Rumo à liberalização geral - Le Monde Diplomatique

OMC

Rumo à liberalização geral

por Bernard Cassen
1 de setembro de 2003
compartilhar
visualização

A cada dois anos, a reunião da conferência ministerial, instância suprema da OMC, atrai a atenção do mundo, mas é longe dos olhares dos manifestantes que se fazem as negociações que realmente interessam para os paladinos do livre comércioBernard Cassen

Muitos governos devem lamentar não terem adotado os estatutos da Organização Mundial do Comércio (OMC) por ocasião de sua primeira conferência ministerial, em Marrakech, em 1994. Embora se considerasse que essa nova organização seria um fórum permanente para as negociações comerciais multilaterais – que romperia com os “ciclos” de negociação (de duração estabelecida no papel, mas nunca respeitada) de seu predecessor, o Acordo Geral sobre as Tarifas Aduaneiras e o Comércio (Gatt1) -, ela continuou a funcionar, no final das contas, segundo a mesma lógica2.

Na realidade, são os quatro dias da reunião – normalmente bianual – da conferência ministerial, instância suprema da OMC, que atraem a atenção, enquanto as diferentes negociações em curso – sobre o acesso aos medicamentos, a agricultura, os serviços, o tratamento especial e diferenciado dos países em vias de desenvolvimento, o acesso ao mercado dos produtos não agrícolas etc. – têm, cada uma, seu ambiente de trabalho e seu calendário próprios, sem que haja passarelas formais entre elas. E, sobretudo, funcionam longe dos olhares dos manifestantes…

A liberalização é um artigo de fé

Seriam essas medidas de liberalização um sucesso para as populações envolvidas? Essa questão não se coloca para os liberais: é um artigo de fé

A conferência ministerial, organizada em Cancún (México), de 10 a 14 de setembro – e que dá prosseguimento à de Doha (novembro de 20013) – não corresponde a nenhuma data limite especial: é simplesmente estatutária. No entanto, numa dinâmica bastante semelhante à das negociações européias – em que são fixados prazos amplamente divulgados, embora não haja nunca uma urgência real -, esta provoca toda espécie de estimativas e permitirá, posteriormente, avaliações em termos de “sucesso” ou de “fracasso”. O que viria a ser um “sucesso”? Pura e simplesmente, o prosseguimento e a intensificação das medidas de “liberalização” em todos os campos atualmente em negociação e, se possível, em outros.

Mas seriam essas liberalizações um sucesso para as populações envolvidas? Essa questão não se coloca para os liberais: é um artigo de fé. Infelizmente, para eles, os números não lhes são favoráveis. Neste jornal, o pesquisador coreano Ha-Joon Chang, retomando, entre outros, os trabalhos do economista suíço Paul Bairoch (ex-participante do Gatt!), mostrou que o crescimento da economia mundial fora menos elevado nas décadas 1980-2000 – idade de ouro do livre comércio e da desregulamentação – do que nas décadas 1960-1980, vilipendiadas por seus “arcaísmos” protecionistas e intervencionistas4.

A exaltação dos mercados

Haveria um meio bem simples de esclarecer tudo: seria fazer um balanço, público e contraditório, “das conseqüências dos acordos de Marrakech”

Haveria um meio bem simples de esclarecer tudo: seria, como pede o Conselho Econômico e Social (CES), através de um parecer muito documentado5, fazer um balanço público e contraditório “das conseqüências, outras que não as comerciais, dos acordos de Marrakech e de seu impacto sobre o crescimento econômico, a redução das desigualdades entre países, em função de seu nível de desenvolvimento, o emprego, a repartição das atividades produtivas entre as regiões, o meio ambiente e a aplicação das normas sociais”. O CES sugere que a União Européia ou, se for o caso, a França, tome a iniciativa de pedir ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas que proceda a essa avaliação.

É surpreendente que o comissário europeu Pascal Lamy, onipresente na grande imprensa, na qual só conta com amigos, não tenha ainda assumido para si essa sugestão, ele que está tão seguro do que faz, quando exalta permanentemente os benefícios da liberalização dos mercados. Senhor Lamy, eu o desafio! Para reforçar suas teses, o senhor poderia fazer ouvir três altas personalidades que recentemente assinaram em conjunto um artigo em louvor do comércio globalizado como instrumento a serviço dos pobres, do qual, como todos sabem, foram os mais ardorosos defensores em suas ex-funções ou nas atuais: Robert Rubin, ex-secretário do Tesouro e presidente do Comitê executivo do Citigroup; Shoichiro Toyoda, presidente honorário do patronato japonês e Dominique Strauss-Kahn, ex-ministro (socialista) das Finanças6.

Incentivar a ofensiva das multinacionais

Montado o palco em Cancún, deve-se evitar o fracasso, enquanto centenas de milhares de pessoas irão protestar dizendo que “O mundo não é uma mercadoria”

Por enquanto, todos irão facilmente compreender que o comissário esteja ocupado demais para dar prosseguimento a esta proposta. Montado o palco em Cancún, é preciso evitar que a peça se torne um fracasso, enquanto, nos quatro cantos do planeta – e em especial na França, depois do enorme sucesso da reunião de Larzac – centenas de milhares de pessoas vão se manifestar contra o funcionamento da OMC com faixas com o lema “O mundo não é uma mercadoria”. Para que o espetáculo da liberalização continue (The show must go on!), são urgentes os acordos inter-temas: eu deixo de lado este ponto, você me faz concessões sobre outros, e assumimos posição comum contra um terceiro parceiro.

Desse ponto de vista, o acordo mínimo entre os Estados Unidos e a UE sobre a agricultura (leia, nesta edição, o artigo de Jacques Berthelot), se não resolve evidentemente nenhum problema fundamental, demonstra pelo menos a solidariedade transatlântica diante dos governos de muitos países do Sul, dos quais muito se espera em troca dessa “abertura”: pôr em discussão as famosas “questões de Cingapura7“, que são o investimento, a concorrência, a transparência dos mercados públicos e a “facilitação” das trocas (melhoria dos procedimentos alfandegários etc.). São elas que motivam Lamy e seu colega e amigo norte-americano, Robert Zoellick, pois podem reduzir muito as proteções ainda existentes no Sul contra a ofensiva das multinacionais européias e norte-americanas.

A dívida dos países em desenvolvimento

É para pagar essa sacrossanta dívida que países, como o Brasil, exportam produtos agrícolas, enquanto a maior parte de sua população não se alimenta satisfatoriamente

A respeito do investimento, o projeto é fazer voltar pela janela da OMC, com alguns retoques quanto aos detalhes, o Acordo Multilateral sobre o Investimento (AMI), mandado porta afora, sem sucesso, pela Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômicos (OCDE), em 1998. Nada garante que os governos do Sul, encabeçados pela Índia, aceitem reabrir essa questão. Sobretudo se Zoellick, prisioneiro de seu lobby farmacêutico, não se aliar à posição unânime dos 145 outros membros da OMC sobre o acesso dos países pobres aos medicamentos genéricos que não têm condições de produzir

Bernard Cassen é jornalista, ex-diretor geral de Le Monde Diplomatique e presidente de honra da Atacc França.



Artigos Relacionados

Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud