A "ciência" como álibi - Le Monde Diplomatique

AMIANTO

A "ciência" como álibi

por Patrick Herman
1 de abril de 2002
compartilhar
visualização

Ao longo de décadas, três “professores” ajudaram a indústria do produto a continuar matandoPatrick Herman

Se um número considerável dos responsáveis pelo desastre sanitário do amianto tentam ser esquecidos, outros não se preocupam em reaparecer nos lugares mais inesperados: em Bordeaux, um defensor do uso do amianto – o professor Patrick Brochard – dirige o centro de recuperação médica das pessoas que contribuiu a expor; em Clermont Ferrand, acaba de ser instalado um laboratório que analisa poeiras, fibras e outras partículas – LHCF Environnement. Seu diretor-presidente? Daniel Bouigue, que na época era secretário-geral da Câmara patronal do amianto e membro da Comissão Permanente para o Amianto (CPA), representando a Asbestos International Association. Uma autêntica provocação, no entender das operárias da Amisol: “Num primeiro momento, ganham dinheiro ?amiantando?, e depois, quando essa mina se acaba, ganham dinheiro ?desamiantando?.”

No início da década de 70, o caráter cancerígeno do amianto foi estabelecido de forma indiscutível1. Na época, o professor Jean Bignon colocava algumas questões: “Acredito que não temos o direito de esperar por provas mais convincentes”, escreveu, com relação a Jussieu, em 20 de novembro de 1975 “para evitar a poluição no interior de locais como esse2.” Mas, depois de promovido a chefe do serviço de pneumologia do hospital intermunicipal de Créteil (departamento de Val de Marne) em 1982, ele ajudaria na criação do CPA. Pilotado pelo lobby industrial e com uma assessoria de comunicação, esse organismo iria administrar as questões do amianto, na França, durante cerca de quinze anos, com a bênção dos respectivos governos… O dr. Bignon chegou, inclusive, a dar conselhos à indústria canadense, que pretendia “suprimir a toxicidade do amianto, modificando a planta física de suas usinas

Patrick Herman é jornalista.



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer
COMO ESCOAR O TRIGO DA UCR NIA

No front dos cereais

Edição 180 | Ucrânia
por Élisa Perrigueur