A culpa é do Tite? - Le Monde Diplomatique

A DERROTA NA COPA COMO UM SINTOMA

A culpa é do Tite?

por Fabio Luis Barbosa dos Santos
19 de dezembro de 2022
compartilhar
visualização

A repetição de um padrão, sugere que estamos diante de um sintoma, que é preciso investigar

O Brasil foi eliminado da Copa do Mundo pela Croácia. Desde 2006, a seleção perde quando enfrenta uma equipe europeia no mata-mata. A repetição de um padrão, sugere que estamos diante de um sintoma, que é preciso investigar. Culpar o técnico parece cômodo e superficial. O que estas derrotas tão parecidas podem nos dizer sobre o Brasil?

1.

Meu ponto de partida é constatar que, apesar das derrotas, a seleção ainda produz um encantamento sobre os brasileiros. Esse encantamento se intensifica na Copa do Mundoque é um dos raros momentos em que se exercita o nacionalismo no país.

E no entanto, essa excitação nacionalista parece na contramão dos processos sociais concretos. Com a globalização, se esvaziou a possibilidade de um desenvolvimento nacional. Já o neoliberalismo consagrou a concorrência como um princípio organizador da vida social, produzindo uma sociabilidade autofágica. Mas como fazer uma nação em uma sociedade em que todos lutam contra todos?

Essa forma social favorece identidades que antagonizam o seu “outro”: uma nação cristã, hostil ao candomblé, homossexuais e outras heresias; a moral policial, que faz de todo suspeito um vagabundo, e de todo vagabundo, um bandido; a irmandade do crime, que produz fidelidades e procedimentos alheios ao Estado, enquanto atiram nos rivais.

O traço comum dessas e outras identidades é que elas se alimentam das fraturas brasileiras. De modo correspondente, o nacionalismo que daí emerge não é como o seu “outro”, o imperialismo, que exige unidade interna. Mas seu “outro” é fabricado a partir de fissuras reais ou imaginadas, que supostamente, ameaçam essa unidade. É fraturando que o bolsonarismo produz sua coesão.

Opera-se uma inversão. No século XX, a formação da nação supunha processos de integração em que a diferença se dilui ou se transforma. Como diziam os modernistas, “só a antropofagia nos une”. No século XXI, a antropofagia deu lugar à autofagia.

Como fazer uma nação quando a nossa sociabilidade está atravessada por lealdades que se fortalecem com as fraturas? Nesse mundo em que não cabem as pessoas, atravessado por identidades que se alimentam das exclusões que ele produz, o que ainda nos une como país?

2.

Uma das coisas que nos une, é o futebol.

A minha hipótese é que o encantamento que a seleção ainda produz sobre os brasileiros na Copa do Mundo, tem a ver com a aspiração latente a uma nação – que no entanto, nunca se realiza. De alguma maneira, os brasileiros projetam na formação de uma equipe que não somente é vencedora, mas que enriquece e embeleza o mundo, a aspiração a uma nação, que tem uma contribuição civilizatória valiosa e original.

E no entanto esse encantamento se frustra de maneira sempre igual. Desde 2006, o Brasil se revela como uma equipe tecnicamente superior aos adversários que lhe derrota, sempre com um futebol desprovido da nossa poesia. É como se o paradoxo de um país tão rico por natureza, mas que não vinga, se encenasse nos gramados a cada quatro anos.

Como explicar? Não tenho a resposta, mas é preciso pensar. Culpar o técnico é uma forma de evitar a dor da crítica, mas também de se condenar à repetição. A europeização do futebol, a celebrização dos jogadores e as expectativas projetadas na seleção são parte do problema.

A última Copa que o Brasil ganhou foi em 2002, mesmo ano em que Lula se elegeu. Naqueles tempos, ainda era possível para equipes como Corinthians e Vasco da Gama enfrentar em pé de igualdade e vencer times como Manchester United e Real Madrid. De lá pra cá, isso se tornou impossível.

O ponto de virada foi a liberalização do mercado europeu de futebol, que até o final do século XX impunha cotas de jogadores estrangeiros que poderiam atuar em equipes nacionais. Como resultado, em 2010, a Inter de Milão venceu a Copa dos Campeões sem ter um jogador italiano em campo.[1] Difícil não relacionar esse processo com a decadência do futebol italiano: o país que venceu quatro Copas, sequer se classificou para as duas últimas.

Essa liberalização teve efeitos devastadores sobre o futebol sul-americano porque inviabilizou a formação de equipes. Qualquer time que se destaca é desmontado e seus jogadores são comercializados. Os clubes se transformaram em vitrines de jogadores para exportação.

Como o futebol é um esporte coletivo, a impossibilidade de formar times comprometeu a própria existência de um futebol brasileiro, compreendido como um estilo próprio associado ao refinamento técnico, à criatividade e à ofensividade. O Brasil deixou de produzir futebol para exportar a matéria-prima do esporte.

A globalização “europeizou” o futebol mundial. Aplicação tática, força física e defensividade se tornaram indispensáveis para vencer, mas não a criação. O jogo se acelerou, mas também a ocupação dos espaços em campo, limitando dribles, tabelas e chutes. Como consequência, os gols se tornaram escassos. E as competições internacionais são dominadas por clubes e seleções europeias.

Esse processo foi impulsionado pela Fifa. Voleibol, basquete e futebol de salão modificaram suas regras para tornar o esporte mais dinâmico, e não menos. O futebol americano endurece regras a cada ano, para proteger quem cria jogadas. Enquanto isso, a Fifa orienta os juízes a economizar cartões, de modo que na Copa de 2006 houve 28 expulsões, mas no Qatar apenas 4 – nenhuma delas antes dos 40 do segundo tempo (até as finais). Ao mesmo tempo, o VAR tirou vários gols na Copa, mas não criou nenhum. Artistas da bola se machucam, enquanto o orgasmo do futebol, que são os gols, escasseia.

O futebol é o único esporte em que é possível vencer sem ter a iniciativa do ataque. Mas também o único em que a corporação do esporte, que atua como um “aparelho privado de hegemonia” do futebol europeu, inova para favorecer o jogo defensivo e violento.

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

3.

Mas o Brasil se adaptou. Em 2002, a maioria dos convocados atuava no país. Em 2006, apenas três. Na Copa de 2010, pela primeira vez na história, o destaque da seleção foi a defesa. E na competição seguinte, a equipe estrelou a dupla de zagueiros mais bem paga do mundo. Uma seleção de brasileiros jogando na Europa, resultava em uma seleção brasileira jogando europeu.

E no entanto, os nossos europeus parecem melhor que os deles. Mas desde 2002, nunca chegaram a uma final da Copa. E perdem sempre igual: jogando melhor, contra um time europeu pior, na primeira vez em que se encontram no Mundial. A exceção foi a Alemanha, que era um time europeu melhor que o nosso. E vimos no que deu.

Por que os nossos europeus são mais talentosos, mas perdem? Certamente, a explicação é complexa. Mas cabe destacar alguns fatores.

O primeiro é que a globalização teve efeitos econômicos no futebol, mas também culturais. Os jogadores se transformaram em empreendimentos: todo craque é uma empresa que movimenta muito dinheiro. Porém, esses empreendimentos são também celebridades. Se a liberalização do mercado europeu inviabilizou a formação de times no Brasil, como fazer de um grupo de celebridades, algo coletivo como uma equipe? E mais complicado: como fazer isso quando também a CBF faz da seleção uma vitrine de negócios?

Dois exemplos da Copa de 2006 ilustram essa inflexão. Naquele torneio, uma cidade suíça pagou para sediar os treinos da seleção brasileira, que eram assistidos por milhares de torcedores que compravam ingressos. O ambiente de bajulação era total, e a concentração, impossível.

No final da estreia contra a Croácia, um jogador adversário procurou Ronaldinho para trocar camisa, como é praxe, mas o craque não topou. Questionado por um repórter, esclareceu que guardaria a camisa para o museu que um empresário preparava sobre a sua carreira. Não é surpreendente que, naquela Copa, Roberto Carlos arrumasse a meia, enquanto Thierry Henry eliminava o Brasil.

É certo que jogadores de outras equipes são celebridades. Mas a particularidade brasileira é um país que parece projetar em seus atletas aspirações frustradas de uma nação que nunca se consuma. Eles são a pátria de chuteiras, literalmente. E isso significa uma pressão sobre os atletas, que não tem paralelo em outras equipes. O futebol no Brasil é mais do que um esporte. Para o bem e para o mal.

A seleção encanta, mas também está atravessada pelas contradições da sociabilidade autofágica do Terceiro Mundo, que pariu seus jogadores. A maioria é de origem pobre, e muitos provém de lares desestruturados. Como comentou o técnico Fernando Diniz, é muito difícil convencer esses lutadores de que o jogo coletivo lhes beneficiará.

E como jogar, fora do campo? Para qualquer um, fama e fortuna é sedutor, mas dispersivo. Ronaldinho não virou museu, e Neymar nunca virou o melhor do mundo. Será que o temperamento de Messi foi providencial para o seu futebol e para as equipes em que atua?

Qualquer treinador da seleção brasileira, se defrontará com um desafio fora dos gramados: como fazer de jogadores que são empresas e celebridades, além de portadores de aspirações muito maiores do que lhes cabe – um coletivo? Construir um time focado na Copa parece tão difícil quanto extrair da sociabilidade autofágica a matéria-prima para um Brasil em que caibam todos.

 

4.

Se o futebol tem futuro como expressão criativa, e o Brasil tem futuro enquanto criação social, é também por causa de talentos como Neymar. Desse ponto de vista, estamos do mesmo lado.

Porém, uma sociedade que tem como ídolo alguém como Neymar não pode ser uma nação. Portanto, ao mesmo tempo que precisamos de Neymar (da sua arte), precisamos não desejá-lo. Igualmente, podemos pensar que é preciso dos evangélicos ou dos ladrões para fazer um país. Mas como fazer com eles um país?

Em outras palavras, a matéria-prima para fazer dessa população algo coletivo está atravessada por valores e lealdades que inviabilizam a coletividade. Essas contradições vão muito além de uma questão de classe, como se viu nas eleições presidenciais. Elas atravessam a cultura, as nossas formas de vida, e também o futebol.

São contradições dessa natureza que é preciso enfrentar para que o Brasil, um dia, possa ser. Talvez nesse dia, o futebol volte a ter o tamanho de um esporte, por encantador que seja.

Quem sabe então a seleção vencerá os europeus. Ou talvez, isso já terá menor importância.

 

Fabio Luis Barbosa dos Santos é professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

 

[1]O time titular tinha quatro argentinos e três brasileiros, além de um camaronês e três europeus, originais da Macedônia, Sérvia e Holanda.



Artigos Relacionados

SER AMADO OU SER TEMIDO?

Lula à luz do “Príncipe” de Maquiavel

Online | Brasil
por Railson da Silva Barboza
A SOMBRA DO EXTREMISMO

Encarar o abismo

Online | Brasil
por Marcos Woortmann, Alexandre Araújo e Guilherme Labarrere
REACIONARISMO

Contra Olavo

Online | Brasil
por Felipe Luiz
MERCADO

O governo Lula e a “política” do mercado financeiro

Online | Brasil
por Pedro Lange Netto Machado
NEGLIGÊNCIA

Os Yanomami são um paradigma ético mundial

Online | Brasil
por Jelson Oliveira
APAGÃO JORNALÍSTICO

O escândalo da Americanas: bom jornalismo é ruim para os negócios

Online | Brasil
por Luís Humberto Carrijo
GENOCÍDIO

Extermínio do povo Yanomami e repercussões no direito penal internacional

Online | Brasil
por Sylvia Helena Steiner e Flávio de Leão Bastos Pereira
EDUCAÇÃO

A violência da extrema direita contra professores

Online | Brasil
por Fernando Penna e Renata Aquino