Um jornal que é seu - Le Monde Diplomatique

Editorial

Um jornal que é seu

por Silvio Caccia Bava
4 de julho de 2008
compartilhar
visualização

Acreditamos na força das ideias e reconhecemos uma produção importante de análises e propostas que merecem a atenção de nossos leitores.

Temos todas as razões para comemorar nossa 12ª edição! Com um ano de existência e uma distribuição em oito mil bancas de jornal por todo o país, o sucesso de Le Monde Diplomatique Brasil caminha na contramão da avaliação dos especialistas em mídia. Não era para dar certo, mas deu!

Este sucesso se deve principalmente ao apoio crescente de nossos leitores, que de muitas maneiras ajudam a difundir sua existência: dão um exemplar de presente para os amigos, comentam as matérias nos seus círculos de relacionamento, fazem suas assinaturas do jornal.  É um fenômeno interessante: mesmo sem campanhas publicitárias o jornal vai sendo conhecido e apreciado. Há cidades importantes do país em que nosso índice de vendas já supera 60% do que é posto nas bancas, um desempenho invejável para este tipo de publicação.  É a “rádio peão” funcionando em meio a um público seleto: o dos formadores de opinião.

Um novo olhar sobre o mundo. Um novo olhar sobre o Brasil. Com esse slogan nos pusemos a campo, assumindo um compromisso público de trazer múltiplos e qualificados olhares sobre as questões mais importantes da conjuntura nacional e internacional. Evidentemente, demos uma atenção especial ao que se passa na América Latina. E buscamos a contribuição de intelectuais engajados na construção de “um outro mundo possível”,  de caminhos que nos apontem utopias e o desenho de uma nova sociedade que supere os impasses atuais.

Tivemos agradáveis surpresas. Duas se destacam. A primeira é o fato do Le Monde Diplomatique Brasil ocupar um espaço que muitos dizem ser único, o de expressar as visões do que denominamos campo político de defesa da cidadania, popular e democrático,  com a importante e variada contribuição de intelectuais, lideranças sociais e de ONGs.  A segunda é o fato de conseguirmos mobilizar a inteligência brasileira para escrever no jornal, o que não é nada fácil.

Democracia e desenvolvimento. Estes dois pilares da organização social são a nossa referência. Para onde pender a democracia, irá o desenvolvimento. E a cidadania adquire cada vez mais peso na balança da democracia. Aprendemos a não separar uma coisa da outra – democracia de desenvolvimento, cidadania da democracia – e a reconhecer que as políticas nacionais e internacionais não são predeterminadas por alguma sorte de fatalismo. Elas são construções sociais e, como tal, dependem da vontade de grupos de pessoas que se expressam através do voto e de práticas coletivas em partidos políticos, associações, sindicatos, movimentos sociais.  É esta disputa sobre os sentidos da democracia e do desenvolvimento que atrai nossa atenção. Uma disputa que perpassa áreas tão diversas como meio ambiente, cultura, segurança alimentar, juventude, relações de trabalho e de comércio, liberdade da mídia, todos temas que freqüentam as páginas do jornal.

Acreditamos na força das idéias e reconhecemos uma produção importante de análises e propostas que merecem a atenção de nossos leitores.  Neste momento particular da história do Brasil e da América Latina, onde as recentes mobilizações sociais e eleições trazem à superfície movimentos mais de fundo em nossa sociedade e novas agendas, Le Monde Diplomatique Brasil quer dar mais visibilidade e estimular o debate de múltiplas manifestações da sociedade civil nacional e mundial que aposta em mudanças sociais profundas na perspectiva da democratização, na promoção da eqüidade, na erradicação da pobreza.

O Instituto Pólis tem a satisfação de comemorar, com todos os integrantes do projeto, este primeiro ano de circulação do jornal, e aproveita a oportunidade para agradecer a todos os membros do Conselho Editorial, aos patrocinadores, articulistas, ilustradores, tradutores, a dedicação e o empenho com que contribuíram para garantir a existência e o sucesso do jornal, uma iniciativa que se compromete com a defesa de uma mídia livre, crítica e analítica, capaz de contribuir para a formação de uma opinião pública cada vez mais consciente de seu importante papel de construtores de cidadania.

Como uma forma de agradecer todo este apoio que recebemos, neste número trazemos um presente para o leitor: um pôster do consagrado fotógrafo Sebatião Salgado, membro de nosso Conselho Editorial,  que gentilmente cedeu esta imagem para a celebração do primeiro aniversário de Le Monde Diplomatique Brasil.

Para levar à frente o desafio de produzir um jornal cada vez melhor precisamos de sua colaboração, de suas críticas e sugestões. E contamos com o seu apoio para continuar esta trajetória de sucesso e aumentar o número de nossos leitores.

 

*Silvio Caccia Bava é diretor e editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil.



Artigos Relacionados

SER AMADO OU SER TEMIDO?

Lula à luz do “Príncipe” de Maquiavel

Online | Brasil
por Railson da Silva Barboza
A SOMBRA DO EXTREMISMO

Encarar o abismo

Online | Brasil
por Marcos Woortmann, Alexandre Araújo e Guilherme Labarrere
REACIONARISMO

Contra Olavo

Online | Brasil
por Felipe Luiz
MERCADO

O governo Lula e a “política” do mercado financeiro

Online | Brasil
por Pedro Lange Netto Machado
NEGLIGÊNCIA

Os Yanomami são um paradigma ético mundial

Online | Brasil
por Jelson Oliveira
APAGÃO JORNALÍSTICO

O escândalo da Americanas: bom jornalismo é ruim para os negócios

Online | Brasil
por Luís Humberto Carrijo
GENOCÍDIO

Extermínio do povo Yanomami e repercussões no direito penal internacional

Online | Brasil
por Sylvia Helena Steiner e Flávio de Leão Bastos Pereira
EDUCAÇÃO

A violência da extrema direita contra professores

Online | Brasil
por Fernando Penna e Renata Aquino