Um "golpe de Estado" na mídia? - Le Monde Diplomatique

ITÁLIA

Um “golpe de Estado” na mídia?

por Pierre Musso
1 de fevereiro de 2004
compartilhar
visualização

A recusa do presidente italiano Carlo Ciampi em assinar uma lei que beneficiaria uma das estações de TV de Berlusconi é mais um alerta sobre o conflito de interesses que permeia o governo do primeiro-ministro e empresário de comunicaçãoPierre Musso

Na véspera de Natal, Silvio Berlusconi, presidente do Conselho italiano, assinou um decreto-lei que diz respeito a uma de suas empresas, a emissora de televisão Rete 4. Apelidado de Sauve-Rete 41 , o texto evidencia o conflito de interesses entre o primeiro-ministro e o empresário de comunicação. Na opinião do juiz Di Pietro, “este decreto tem todas as características de um golpe de Estado2 “. Embora, durante a campanha eleitoral que o levou ao poder, Berlusconi tivesse prometido resolver essa contradição nos primeiro cem dias após ser eleito, na realidade vem mantendo a confusão de funções. Devido a isto, deu-se um choque institucional entre o chefe do governo e os depositários da Constituição, a começar pelo presidente da República, Carlo Azeglio Ciampi, e a Corte Constitucional.

O que teria levado Berlusconi a assinar este “decreto-lei” que, segundo o artigo 77 da Constituição, permite ao governo legislar em “casos extraordinários de necessidade e de urgência”, adotando medidas aplicáveis por um período de dois meses? No dia de 2 de dezembro passado, foi aprovada a lei sobre o sistema audiovisual italiano, apresentada pelo ministro da Comunicação, Maurizio Gasparri. De imediato, o ministro congratulou-se por ter conseguido fazer aprovar “uma lei moderna, que acelera a modernização e amplia o pluralismo (…), garante a concorrência e evita posições de dominação”.

No dia 15 de dezembro, entretanto, o chefe de Estado recusou-se a assinar o texto, devolvendo-o ao Parlamento acompanhado por uma mensagem em que chamava “a atenção para alguns trechos da lei que – do ponto de vista do respeito pelo pluralismo da informação – não parecem estar de acordo com a jurisprudência da Corte Constitucional”. É bom lembrar que, ainda em julho de 2002, ele já alertava o governo, lançando um solene apelo em favor do pluralismo da informação



Artigos Relacionados

DIREITO À CIDADE

Os desafios da precarização do trabalho e o avanço da nova informalidade nas metrópoles

por Vários autores
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Brasis no Catar: primeiro carnaval, primeiro pelourinho também

por Helcio Herbert Neto
SEGURANÇA ALIMENTAR

Entre o consignado e a fome: tumultos e cozinhas solidárias

Online | Brasil
por Denise De Sordi
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

A democracia na mira das plataformas digitais

Online | Brasil
por Aline Souza, Nataly Queiroz e Sheley Gomes
RESGATE DE IDENTIDADE E HONRA DE UMA ETNIA PERSEGUIDA

Justiça retributiva e vingança

Online | Mundo
por Felipe Labruna
ENTREVISTA

Editor do Wikileaks: 'o jornalismo está sob grave ameaça'

Online | Mundo
por Carolina Azevedo
A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil