na importação de capitais chineses pelo Brasil, na forma de investimentos diretos e financiamentos. A Operação Lava …

por em

A guerra das terras-raras vai acontecer?

A cena aconteceu em 20 de maio de 2019, em Ganzhou, cidade de uma dezena de milhões de habitantes situada na província de Jiangxi (sudeste da China). Xi Jinping, o presidente chinês, caminha pelos corredores de uma usina de terras-raras. Para essa “visita de inspeção”, amplamente coberta pela imprensa oficial, ele está acompanhado por Liu …

por em

Babel jovem e inocente

O rapaz ia à cidade. Em direção ao leste, ao nascer do dia seguinte. As férias de verão jorravam como suor. Na véspera, a última aula fora muito simples, tal como um problema de matemática resolvido desde a leitura do enunciado. Fim da aula. As férias começavam. O rapaz se lançou para fora da sala …

por em

As tensões no Mar do Sul da China: é tempo para a guerra?

Matérias atuais expostas em diversos jornais brasileiros evidenciam a questão do Mar do Sul da China (MSC) como um dos pivôs que fortalecem as divergências entre Washington e Pequim. De fato, na opinião de muitos estudiosos e analistas, a região do MSC é reconhecidamente um ponto de tensão importante na relação das duas grandes potências, …

por em

As bravatas do bolsonarismo e as exportações brasileiras para a China

Em meio à turbulência com a saída de capitais de curto prazo da economia nos últimos tempos, a balança comercial brasileira se manteve relativamente estável. Em grande parte, devido à persistência das exportações para a China, que chegaram, em maio, a representar 40% do total nacional,frente a um patamar de 35% no mesmo mês do …

por em

Por que desconfiar das estatísticas chinesas sobre o coronavírus

Enquanto os Estados Unidos se afundam na crise sanitária, Donald Trump e seu governo apontam o dedo para a China, acusando-a de ter minimizado a gravidade da epidemia. Os Estados Unidos, seguidos pela Austrália, querem agora promover uma pesquisa internacional. Denunciam a Organização Mundial da Saúde (OMS), cujo diretor é acusado de complacência, ou mesmo …

por em

Três hipóteses geopolíticas para o pós-pandemia

Uma crise persistente é uma prova de resistência: os fortes a atravessam, os fracos sucumbem a ela. O centro não se quebra a cada golpe. Pelo contrário. Há alguns anos, vivemos uma crise mundial que promete ser forte e duradoura. Se Nova York sucumbir – o que eu não acredito que vá acontecer –, o …

por em

Uma escalada militar, em meio à crise pandêmica

Eu gostaria de enfatizar que qualquer ataque de um submarino americano de mísseis balísticos, independentemente de suas características, será percebido como um ataque com armas nucleares. E, de acordo com nossa doutrina militar, uma ação desse tipo seria considerada motivo para uso retaliatório de armas nucleares pela Rússia. Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios …

por em

Pode a China inspirar o direito brasileiro no combate a Covid-19?

Em tempos de instabilidade política, sanitária e econômica em razão da Covid-19, o direito deve se apresentar para oferecer soluções pacíficas e justas aos conflitos e dilemas políticos, sociais e econômicos que dilaceram o Brasil: o aumento abrupto das já altas taxas de violência doméstica, desemprego e miséria escancararam a necessidade de políticas públicas inovadoras. …

por em

China e a biopolítica na crise do coronavírus

Da França, Bruno Latour escreve que parecemos estar encenando coletivamente uma palestra sobre biopolítica de Michel Foucault. Giorgio Agamben, da Itália, diz que a vigilância da quarentena é a crescente tendência de usar o estado de exceção como paradigma normal de governo. Achile Mbembe, camaronês, aciona novos sentidos de necropolítica na pandemia ao afirmar que …

por em

Erosão na parceria entre China e a cooperação Sul Global

No campo da governança global, ser um player relevante faz toda a diferença no momento de disputas no campo comercial. O Brasil conquistou esse espaço em poucos momentos de sua política exterior. Com efeito, a política externa e o tipo de inserção internacional pretendida estão intrinsecamente articulados com a política econômica e o interesse nacional1. …

por em

A China (muito) além da “Sopa de Wuhan”

Acabo de ler o famoso documento lançado por intelectuais marxistas ou “críticos” badalados por nossas bandas. David Harvey, Slavoj Zizek, Alan Badiou e mais uma dezena de pensadores se colocam a pensar no mundo do entre e pós-pandemia. Sob o título de “Sopa de Wuhan” percebe-se um esforço de compreensão do futuro imediato sob as …

por em

Explosões químicas em cadeia na China

Em 21 de março de 2019, no momento em que o presidente chinês Xi Jinping começava sua visita à Europa, uma explosão fazia 78 vítimas e 566 feridos na usina de produtos químicos da Jiangsu Tianjiayi Chemical (JTC), em Yancheng (província de Jiangsu), 250 quilômetros a noroeste de Xangai. A primeira do ano do Porco… …

por em

A China pode crescer mais?

O Birô de Estatísticas da China (BEC) anunciou, recentemente, a taxa de crescimento do PIB chinês para 2019. O índice ficou em 6,1%, a menor taxa desde 1990, mas dentro da meta estipulada pela governança chinesa de manter um ritmo de crescimento entre 6% e 6,5% a.a. Porém, uma série de questionamentos são lançados, sendo …

por em

Washington contra Pequim

Os Estados Unidos parecem agora estimar que não podem enfrentar a China e a Rússia ao mesmo tempo. Nas próximas décadas, seu principal rival geopolítico será Pequim. Sobre esse assunto, existe um consenso até mesmo entre a administração republicana de Donald Trump e os democratas, que a eleição presidencial do ano que vem opõe, no …

por em

A repressão contra os uigures no controlado mundo do “sonho chinês”

O que está acontecendo no Xinjiang, no extremo oeste da China? Em setembro de 2018, a organização Human Rights Watch alertou sobre violações dos direitos humanos de uma amplitude sem precedentes contra os uigures – população turcófona e muçulmana –, e também contra cazaques, uzbeques etc.1 As autoridades chinesas negam e falam em combate ao …

por em

A Tanzânia aposta na China

Em algum lugar na costa da Tanzânia, três pescadores originários de Cantão (Guangzhou, China) descansam à sombra de uma árvore curtindo cigarros Safari. As volutas de fumaça sobem lentamente. Poder-se-ia acreditar em uma representação chinesa de Esperando Godot às margens do Oceano Índico. Até que punhos vingativos se estendem para o céu azul: o nome …

por em

China: Qual o paradigma moderno? “Sinomics” ou o “Socialismo de Mercado”?

Artigo recente publicado na agência Xinhua (1), assinado por Zheng Xin e Wang Xiuqiong chama a atenção a um tema/questão cada vez mais recorrente entre os economistas, sobretudo heterodoxos: dado o longevo, robusto e resiliente crescimento econômico por quase quatro décadas, o caso chinês já pode ser considerado como um paradigma, nomeado, conforme os autores …

por em

Bons e maus chineses

A cena se passa diante de nossos olhos, perto da entrada lateral do Hospital do Povo nº 1 de Hangzhou, ao sul de Xangai, na província de Zhejiang. A rua é calma. Uma mulher idosa espera em pé numa calçada separada da rua por uma pequena barreira que atinge a altura de seus joelhos. Ela …

por em

China e Estados Unidos, até onde vai a escalada de sanções?

Estados Unidos e China resolveram declarar guerra (comercial), e nada parece impedi-los. Donald Trump começou por ameaçar aqueles que “estão nos roubando” (18 abr. 2017), recebendo uma advertência de Xi Jinping: “Não se pode esperar que a China engula sapos em função de seus interesses” (18 out. 2017).1 Da escalada verbal, logo passamos para o …

por em

China e Rússia, cúmplices, mas não aliadas

Enquanto no Ocidente comentaristas destacam de bom grado e com acerto os desequilíbrios de poder entre a Rússia e a China, que, segundo eles, podem pôr em perigo sua cooperação apenas a longo prazo, os líderes dos dois países estão constantemente se comunicando sobre a solidez de sua parceria e demonstrando grande confiança mútua. Desde …

por em

Carro elétrico, uma miragem ecológica

  “Viva o carro elétrico!”, proclamou Carlos Ghosn, presidente do Grupo Renault, em 2009.1 “Rodar de graça, para sempre, utilizando raios de sol”, completou Elon Musk, presidente do grupo norte-americano Tesla, em 2013.2 Na China, o primeiro-ministro Li Keqiang elogia a chegada de novos veículos como forma de “fortalecer o crescimento econômico e proteger o …

por em

Petróleo: números, tendências e estratégias

  “A dependência dos sistemas energéticos e sua complexidade e alcance crescentes deixam em evidência a necessidade de entendermos os riscos e as exigências da segurança energética no século XXI. Cada vez mais o comércio de energia ultrapassa as fronteiras nacionais. Além disso, a segurança energética não é apenas combater a enorme variedade de ameaças; …

por em

China’s Economy

Kroeber não é mais uma pessoa que passou um tempo na China e escreveu um livro. Vivendo em Beijing e Nova Iorque, editor do China Economic Quarterly, reúne tanto conhecimento técnico como vivência e familiaridade cultural num livro de excepcional qualidade. Quase uma pessoa em cada cinco no planeta é chinesa. O pouco que sabemos …

por em

Um trunfo geopolítico para a Rússia

O presidente chinês, Xi Jinping, pode se congratular pelo sucesso do primeiro fórum destinado ao projeto das novas rotas da seda, aberto no dia 14 de maio de 2017 em Pequim. Fora a Índia, que boicotou o evento por se opor à construção de uma autoestrada no Planalto de Doklam (em chinês, Donglang), disputado pelo …

por em

Uma viagem vigiada

  Um cruzamento movimentado, carros em todas as direções, buzinas furiosas… Poderia ser Paris ou Milão. Mas estamos em Pyongyang, na República Popular Democrática da Coreia, no meio da tarde. O alvoroço é por causa da Feira Internacional da Primavera, realizada no Parque das Três Revoluções (política, tecnológica e cultural, segundo a terminologia adotada desde …

por em

A reunificação das Coreias é possível?

Monumento pela reunificação das Coreias em Pyongyang Comoventes reencontros entre coreanos do Norte e do Sul na famosa estação do Monte Kumgang, na República Popular Democrática da Coreia (RPDC – Norte). Mistura de lágrimas e sorrisos: homens e mulheres, às vezes bastante idosos, puderam rever um irmão, uma irmã, a mãe, o pai, um filho ou …

por em

Vietnã, o polo industrial da vez

Com os cabelos negros sobre a testa, 50 anos joviais e olhos atentos, Nguyen Van Thien conta que o Partido Comunista Vietnamita (PCV) recruta “soldados do tio Ho para a frente de economia” – em referência a Ho Chi Minh, herói da independência e fundador da República Democrática do Vietnã. Thien, orgulhoso de sua tarefa, …

por em

Democracia na China, só quando o povo amadurecer…

De um lado, os “democratas”, defensores de um governo pelo povo e para o povo; do outro, os “autoritários”, partidários da ditadura do partido único: essa é a paisagem política chinesa desenhada pela maior parte dos meios de comunicação ocidentais. Na realidade, os dois campos não se mostram tão distantes. Tanto os primeiros como os …

por em

A cena rock’n’roll de Pequim

Em 30 de setembro de 2016, no Estádio dos Trabalhadores, em Pequim, Cuijian, o patrono do rock na China, fez um show para 30 mil fãs, acompanhado de uma lição de história contemporânea. Quando cantou o sucesso “Yiwusuoyou”, hino do movimento estudantil de 1989, as fotos no fundo do palco mostrando o roqueiro de boné …

por em

Kung-fu e luta de classes

Em 1973, o situacionista René Viénet,1 sinólogo e cinéfilo bem informado, modificou os diálogos de uma obscura produção de Hong Kong: Crush, dirigido no ano anterior por Tu Guangqi, com roteiro de Ni Kuang. Ele transformou a história clássica de um vilarejo chinês invadido por samurais e defendido por um adepto do kung-fu (Jason Pai …

por em

O grande retorno da China-mundo

Enquanto a China está no processo de se impor no mundo inteiro por seu aumento de poder (ao menos suposto), podemos nos questionar a respeito de sua pretensão à universalidade e de sua capacidade de pensar em uma nova globalização. A noção de universalidade apresenta esse paradoxo muito conhecido de que ela é tudo menos …

por em

Perigo amarelo na França?

Depois de muito tempo invisíveis, os chineses adentraram o mundo dos negócios na França com grande destaque e enfrentando muitas críticas. Em poucos meses, colocaram as mãos em empreendimentos como o Aeroporto de Toulouse-Blagnac, o Club Med, a agência de viagens Pierre et Vacances, os hotéis Campanile e Kyriad, o clube de futebol FC Sochaux, …

por em

Washington analisa cenários para uma “guerra aberta”

Enquanto a corrida presidencial norte-americana atinge seu ápice e os líderes europeus estudam as consequências do Brexit, os debates públicos sobre a segurança se concentram na luta contra o terrorismo internacional. Mas, se esse tema satura o espaço midiático e político, ele desempenha um papel relativamente secundário nas trocas entre generais, almirantes e ministros da …

por em

A rota do Ártico passa pela Islândia

Em meio à vegetação amarelada que bordeja o fiorde mais comprido da Islândia, Thorvaldur Ludvik Sigurjonsson, cabelos ao vento, desenha mentalmente o local do futuro porto de Dysnes. O consórcio de empresas islandesas Arctic Services, que ele dirige, espera se aproveitar no futuro da abertura da rota marítima criada pelo derretimento da calota polar a …

por em

Pequeno guia prático de conversação com extraterrestres

A tempestade foi mais forte que o previsto. A tripulação estava mal preparada, o navio afundou. Você conseguiu agarrar-se a um pedaço dos destroços. Depois de passar alguns dias à deriva em alto-mar, você vai parar em uma praia desconhecida. O socorro deve estar sobrevoando a área em busca de sobreviventes. O que você fará …

por em

Secretário-geral das Nações Unidas, um trabalho impossível

  Este trabalho é impossível.” Foi com esses termos que, em 1953, o primeiro secretário-geral da ONU, o norueguês Trygve Lie (1946-1952), descreveu seu posto ao sucessor, o sueco Dag Hammarskjöld. Ao longo das décadas subsequentes, a tarefa não se tornou mais simples. A Carta da ONU define que o secretário-geral deve acumular a função …

por em

Por algumas pedras a mais…

O Mischief Reef pode fazer as vezes de termômetro da situação no Mar da China Meridional: uma estrutura emersa1 que, nas fotografias obtidas por satélite há alguns anos, se parecia com um recife em forma de ferradura e foi descoberta em 1791 pelo capitão Henry Spratly. Em inglês, Mischief evoca uma ideia de enganos e …

por em

Taiwan e China disputam a América Central

Um ato de realismo elementar.”1 Foi com essas palavras que, em 2007, Oscar Arias Sánchez, então presidente da Costa Rica, comentou sua decisão de reconhecer a República Popular da China, 58 anos após sua fundação. A partir de 1949 e do exílio dos nacionalistas do Kuomintang, derrotados pela revolução, para o outro lado do Estreito …

por em

A reforma do Conselho de Segurança

Assim como a ação do Estado é determinada por suas elites, a atuação do Conselho de Segurança (CS) resulta da correlação de forças do sistema interestatal. Sua composição essencial – cinco membros permanentes (os “P5”) com direito a veto – reflete o poder originado na Segunda Guerra Mundial e cristalizado em 1945, na criação das …

por em

É possível fabricar um smartphone comercialmente justo?

  Com 1,4 bilhão de aparelhos fabricados em 2015,1 o smartphone é um símbolo da economia globalizada, resumida no verso de cada iPhone pela seguinte frase: “Concebido na Califórnia, montado na China”. As duas principais marcas desse aparelho, Apple (231 milhões de unidades em 2015) e sua rival sul-coreana Samsung (324 milhões),2 estão em intensa …

por em

David Harvey: As capitais do capitalismo

Daviid Harvey não gosta de São Paulo. “Estive na cidade nos anos 1970, e também em lugares como Recife e Salvador. Eles foram totalmente tomados por arranha-céus e shoppings centers. Todos no Brasil gostam de pensar que o país é especial – mas o que o Brasil tem de especial? É só capitalismo.” É assim, …

por em

Chineses, entre a colheita e a internet

Camponeses sem dentes, com as mãos enegrecidas pelo trabalho na terra, o corpo alquebrado pelo trabalho duro e a falta de cuidados; casas escuras de chão batido; algumas batatas em qualquer refeição… O século XIX em plena China do século XXI! Essas imagens, gravadas em dezembro de 2012 pela televisão oficial durante uma visita do …

por em

O que escondem os sobressaltos financeiros da China

  Em novembro de 2013, durante a sessão do Comitê Central, o Partido Comunista Chinês (PCC) anunciou as diretrizes que definem suas prioridades de reforma por um período de vinte anos. Estas foram aprovadas pelo Congresso Nacional do Povo em março de 2014. Na China, os objetivos políticos são guiados por uma visão de longo …

por em

Blitz chinesa em busca de leite

  Na zona de atividade comercial (ZAC) de Kergorvo, na entrada de Carhaix (Finistère), quinhentos operários trabalham duro num canteiro de obras. Até janeiro de 2016, uma fábrica de laticínios surgirá nesta região da Bretanha, na França: “Um centro industrial sem equivalente na Europa, com nada menos que 250 empregados”, informa Le Télégramme (26 mar. …

por em

Logo, logo o yuan estará nos bolsos do mundo todo?

Em meados dos anos 1990, com o crescimento do comércio entre a China e seus vizinhos, o renminbi(RMB), ou yuan, tornou-se um meio de pagamento bem recebido em toda a região. Durante a cúpula do G20 de novembro de 2008, em Washington, o então presidente chinês, Hu Jintao, comprometeu-se a diversificar o conteúdo das divisas …

por em

As origens climáticas dos conflitos

Entre 2006 e 2011, a Síria conheceu a mais longa seca e a maior perda de colheitas registrada desde as primeiras civilizações do Crescente Fértil, região que compreende, além de um trecho do país de Bashar al-Assad, Israel, Jordânia, Líbano e partes do Egito, do Irã, do Iraque, da Turquia. No total, dos 22 milhões …

por em

Hong Kong contrata domésticas, mas expulsa quem engravida

  Ativista durante entrevista em protesto em Hong Kong É preciso afinar o ouvido para escutar Shenyl, cuja voz encontra dificuldade para se impor no mesmo ambiente que seu filho, Ibrahim, garoto de 3 anos com imensos olhos negros. A jovem filipina, de 31 anos, rosto envolto em um lenço negro, deixou seu vilarejo natal …

por em

A guerra pelo petróleo se joga no mar

No início de maio de 2014, a instalação da plataforma petrolífera de perfuração HYSY-981 nas águas contestadas do Mar da China Meridional suscitou especulações sobre as motivações chinesas. Na avaliação de diversos observadores ocidentais, Pequim pretendeu, com esse gesto, demonstrar que pode impor seu controle e dissuadir outros países de seguir com suas reivindicações de …

por em

Petróleo e paranoia

E o gênio teve uma ideia. Pensando no Irã e na Venezuela, Thomas Friedman, colunista do The New York Times, concebeu, em 2009, a “Primeira Lei da Petropolítica” – com maiúsculas: “Nos países ricos em petróleo, o preço do petróleo bruto e o passo das liberdades seguem sempre em direções opostas”.1 Atenção, esclarece Friedman, uma …

por em

Mulheres e a mudança norte-coreana

  O aparecimento, em 2012, de uma elegante mulher ao lado do líder norte-coreano Kim Jong-un – a qual, mais tarde, soubemos chamar-se Ri Sol-ju e ser sua esposa – tinha o objetivo de dar uma imagem mais moderna ao regime do país. A presença feminina contrastava com o mistério que cercou a vida privada …

por em

A Austrália seduzida pela China

Em 15 de novembro de 2014, na reunião do G20 em Brisbane, o presidente Barack Obama tomou a iniciativa de reunir seus homólogos japonês e australiano. Essas discussões informais com Abe Shinzo e Tony Abbott se concentraram nos problemas de defesa. Os dois homens, respectivamente eleitos em 2012 e 2013, representam os pilares do sistema …

por em

EUA-Cuba, degelo sob os trópicos?

Demorou dezesseis anos para que os Estados Unidos reconhecessem a União Soviética; vinte para o Vietnã; trinta para a República Popular da China. No entanto, já se passaram 54 anos desde a derrubada de Fulgencio Batista, e Washington ainda se recusa a manter relações diplomáticas com Cuba. Para alguns, contudo, não há dúvida: o degelo …

por em

Na Argentina, os fundos abutres são postos em xeque

  rigaque opõe a Argentina aos “fundos abutres”, empresas especializadas em especular com dívidas duvidosas, lembra algumas séries da televisão norte-americana. Exibe todos os seus ingredientes: mistério, intrigas políticas, lances teatrais e “vilões” absolutamente nojentos – entre eles, um bando de antigos altos funcionários com seus chinelos de lobistas, sobre os quais o jornalista Mark …

por em

Na China, a raiva persegue os sindicatos

  Quem ainda pode duvidar da capacidade de mobilização dos trabalhadores chineses quando seus direitos são ameaçados? Em abril, em Dongguan, cidade do sul da China, 40 mil trabalhadores da gigante fábrica de calçados Yue Yuen – que produz para marcas ocidentais como Nike, Adidas, Converse… – fizeram greve durante duas semanas. Foi um dos …

por em

Na China, o deserto transforma-se em vinha

    A área dos vinhedos chineses dobrou nos últimos quinze anos e cresceu para cerca de 600 mil hectares em 2013.1 A China pode se tornar um gigante vitícola mundial, enquanto os vinhedos diminuem na Europa (3,5 milhões de hectares, dos quais 800 mil na França). O vinho conhece uma moda sem precedentes. A …

por em

As potências redesenham o mundo

Uma águia do livre-comércio norte-americana atravessa o Atlântico para destroçar uma tropa de cordeiros europeus mal protegidos. A imagem invadiu o debate público na aurora da campanha pelas eleições europeias. Chocante, ela é politicamente perigosa. Por um lado, não permite entender que também nos Estados Unidos coletividades locais correm o risco de serem vítimas, em …

por em

Em Bangladesh, o horror

Visível a diversas centenas de metros ao redor, a brilhante torre de vidro que se ergue solitária na margem do lago Hatirjheel evoca um enxerto do centro de Londres transplantado para o coração de uma gigantesca favela. É a sede da Associação dos Fabricantes e Exportadores de Têxteis de Bangladesh (Bangladesh Garment Manufactures and Exporters …

por em

Ambições espaciais e nucleares de Pequim balançam o jogo mundial

  Pequim não tem nenhuma estátua do senador anticomunista norte-americano Joseph McCarthy. Uma relativa ingratidão, se pensarmos que ele é o pai natural do programa nuclear chinês. A história é, no mínimo, surpreendente. No imediato pós-guerra, um jovem engenheiro emigrado originário de Hangzhou, Qian Xuesen, trabalhava contratado pelo Pentágono no Jet Propulsion Laboratory de Pasadena. …

por em

Frente antipopular

As potências emergentes de hoje não são herdeiras dignas dos anticolonialistas e anti-imperialistas de ontem. Os países do Sul controlam uma parte crescente da economia mundial, e, é preciso admitir, é justo que assim seja. Mas essa riqueza é de tal forma mal repartida que a desigualdade dos ganhos é ainda mais acentuada na África …

por em

A China na objetiva dos chineses

Cabelo espesso, parecido com os planaltos tibetanos cheios de arbustos da região de onde vem, Mo Yi expira a fumaça de seu cigarro com a indolência altiva dos velhos sábios ao desvanecer na bruma. As imagens fora de foco são frequentemente seu reino. Problemas de duração da exposição diante das mudanças sociais muito rápidas? “Eu …

por em

Guerra de nacionalismos no Mar da China

Há vários meses, as disputas de soberania no Mar da China continuam a se agravar. Em abril de 2012, a guarda costeira das Filipinas ameaçou atirar em navios de pesca chineses nas águas disputadas do recife de Scarborough. Em junho, o Vietnã decidiu abrir vias navegáveis perto das ilhas Spratly e Paracel; a China retaliou …

por em

Os mistérios do Partido Comunista Chinês

(Estudantes formam a bandeira do Partido Comunista Chinês durante a celebração de seu 90° aniversário) No bairro de Weigongcun, na ampla calçada que liga Renmin Daxue – a Universidade do Povo, uma das mais velhas de Pequim – à estação de metrô com o mesmo nome, a municipalidade instalou um terminal eletrônico, com tela tátil …

por em

A China é imperialista?

A China, que se autoclassifica como “país em via de desenvolvimento”, promete às nações do Sul que não reproduzirá os mesmos comportamentos predadores das antigas potências coloniais. Durante o Fórum de Cooperação China-África, sediado em Pequim em 9 de julho, o presidente Hu Jintao anunciou: “A China é o maior dos países em desenvolvimento, e …

por em

A transmutação chinesa nos corredores da OMC

Não se trata de um monumento como a Torre Eiffel. Ainda assim numerosos turistas tiram fotos da entrada do Centro William Rappard, sede da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Genebra, na Suíça. Em geral, são chineses. Como explicar essa atitude bastante estranha se comparada aos interesses de outros viajantes? Para responder à questão, é …

por em

“Pau para toda obra” made in Filipinas

Um caminho sinuoso, bosques de pinheiros verdejantes e homens de uniforme. De repente, surgem as imagens de cartão-postal da Baía de Hong Kong, suas alamedas de imóveis e seu enxame de navios. Ao volante do sedãconversível, Charlotte faz um sinal com a cabeça para o vigia, e a cancela de Tertre de Stanley, um condomínio …

por em

Na China, a vida segundo a Apple

(Trabalhadores da Foxconn participam de celebração de “valorização da vida”, em Longhua, na província de Guangdong) “É a primeira vez que eu falo com um estrangeiro. Você conhece o Michael Jackson? Tenho todas as músicas dele no meu telefone!” É meia-noite e meia e estamos diante da entrada de Hongfujin, um braço da Foxconn dedicado …

por em

No “3° mundo”, os independentistas “reacionários”

No mundo colonizado pouco antes da Primeira Guerra Mundial, o debate sobre as alianças entre a classe trabalhadora e as “camadas médias” não seguia as mesmas lógicas que na Europa do século XIX. A classe trabalhadora era praticamente inexistente nesse momento, e o socialismo, embrionário. Os movimentos de resistência à ocupação estrangeira eram dirigidos por …

por em

Reequilibrar as relações entre China e Estados Unidos

Ao longo da última década, o PIB da China aumentou quase dez vezes mais rápido que o dos Estados Unidos: ele passou de cerca de US$ 1,1 trilhão em 2000 para US$ 5,88 trilhões em 2010, enquanto o norte-americano, no mesmo período, aumentou de US$ 10 trilhões para US$ 14,6 trilhões. A economia chinesa continua …

por em

Pistas para uma nova revolução produtiva

A despeito dos discursos sobre a “sociedade pós-industrial do lazer” florescidos nas décadas de 1990 e 2000, a produção industrial ainda desempenha papel essencial na organização dos territórios, na dinâmica dos sistemas produtivos e nas relações de poder estruturantes da globalização. Em vinte anos, de 1990 a 2010, profundas mudanças surgiram na hierarquia global: diante …

por em

Vícios chineses

Os Estados Unidos levam bronca e perdem a posição de melhor aluno da classe (capitalista); a China é chamada a socorrer os caixas e impulsionar o crescimento global. Nem em seus sonhos nacionalistas mais loucos os líderes chineses poderiam imaginar uma tão espetacular mudança da história. Eles não se privam mais de dar lições a …

por em

Ilustração para exportação: uma mostra brasileira na China

Há diversos aspectos culturais que influenciam na percepção da identidade de um povo. A música, sem dúvida, é um dos mais populares, mas há muitos outros. A literatura, a gastronomia e o gosto por determinadas atividades esportivas, por exemplo, representam outras expressões culturais que revelam a identidade dessas pessoas que compartilham uma origem geográfica específica. …

por em

Pesquisadores chineses defendem reformas no país

(Cambojanos trabalham em construção de porto na província de Kandal, na China) Após trinta anos de desenvolvimento econômico, graças a uma política de reforma e de abertura, a China chegou a um momento crucial de sua transformação social. A situação pode ser resumida em três constatações: o desenvolvimento da economia é rápido; a estabilidade política …

por em

A China, velha antes de ser rica

A China abriga um de cada cinco habitantes do planeta: com 1,35 bilhão de pessoas em 2010, figura como o país mais populoso do mundo – e seguirá com esse título pelo menos nas duas próximas décadas. A partir de 2030, contudo, deverá ceder lugar à Índia, que contará com 20 milhões de pessoas a …

por em

À sombra da China, as relações indo-vietnamitas

A amaar naam tomaar naam – Vietnam Vietnam”, “Meu nome, teu nome – Vietnã, Vietnã!” Do final dos anos 1960 até meados dos anos 1970, esse bordão, bramido em bengali, era o grito de guerra dos estudantes de Calcutá para expressar sua solidariedade para com o povo vietnamita e mostrar sua desaprovação ao imperialismo dos …

por em

Índia e China, conflitos e convergências

India e China têm tido uma relação de amor e ódio. Em dezembro de 2010, a visita do presidente chinês, Wen Jiabao, a Nova Déli foi marcada por certa frieza: o comunicado final não incluiu a menção de «uma China única» («One China»), a fórmula habitualmente usada para marcar o reconhecimento da soberania chinesa sobre …

por em

Pyongyang, satélite de Pequim

O atual recrudescimento da tensão armada na península coreana se inscreve num jogo estratégico complicado. O cenário tem como pano de fundo um estado de guerra que vem perdurando há mais de meio século, já que apenas um armistício pôs fim, em 1953, às hostilidades que na época opunham a República Popular Democrática da Coreia …

por em

Controle da matéria-prima e tecnologias em disputa

A expectativa era de que isso ocorreria primeiro nas explorações a céu aberto da Mongólia interior ou nas minas profundas do bush australiano. Mas foi no meio dos nevoeiros do Mar da China Oriental que a problemática dos chamados metais de “terras raras” – esses metais de elevado valor tecnológico agregado – irrompeu mais uma …

por em

A revolta dos trabalhadores

“Eu trabalho nessa fábrica desde 5 de junho de 2006. Meu salário é de cerca de 1.400 yuans (360 reais); é um punhado de yuans a mais do que ganham os que acabam de ser contratados. Você acha isso justo? É justo que meu salário tenha aumentado só 28 yuans no segundo ano, 29 no …

por em

Aliança para todos os gostos

Atualmente, o enfraquecimento do mundo unipolar na virada do século passado e a emergência de novos países no cenário comercial – Brasil, China, Índia, África do Sul etc. – acentuam ainda mais os confrontos, considerando que o neoliberalismo transforma os bens vitais em recursos raros – água, terras cultiváveis, hidrocarbonetos etc. Sim, é fato que …

por em

China: o novo destino dos africanos

Sua presença é notável por aqui. Estamos em um bairro entre Xiaobei Lu e Guangyuan Xi Lu, em Guangzhou (Cantão), no sul da China, a duas horas de trem de Hong Kong. Oficialmente, 20 mil africanos1, ou cerca de 100 mil, de acordo com um pesquisador da Universidade de Hong Kong2, vivem ou estão de …

por em

A China abandona o dólar

De um ano para cá, os ânimos vêm se exaltando nos Estados Unidos diante da idéia de que a China, descontente com a política externa do presidente Barack Obama, tome a decisão, como forma de represália, de não mais comprar bônus do Tesouro americano. Se acreditarmos nas sombrias profecias de muitos analistas, tal medida desencadearia …

por em

O “modelo de Pequim”

Sessenta anos depois, retomando uma declaração de Mao Tsé-tung feita em 1º de outubro de 1949, o seu sucessor (distante) Hu Jintao fez a seguinte avaliação: “Hoje a China se mantém de pé graças às realizações do socialismo”.De fato, o reerguimento foi espetacular. Há muito tempo o país deixou de ser humilhado ou desmembrado pela …

por em

A nova força da Índia

Com mais de 1 bilhão de habitantes, status de nação nuclear e uma expansão econômica extraordinária, a Índia atingiu o nível de potência mundial. Gigante em plena ascensão, o país conseguiu modificar sua imagem de simples “ator regional” ligado a uma “diplomacia moral”1 herdada dos anos de governo de Jawaharlal Nehru. Os atores globais já …

por em

Uigures, entre a modernidade e a repressão

Esta viagem até os rincões da China começou na estação Château de Vincennes do metrô, perto de Paris, no salão dos fundos de uma cervejaria comum. Com o olhar apavorado e as mãos trêmulas, um uigur escoltado por um oficial francês à paisana fita a pessoa que está diante dele, vinda para entrevistá-lo. Ele suspeita …

por em

Do trabalho precário ao desemprego

Os mais diversos zumbidos tomam conta das ruas de Chenghai desde a primeira hora do dia. Nesse distrito administrativo da cidade de Shantou, situada no extremo leste da província do Guangdong, na China, a vida fervilha. Os riquixás avançam na contramão, ziguezagueando entre as fileiras de carros. As motos desafiam a gravidade transportando dezenas de …

por em

Olimpíadas ameaçadas

Poucos acontecimentos eram tão previsíveis e foram tão minuciosamente planejados. Sede das Olimpíadas de 2008, e com a antevisão de superar os Estados Unidos no ranking das medalhas, a China esperava fazer do evento um espetacular instrumento de propaganda e o marco definitivo de sua ascensão ao pódio das superpotências. Em um país onde o …

por em

Uma nova geopolítica dos capitais

A anedota percorreu bancos e instituições financeiras antes de chegar às redações de jornais do mundo inteiro: foi um telefonema do presidente chinês Hu Jintao ao colega George W. Bush que salvou da falência Fannie Mae e Freddie Mac, as duas gigantes do crédito hipotecário americano. Dizem as más línguas que as autoridades chinesas ameaçaram …

por em

O peso político dos Jogos

“Este é o mundo perfeito. Pessoas bonitas, talentosas e dedicadas realizando o seu melhor, elevando os limites do homem.” Mais do que um retrato dos Jogos Olímpicos, a frase do ex-jogador de basquete Oscar Schmidt reflete como esse evento é encarado por bilhões de pessoas ao redor do mundo. No seu último século de existência …

por em

Pequim reafirma suas ambições navais

Em 2006, Daguo Juequi (A ascensão das grandes potências), um documentário da Televisão Central Chinesa (CCTV), teve sucesso estrondoso1. Rigorosa e baseada em entrevistas realizadas com historiadores e dirigentes internacionais, a produção explica como os impérios de Portugal, Espanha, Holanda, França, Inglaterra, Alemanha, Japão, Rússia e Estados Unidos se constituíram, prosperaram e, eventualmente, desmoronaram. A …

por em

A ‘democratização conservadora’

Do Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC) em outubro de 2007 até os preparativos para os Jogos Olímpicos, passando pela tarefa de administrar o “caso tibetano”, não se pode dizer que a China tenha oferecido uma imagem renovada do seu sistema político. Esse conservadorismo que emana “de cima” contrasta, porém, com a amplidão, a freqüência …

por em

Macau supera Las Vegas

Quando a balsa se aproxima lentamente do cais, vê-se um istmo estreito, rodeado por duas baías profundas, onde conquistadores portugueses e coolies chineses ergueram uma cidade mítica chamada Macau. Originariamente, o lugar denominava-se A-Ma-Gao (Baía de Ama), em homenagem a uma heroína que, segundo a lenda, salvou centenas de barcos de pesca colhidos em terríveis …

por em