Rascunhos sobre Distopia: web-série reflete sobre realidades distópicas - Le Monde Diplomatique

VÍDEO ENSAIO

Rascunhos sobre Distopia: web-série reflete sobre realidades distópicas

por Tais Ilhéu
outubro 3, 2018
compartilhar
visualização

Em série audiovisual, “Rascunhos sobre Distopia”, o crítico de cinema e jornalista Gabriel Barcelos e o cartunista e músico João da Silva refletem sobre as produções artísticas imersas na realidade distópica dos dias de hoje: “Quais futuros pensaram nossos passados, e quais passados aguardam nossos futuros?”

Umbigolândia, uma terra em que pescoços imensos e curvados permitem que cada um tenha e viva apenas seu mundo particular, situado no centro de si mesmo. Ficção ou retrato da realidade? E em que medida o mundo real já não carrega uma conotação mais assustadora que a da ficção? O cantor Belchior já dizia que a vida é realmente diferente da fantasia — quer dizer, ao vivo é bem pior. Ou Mark Twain, que afirmava que a verdade é mais estranha do que a ficção, já que esta precisa fazer sentido, enquanto a realidade não.

Essa falta de perspectiva e o medo do porvir estão diretamente associados a um gênero que, dada a conjuntura, tem ganhado cada vez mais projeção nos últimos anos no cinema, na literatura, na música. Buscando explicar essa tomada da arte pela distopia, Gabriel Barcellos e João da Silva estrearam a websérie Rascunhos sobre Distopia, no também recém criado canal Ensaio Geral. Em Futuro do Pretérito, o primeiro episódio, Gabriel conta que os Rascunhos nascem de um sentimento, segundo ele, presente hoje entre a maioria das pessoas: “Não estou entendendo nada do que está acontecendo”.

Nos dois primeiros vídeos da série, eles caminham de Belchior à Mark Taiwan, Walter Benjamin, George Orwell, Margaret Atwood, Aldous Huxley e tantas outras referências nas artes e nas ciências humanas. Traçam o caminho da utopia à distopia, evidenciando como o contexto político de cada época influenciou no descrédito de uma e ascensão da outra.

E falam, principalmente, da convergência que a distopia representa entre passado, presente e futuro, reflexão que parece cada vez mais urgente em um momento de apagamento da história. Não à toa, a distopia ascendeu em meio ao autoritarismo, à guerra e à intolerância. Sua retomada agora não poderia ser mais sintomática. Com uma frase cirúrgica, Gabriel descreve essa encruzilhada na qual nasce a distopia, entre o medo e a apatia: “Quais futuros pensaram nossos passados, e quais passados aguardam nossos futuros?”.

A websérie de vídeo-ensaio Rascunhos sobre Distopia tem direção, roteiro e edição de Gabriel Barcelos, trilha sonora e desenhos de João da Silva. O vídeo-zine foi produzido com os quadrinhos e trilha de João da Silva, edição e efeitos sonoros de Gabriel Barcelos

Vídeo-zine Umbigolândia

 

Tais ilhéu é jornalista



Artigos Relacionados