Um ano da intervenção federal no Rio e a transparência dos dados - Le Monde Diplomatique

MILITARIZAÇÃO

Um ano da intervenção federal no Rio e a transparência dos dados

por Pablo Nunes
14 de Março de 2019
compartilhar
visualização

Segundo levantamento  do Observatório da Intervenção no Rio de Janeiro, informações básicas do cotidiano da pasta de Segurança, como por exemplo os números de armas e drogas apreendidas em uma operação, foram regularmente sonegadas.  Entre as 172 solicitações feitas via Lei de Acesso à Informação (LAI), apenas 9 foram respondidas satisfatoriamente.

Há poucas cidades, estados ou países em que a coleta e a sistematização de grandes volumes de dados não seja uma realidade cotidiana na gestão pública. Informação é  um ativo valioso, presente seja nas campanhas eleitorais, quando candidatos questionam políticas públicas dos adversários por meio de índices, seja no dia-a-dia da administração de uma cidade, localizando, por exemplo, os bairros em que as escolas apresentam rendimento inferior à média de uma região, entre outras utilidades. Mas é importante lembrar que as informações também são importantes para os cidadãos, que avaliam as ações colocadas em prática e dão seu aval – ou não – para as políticas propostas em uma eleição.

No caso do Rio de Janeiro, a intervenção federal na segurança pública representou uma mudança no comando das polícias, mas manteve a regularidade e qualidade de produção de dados sobre segurança e violência no Estado, através do trabalho do Instituto de Segurança Pública (ISP), órgão da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESEG). Os dados do ISP sobre crime e criminalidade continuaram a ser produzidos regularmente, contrastando com a postura dos comandantes da intervenção, que em diversas oportunidades demonstraram certa impaciência com a avaliação dos seus atos e se furtaram a comentar e prestar mais informações quando solicitados pela mídia ou pela sociedade civil.

O ISP, que é um instituto com excelência comprovada[1], mantém há longo tempo diálogo com outras instituições, como o Ministério Público do Rio de Janeiro, o Laboratório de Dados Fogo Cruzado, o Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS-Rio) e o Instituto Igarapé[2]. Certamente, essa relação próxima com a sociedade civil tem sido fundamental para que o trabalho do ISP seja referência para todos os estados brasileiros.

Rio de Janeiro, favela da Rocinha

 

Mas as estatísticas produzidas pelo ISP não expressam toda a realidade cotidiana de violência no Rio. Algumas questões que impactam o dia-a-dia dos cidadãos ficam fora dos levantamentos oficiais. O fato é que existem experiências cotidianas que somente a sociedade civil consegue mensurar e avaliar: o impacto de uma operação policial com horas de duração na rotina dos moradores; os padrões de conflito e disputas territoriais por grupos armados; as denúncias de violações de direitos humanos, entre outros. Informações sobre estrutura dos batalhões ou o número de tiroteios, por exemplo, ainda não estão disponíveis. Para monitorar e sistematizar estes aspectos da segurança pública, a produção de dados pela sociedade civil é fundamental, mesmo quando o governo se conduz com total transparência, porque a conjugação de  dados de diversas fontes produz um retrato mais fidedigno do cotidiano de um estado.

Foi a partir dessa premissa que o Observatório da Intervenção criou sua metodologia de acompanhamento, sistematização e divulgação de dados sobre diversos aspectos da Intervenção. O Observatório passou a fazer um levantamento, inédito até então no Rio de Janeiro, sobre as operações policiais, reunindo dados sobre local, número de agentes envolvidos, forças mobilizadas, mortos civis e policiais, feridos, presos e apreensões. Esse levantamento permitiu apontar a desproporcionalidade entre os investimentos feitos nas operações e a modéstia dos seus resultados. Foi feita ainda a leitura diária de Diários Oficiais e acompanhamento dos portais governamentais de pagamentos para entender os gastos da intervenção. Boa parte da metodologia foi inspirada em outras iniciativas reconhecidas e premiadas internacionalmente, como o Armed Conflict Location & Event Data Project (ACLED), o Gun Violence Archive e o Fogo Cruzado.

Durante os dez meses de Intervenção, os pesquisadores do Observatório revisaram as informações de dezenas de fontes: as contas oficiais das polícias e de outros órgãos de segurança nas redes sociais, bem como do Gabinete de Intervenção (GIF); os principais jornais brasileiros e fluminenses; sites de jornais e mídias alternativas; páginas de bairros no Facebook; e uma rede de ativistas de diferentes favelas de toda a Região Metropolitana. Todas as informações foram confrontadas com diferentes fontes e só foram registradas depois da validação e da revisão da equipe. Após o processo de consolidação e revisão, os dados foram divulgados na forma de relatórios e infográficos mensais. Baseados nos princípios da transparência e da abertura de informações,  fornecemos todos os nossos bancos de dados a diferentes pesquisadores, jornalistas e estudantes que fizeram solicitação, incorporando também as críticas e sugestões dos solicitantes.

Uma das características da Intervenção, percebida nesse processo de monitoramento, foi a dificuldade de acesso a informações básicas do cotidiano da pasta de Segurança, como por exemplo os números de armas e drogas apreendidas em uma operação  e gastos com material, entre outras.  Para contornar essas lacunas, realizamos solicitações via Lei de Acesso à Informação (LAI). Entre 172 solicitações feitas,  84 foram  para os órgãos estaduais. Destas, apenas 9 foram respondidas satisfatoriamente. O descaso com a transparência é tão grande que ainda existem cinco solicitações em andamento que datam de maio e junho de 2018, mais de seis meses de espera. É bom lembrar que a LAI estabelece o prazo de 20 dias úteis, prorrogáveis por mais 10 dias, para a resposta do órgão público.

No que se refere à LAI, o cenário piorou. No dia 23 de janeiro de 2019 foi publicado o decreto nº 9.690 que, em linhas gerais, modifica partes importantes da regulamentação da Lei de Acesso à Informação. O novo texto amplia o número de funcionários habilitados a classificar documentos como reservados, secretos ou ultrassecretos, o que pode significar um período de sigilo de até 25 anos. É uma medida que contraria as promessas de campanha do presidente eleito (combate a corrupção, abrir as “caixas-pretas”) e também vai de encontro a iniciativas e compromissos internacionais com os ideais de “Governo Aberto”[3].

Os órgãos do poder público precisam superar sua falta de transparência, pois estar aberto ao escrutínio público é importante para o aperfeiçoamento de suas práticas e um princípio fundamental para uma democracia saudável. Mais uma razão para que a sociedade civil seja tratada como uma aliada na produção, sistematização e consolidação de dados com o objetivo de construir, monitorar e avaliar políticas públicas baseadas em metodologias validadas e transparentes.

Pablo Nunes é Coordenador de Pesquisa do Observatório da Intervenção

 

[1] “Em junho de 2018, o ISP recebeu o Selo de Transparência Institucional Sobre Dados de Homicídio, concedido pelo Laboratório de Análise da Violência da UERJ, por ter seu processo de consolidação e divulgação de dados de letalidade violenta em acordo com os critérios do Protocolo de Bogotá, estabelecido por especialistas mundiais no tema. O Rio de Janeiro foi o primeiro estado do Brasil a receber o selo”. Fonte: http://bit.ly/2SazOG4 . Acesso em 15 jan. 2019.

[2] “Presente e futuro do ISP: o uso de dados e evidências na segurança pública”. Fonte: http://bit.ly/2SityfH . Acesso em 15 jan. 2019.

[3] O Brasil é o fundador da chamada Open Government Partnership (“Parceria para Governo Aberto”), lançada em 2011 e que atualmente congrega outros 73 países. Fonte: http://bit.ly/2sPttRY. Acesso em 28 jan. 2019



Artigos Relacionados