A força dos que vivem longe - Le Monde Diplomatique

MIGRAÇÕES

A força dos que vivem longe

por Pierre Daum
1 de setembro de 2007
compartilhar
visualização

Os dois milhões de marroquinos radicados na Europa remetem a seu país o equivalente a 60% do déficit comercial e movimentam rotas marítimas que fazem, só a partir da França, 200 mil viagens por anoPierre Daum

Segundo um estudo realizado em 2003, pela Fundação Hassan II para os Marroquinos Residentes no Exterior e pelo Observatório Internacional das Migrações, são 2 milhões os marroquinos emigrados. Os principais países onde se estabeleceram são França (728 mil em 1999, dos quais 206 mil nasceram no país onde hoje residem e 222 mil adquiriram a nova nacionalidade sem perder a marroquina); Espanha (260 mil em 2001; 505 mil em 2006, segundo a agência de notícias Latin Reporters); Bérgica (204 mil em 2000, e 265 mil em 2006, segundo o sociólogo Jan Hertogen); Holanda (252 mil em 1999); Itália (194 mil em 2000, e 240 mil em 2007, de acordo com a agência de notícias marroquina MAP).

Segundo o semanário marroquino Tel Quel, [1], “nos últimos anos, as transferências de divisas dos emigrados cobriram 60% do déficit comercial” do país. Além de remeter recursos a seus familiares, parte dos residentes no exterior regressa periodicamente, em viagens como a retratada em “A bordo do Marrakesh Express”. Três barcos fazem a ligação entre a França (porto de Sète) e o Marrocos (Tanger). A Comarit (empresa privada marroquina) mantém o Biladi (de 1200 lugares). A Comanav, companhia pública do Marrocos, freta dois ferries (que transportam passageiros e automóveis): o Marrakesh (670 lugares) e o Marrakesh Express (850 lugares). Juntas, as três embarcações transportam 200 mil passageiros por ano, “dos quais 90% são emigrados marroquinos”, informa Philippe Sala, proprietário da agência de viagens francesa Euromer, que vende dois terços das passagens.

“Este movimento cresce de forma explosiva”, continua ele. “Antes, as famílias que viviam na França percorriam de carro 1500 quilômetros até a Espanha e faziam a travessia mais curta para a África. Mas os emigrantes envelheceram e melhoraram de vida. Por isso, preferem dirigir-se a Sète e dar-se ao luxo de um pequeno cruzeiro”. Philippe Sala esfrega as mãos: o governo marroquino acaba de vender a Comanav à CMA CGM, poderosíssima empresa de transportes marítimos (terceira do mundo), do franco-libanês Jacques Saadé, com sede em Marselha. A partir de janeiro de 2008, a CMA CGM poderá dotar a linha Sète-Tanger de novos barcos. “Chega das velhas banheiras de trinta anos, que não ultrapassam os 18 nós!”, entusiasma-se o dono da Euromer. Com os novos navios, será possível chegar a 28 nós e oferecer aos clientes travessias de 24 horas”. Pelo mesmo preço? “Sim, é claro”….

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

A bordo do “Marrakech Express”
Reportagem sobre um dos choque culturais emblemáticos de nosso tempo. Quarenta horas a bordo do navio que faz a travessia do Mediterrâneo abarrotado, levando ao Marrocos milhares de migrantes que foram tentar a so

Pierre Daum é jornalista.



Artigos Relacionados

ORÇAMENTO SECRETO

A melhor forma de combate à corrupção não é o discurso

Online | Brasil
por Luís Frederico Balsalobre Pinto
DEMOCRACIA MILITANTE

A democracia do erro: Loewenstein e o Brasil de 2022

Online | Brasil
por Gabriel Mattos da Silva
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Qual é a função dos bandeirinhas após o surgimento do VAR?

por Helcio Herbert Neto
EDUCAÇÃO

Um ensaio timidamente indecente sobre pânico civilizacional e educação

Online | Brasil
por Fernando de Sá Moreira
ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira