Uma reabilitação indecente - Le Monde Diplomatique

CINEMA

Uma reabilitação indecente

por Lionel Richard
1 de outubro de 2002
compartilhar
visualização

Em agosto, o mundo inteiro viu, leu e ouviu a glorificação dos 100 anos de Leni Riefenstahl. Nas entrelinhas da celebração unânime da cineasta do nazismo, percebia-se: “Esqueça a política. Valorize a estética.” Só que, enquanto artista, Riefenstahl é muito pobreLionel Richard

No dia 22 de agosto de 2002, Leni Riefenstahl fez 100 anos de idade. Acontecimento tão importante que teve repercussão nos meios de comunicação de massa internacionais em todo o mundo. Essa marcha foi orquestrada com a projeção nas telas de cinema de sua última obra: Impressionen unter Wasser (Impressões submarinas). E eis-nos bombardeados por expressões estereotipadas circunstanciais, em que a novíssima centenária foi apresentada como “uma jovem eterna”, um “mito”, uma “lenda viva”, uma “fabulosa aventureira”!…

Nas inúmeras entrevistas que ela deu após a guerra, assim como em suas Memorien (Memórias) de 1987, a ex-inspiradora de Hitler cansa de se auto-justificar. Certamente, era fascinada pelo Führer, desde 1932, e acreditava na política nacional-socialista. Mas jamais foi racista, jamais fez propaganda nazista, ignorou toda a repressão contra os antifascistas, os judeus, os ciganos, e sua única preocupação sempre foi com a Beleza.

“Judeus” caem fora dos créditos

Riefenstahl é direta: jamais fez propaganda nazista, ignora a repressão a antifascistas, judeus e ciganos: sua única preocupação foi sempre com a Beleza

Felizmente, em certos momentos, as comemorações tiveram algo de bom. Seu centenário teve a oportunidade de publicar sobre ela, na Alemanha, dois livros de autores jovens1. Com as devidas provas, eles quebram a credibilidade de seu apolitismo e de suas aspirações exclusivamente artísticas. No que se refere às suas infâmias, as congratulações que dirige a Hitler e seus pedidos de dinheiro a Goebbels. Mas eles relatam duas de suas desventuras, que testemunham seu arrivismo de maneira ainda mais sugestiva.

Para a realização de Das blaue Licht



Artigos Relacionados

INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo
O QUE ESTÁ POR TRÁS DOS BONS SENTIMENTOS

Os usos da compaixão

Edição 185 | Mundo
por Évelyne Pieiller
COMO OS ESTADOS PARTILHAM AS ÁGUAS MARÍTIMAS

Direito do Mar balança, mas não avança

Edição 185 | Mundo
por Didier Ortolland
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A reforma devora seus filhos

Edição 185 | França
por Simon Arambourou e Grégory Rzepski
CUSTO EXORBITANTE DA LIBERALIZAÇÃO

O choque elétrico europeu

Edição 185 | Europa
por David Garcia
NÚPCIAS DO NEOLIBERALISMO COM A EXTREMA DIREITA

Na Itália, a linguagem dupla de Giorgia Meloni

Edição 185 | Itália
por Hugues Le Paige
GUERRA NA UCRÂNIA EMBARALHA AS CARTAS DO ANTIGO BLOCO SOVIÉTICO

A ladainha húngara

Edição 185 | Hungria
por Corentin Léotard