Zonas sujas - Le Monde Diplomatique

RÚSSIA

Zonas sujas

por Nathalie Melis
1 de fevereiro de 2002
compartilhar
visualização

Nos últimos cinco anos, o órgão governamental de controle dos níveis de radiação destruiu, em Moscou, cerca de 450 toneladas de materiais potencialmente perigosos, indo de terrenos de construção aos cogumelos vendidos nos mercadosNathalie Melis

Algumas regiões da Rússia foram poluídas na época soviética e depois de 1991:

pela produção a longo prazo de armas nucleares, como as regiões próximas de Mayak, Severska (Sibéria ocidental), Zheleznogorsk (Sibéria do sul);

por muitos testes de armas nucleares no Ártico russo, como em Altai (região de fronteira com a Mongólia) e o sul da Sibéria. Em junho de 1998, a revista mensal Silence (editada em Lyon) publicava a esse respeito dados interessantes: os resíduos de Tchernobyl representam cerca de 1,6 milhões de curies1 . Ora, os outros resíduos produzidos essencialmente por três locais militares (em Tomsk, Tcheliabinsk e Krasnoiarsk) representam, no total, mais de 1,7 bilhões de curies! A poluição atinge essencialmente os cursos d?água da Sibéria que desaguam no Oceano Ártico;

por 85 explosões nucleares “pacíficas” como em Iakutie (grande norte), em Irkutsk (Sibéria do sul), em Perm (Urais), em Astrakhan (Depressão Caspiana);

por vários acidentes nas centrais e nos centros de pesquisa ou de processamento de material radioativo, como o que ocorreu em 29 de setembro de 1957, no complexo Mayak. A nuvem radioativa espalhou-se, na época, por três regiões, ou seja, por uma superfície de 23 mil quilômetros quadrados.

21 acidentes em um ano

É preciso acrescentar a essas regiões os mares árticos e do leste – poluídos pela decomposição da frota de submarinos nucleares ou pelo despejo de resíduos radioativos – assim como os riscos de poluição provocados pelos vários locais de armazenamento mal conservados, ou ainda pelos vários acidentes a que estão submetidas as centrais atualmente. Em 1999, por exemplo, a central de Kursk batia o recorde do ano com 21 acidentes declarados. Resultado: em Moscou, nos últimos cinco anos, o Radon, órgão governamental de controle dos níveis de radiação, destruiu cerca de 450 toneladas de materiais potencialmente perigosos, indo de terrenos de construção aos cogumelos vendidos nos mercados2 .
(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 – Unidade de medida da atividade radioativa de uma matéria.

2 – The Christian Scienc



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa