Simplicidade - Le Monde Diplomatique

ENSAIO

Simplicidade

por Serge Halimi
1 de abril de 2002
compartilhar
visualização

Por trás da pretensa complexidade exaltada por alguns intelectuais, o mundo de hoje, na realidade, é bem mais simples: o mundo está, cada dia mais, sendo apropriado por poucosSerge Halimi

Tornou-se difícil assistir a um debate sem que um dos participantes, e nem sempre o mais competente, explique, sabiamente: “As coisas são mais complexas”. Tal apelação à complexidade sugeriria, mesmo nos dias atuais, uma indiscutível superioridade intelectual. Ainda que, nos dias de hoje, as coisas sejam, às vezes, bem mais simples do que antes…

Um exemplo: o poder econômico. As “redes” – é o que nos explicam – teriam se emaranhado, e a velha dominação do capital teria sido liquidada pelos “contra-poderes”, pelos cidadãos, pelos meios de comunicação; uma forma de não-hegemonia, apenas ligeiramente assimétrica, estaria orientando nossa existência. Devido aos méritos do “pós-fordismo”, teriam, portanto, acabado os cartéis que tudo controlavam. Será?

Fusões, aquisições, concentração: um número cada vez menor de empresas controla um número cada vez maior de setores-chave. Em algumas áreas (telecomunicações, pesquisa petrolífera, indústria farmacêutica), a enormidade de investimentos necessários como “cacife de entrada” incentiva essa evolução. Mas nem sempre: se são quatro os protagonistas que dominam o petróleo (Exxon, Shell, BP e TotalFina Elf), são apenas dois, Nike e Adidas, os que dominam os calçados, um setor a priori menos exigente em capital investido1.

Concentração espetacular

Nos Estados Unidos, a legislação destinada a concentração está em vias de voar em estilhaços, sob a pressão dos lobbies da defesa, da informática e das telecomunicações

Nos Estados Unidos, o fenômeno da concentração é ainda mais espetacular porque a legislação destinada a coibir essa prática está em vias de voar em estilhaços, sob a pressão dos diversos lobbies da defesa, da informática e das telecomunicações. Vinte anos atrás, alguns milhares de operadoras dividiam o mercado da televisão a cabo, enquanto atualmente apenas três detêm 65% do total; em 1990, três editoras controlavam 35% do faturamento de livros didáticos, enquanto hoje essas mesmas três editoras abocanham 62% do mercado; em 1993, doze grandes empresas atendiam às necessidades fundamentais do exército norte-americano, enquanto agora são cinco; em 1996, oito grandes empresas de telefonia concorriam entre si, enquanto hoje são somente quatro2.

E não se poderia esquecer o custo que significam esses oligopólios para o “consumidor”, que aliás é sempre exaltado. Tomando por base a desregulamentação da televisão a cabo e sua “consolidação”, em 1996, as tarifas pagas pelo cliente aumentaram três vezes mais rapidamente que o índice da inflação. Quanto ao livro didático, aumentou 65% em dez anos, ou seja, cinco vezes mais que o índice de preços ao consumidor. O último Relatório Econômico apresentado ao presidente Bush, no entanto, concluía que são “poucas as provas” de que a concentração ocorrida durante as duas últimas décadas tenha “prejudicado a concorrência”. Concorrência em nome da qual se destroem os serviços públicos por toda parte.

Também aí, as coisas, no fundo, são bastante simples. (Trad.: Jô Amado)

1Boletim informativo do Observatório das Transnacionais, 18 de fevereiro de 2002. Veja o site http://www.transnationale.org
2 “Oligopolies Are on the Rise,

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II
A QUESTÃO DA PLURINACIONALIDADE NO CHILE

O processo constituinte e os povos originários

por Fernando Pairican