Um publicitário chamado Ronald Reagan - Le Monde Diplomatique

EMPRESA-SÍMBOLO

Um publicitário chamado Ronald Reagan

por Serge Halimi
1 de novembro de 2006
compartilhar
visualização

Nos anos 1950, um ator de Hollywood e futuro presidente dos EUA cruzou várias vezes o país para construir uma imagem positiva da GE entre as famílias norte-americanas e os próprios funcionários da empresaSerge Halimi

Em 1952, a vida do ator Ronald Reagan torna-se mais estável quando ele se casa com Nancy Davis, e mais enriquecedora quando a General Electric concede-lhe um contrato faustoso: 125 mil dólares de luvas, mais 150 mil dólares por ano. Ralph J. Cordiner, o executivo-chefe da GE, procura então alguém para dar um rosto e uma voz à “empresa cidadã” (corporate citizen), que ele acaba de descentralizar. “Cordiner”, explicaria Reagan em 1980, “havia concebido a idéia de um programa de televisão apresentado pelo porta-voz da companhia. Ele faria também uma turnê pelas fábricas. Os empregados, espalhados de um lado a outro do país, saberiam que a sede central não ignorava sua existência, já que lhes enviava este sujeito que eles haviam visto na televisão no domingo à noite [1]”.

No início, Ronald Reagan sentia alguma resistência em relação à televisão, temendo que ela arruinasse Hollywood. Mas ele precisava de dinheiro… Iria ganhar tanto (incluindo a promoção, feita semanalmente na televisão, de uma geladeira ou de um aparelho de TV produzido pela empresa [2]) que suas opiniões polítcias, democratas e com tendências progressistas até o início dos anos 50, mudariam. O imposto de renda ? que podia então chegar a 91% na faixa mais alta ? torna-se sua obsessão: “Ele nos transforma numa nação de mentirosos e de trapaceiros”, dispara Reagan, num programa de rádio, em 1957.

Durante oito anos que dedica, a partir de setembro de 1954, ao programa de televisão de domingo à noite, GE Theater, e às viagens promocionais da empresa ? ele afirmava ter pronunciado até 14 discursos por dia, ter encontrado 250 mil trabalhadores e passado o equivalente a dois anos completos nas estradas ? Ronald Reagan refina sua arte oratória, ao mesmo tempo em que aprimora sua resistência de futuro candidato. Ele se tornaria o defensor feroz das grandes empresas privadas e o perseguidor de um Estado que, segundo ele, as estrangula.

Quando Richard Nixon, em favor de quem Reagan se engajou bastante, foi derrotado em 1960 por John Kennedy, a General Electric, sempre ávida das boas graças da Casa Branca, esperou o fim do contrato de seu porta-voz, em 1962, para se separar dele. Quatro anos mais tarde, ele seria eleit

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo
O QUE ESTÁ POR TRÁS DOS BONS SENTIMENTOS

Os usos da compaixão

Edição 185 | Mundo
por Évelyne Pieiller
COMO OS ESTADOS PARTILHAM AS ÁGUAS MARÍTIMAS

Direito do Mar balança, mas não avança

Edição 185 | Mundo
por Didier Ortolland
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A reforma devora seus filhos

Edição 185 | França
por Simon Arambourou e Grégory Rzepski
CUSTO EXORBITANTE DA LIBERALIZAÇÃO

O choque elétrico europeu

Edição 185 | Europa
por David Garcia
NÚPCIAS DO NEOLIBERALISMO COM A EXTREMA DIREITA

Na Itália, a linguagem dupla de Giorgia Meloni

Edição 185 | Itália
por Hugues Le Paige
GUERRA NA UCRÂNIA EMBARALHA AS CARTAS DO ANTIGO BLOCO SOVIÉTICO

A ladainha húngara

Edição 185 | Hungria
por Corentin Léotard