Revolucionários esquecidos - Le Monde Diplomatique

LIVROS R

Revolucionários esquecidos

por Ramón Chao
1 de dezembro de 2001
compartilhar
visualização

Os “doze revolucionários sem revolução possível”, ressuscitados por Paco Ignacio Taïbo, levaram uma vida louca, e muitas vezes trágica, não recuando diante da violência em seu desejo místico de mudar o mundoRamón Chao

A lista dos santos revolucionários é incompleta e, amiúde, injusta. Figuras essenciais são esquecidas enquanto outras são exaltadas. Pelos cânones da ortodoxia marxista, não se pode dizer que as personagens reunidas por Paco Ignacio Taïbo1 , por caminhos em que se cruzam o desejo de justiça, o absurdo kafkiano e a tragédia dostoievskiana, mereçam um lugar no coro celestial. Esses “doze revolucionários sem revolução possível”, ressuscitados por ele, levaram uma vida louca, e muitas vezes trágica, não recuando diante da violência em seu desejo místico de mudar o mundo. Historiador e romancista, Taïbo descobriu, nos meandros da história, esses doze Justos excluídos dos anais oficiais. E decidiu contar sua vida.

Construindo “algo inimaginável”
Foram anos de pesquisa para descobrir os fatos e proezas desses desconhecidos que só viveram para levar até o fim seu sonho de salvar a humanidade

Foram necessários anos de pesquisa para descobrir os fatos e proezas desses desconhecidos que não viveram senão para levar até o fim seu sonho de salvar a humanidade. Anarquistas e sindicalistas, às vezes amantes selvagens, para quem a militância não exclui o romantismo e a aventura é cercada por uma auréola de nostalgia. Na verdade, Taïbo entrega-se ao elogio da derrota. A derrota de Sebastián San Vicente, apelidado “O anjo negro exterminador”. No País Basco, onde nasceu, luta, armado de um revólver, contra o desemprego e contra os latifundiários. Depois, exilado no México, cria, em 1921, a CGT mexicana e morre, em 1938, na Espanha, combatendo perto de Bilbao como miliciano num batalhão do sindicato anarquista CNT.

Cruza-se com a marxista bolchevique ortodoxa Larissa Reisner, originária de uma família burguesa polonesa do século XIX. Editora de uma revista literária, poetisa, ela entra para o Exército Vermelho para lutar “ao lado desses homens que superam seu medo porque estão em via de construir algo inimaginável”. Que dizer também de Max Hölz, o Robin Hood do comunismo alemão? Com a cabeça posta a prêmio, ele muda o rosto, se disfarça e torna-se “um fantasma diante de centenas de olhos que simulam a cegueira”.

Uma luta compulsiva contra a opressão
Cruza-se com a bolchevique ortodoxa Larissa Reisner, com Max Hölz, Robin Hood do comunismo alemão, e o velho Librado Rivera, anarquista mexicano

Descobrimos também o velho Librado Rivera, anarquista mexicano que volta para sua terra com 60 anos, depois de ter passado duas décadas em prisões norte-americanas, e passa a editar um jornal de propaganda com uma tiragem de 5 mil exemplares. Preso e torturado, jamais se dobraria. Ou então o chinês P?eng P?ai, “o homem que inventou o maoísmo e a revolução proletária nascida no campo”. Descendente de uma família abastada e traidor de sua classe, foi expulso duas vezes da História: primeiro, da história tradicional de sua casta; depois, da história da revolução camponesa na China, atribuída exclusivamente, e de modo injusto, ao Grande Timoneiro.

Chega-se à vida agitada do anarquista espanhol Buenaventura Durruti. Depois de algumas aventuras rocambolescas na América Latina, ele lidera a insurreição de Barcelona contra as tropas de Franco e morre na frente de batalha de Madri, de modo misterioso, talvez assassinado por seus próprios camaradas que queria arrastar para um combate suicida contra o inimigo fascista já vitorioso. Se essas histórias têm o sabor do fracasso, o talento do contador é fascinante. Taïbo teve o cuidado de diversificar o prazer, apresentando cada história de uma maneira diferente. Num estilo simples, direto, as descrições – relatadas ou recriadas – ajustam-se naturalmente ao ritmo dos encontros, das descrições. Às vezes, imita outros escritores, como Norman Mailer. Como bom romancista, utiliza vários tipos de técnica – monólogos, diários íntimos, autobiografias fictícias – para nos apresentar doze homens e mulheres animados por uma necessidade compulsiva de lutar contra a opressão. (Trad.: Iraci D. Poleti)

1 – Archanges, de Paco Ignacio Taibo II, tra



Artigos Relacionados

ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II
A QUESTÃO DA PLURINACIONALIDADE NO CHILE

O processo constituinte e os povos originários

por Fernando Pairican