A leitura como exercício da individualidade - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

A leitura como exercício da individualidade

por Renata Miloni
16 de maio de 2008
compartilhar
visualização

Um dos momentos em que mais se pode reconhecer, reconquistar e exercer a individualidade é durante uma lenta leitura. A mim, a literatura vale muito mais, ou melhor, tem seu real valor quando a atenção despretensiosa mas inevitável é o que move a leituraRenata Miloni

Em novembro de 2007, o jornal Rascunho publicou um texto de Carlos Eduardo de Magalhães sobre o crítico literário. Apesar de ser um artigo opinativo, o autor registrou diversas teorias que, na sua opinião, descrevem de maneira exata o verdadeiro crítico.

Devo dizer que não me lembro de algum trecho com o qual eu tenha concordado. Magalhães separou com incalculável frieza o crítico de sua função principal: a de ler. Nos limites de minha ingenuidade, não consegui conceber, em instantes iniciais, uma razão para essa separação, direcionando o crítico a todos os (e aqui vai uma pitada de exagero) poderes da literatura ? exceto o de ler.
Com faixa etária estipulada e estratégias de guerra minuciosamente formuladas, o autor construiu o exterminador da crítica literária: aquele que determina, com inteligência e conhecimento únicos, o certo e o errado da arte em questão.

Por mais que isso cause um imenso estranhamento, o que realmente me preocupa é essa distância colocada entre o crítico e a leitura. Talvez por caminhar em zonas de combate, a leitura em sua forma original (e aqui vai um punhado nostalgia do mundo) beira a extinção. Claro, subtraindo o que as estatísticas nos mostram, me refiro à parcela leitora da população (não necessariamente somente a brasileira).

Ricardo Piglia, em uma entrevista, deu extrema importância à lentidão atenciosa que a leitura de um livro merece, a lentidão do deciframento:

Es necesario preservar esa lentitud. Hay que escapar del vértigo de la actualidad, llegar tarde a la moda, leer los libros cuando no son novedades…

Em seu texto, Carlos Eduardo de Magalhães insinua, a meu ver, que a função do crítico é identificar as influências literárias do autor de um livro. Mas para tal não é preciso, obviamente, ler? E como ser capaz de tão precisas identificações um leitor cuja prioridade é um maior número de leituras? Talvez por isso a idade seja tão importante para Magalhães. Mas (e a pergunta é simples) será que dá tempo?

Talvez os críticos sejam aqueles que mais precisam dessa lentidão da qual tão bem fala Piglia e, ainda assim, eles mesmos às vezes não conseguem evitar e se deixam levar pela tentação de acompanhar a pressa dos leitores contemporâneos. A pressa da moda. Hay que llegar tarde. Parece simples, e até bobo, mas como é possível “reconhecer fontes” em qualquer texto se a leitura foi acelerada para que o “repertório” do qual fala Magalhães aumentasse? Crítico bom é crítico obstruído?

Na opinião de Enrique Vila-Matas, uma obra fala por si mesma. Ao prestar mais atenção ao que disse o escritor espanhol, percebo a diferença entre ter o “repertório” e fazer dele sua literatura sem que deixe tomar sua própria literatura ? o que Vila-Matas faz ?, e conhecer tanto (não, nem sempre o saber importa) para apenas servir de “prova de fontes” ? o que Magalhães parece achar certo um crítico fazer.

Na verdade, cada leitor é, quando lê, o leitor de si mesmo. A obra do autor não passa de uma espécie de instrumento óptico que ele oferece ao leitor para permitir-lhe que consiga discernir o que, sem tal obra, provavelmente não teria visto dentro de si. (Proust em O tempo redescoberto)

Um dos momentos em que mais se pode reconhecer, reconquistar (porque anda perdida) e exercer a individualidade é durante uma lenta leitura. A mim, a literatura vale muito mais, ou melhor, tem seu real valor quando a atenção despretensiosa mas inevitável ? e honesta, sem dúvida ? é o que move a leitura.

Mas será que ela pode resgatar o indivíduo do abismo para o qual a pressa de estar em primeiro, acima, o empurra? Esse resgate é possível se o leitor perceber que uma grande obra, como disse Vila-Matas e com o que concordo plenamente, fala por si mesma? Se perceber que o livro é também ? por que não? ? um indivíduo e, portanto, deve ser lido por ele mesmo e não para encontrar resquícios, apesar de a literatura ser feita desse a



Artigos Relacionados

INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo
O QUE ESTÁ POR TRÁS DOS BONS SENTIMENTOS

Os usos da compaixão

Edição 185 | Mundo
por Évelyne Pieiller
COMO OS ESTADOS PARTILHAM AS ÁGUAS MARÍTIMAS

Direito do Mar balança, mas não avança

Edição 185 | Mundo
por Didier Ortolland
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A reforma devora seus filhos

Edição 185 | França
por Simon Arambourou e Grégory Rzepski
CUSTO EXORBITANTE DA LIBERALIZAÇÃO

O choque elétrico europeu

Edição 185 | Europa
por David Garcia
NÚPCIAS DO NEOLIBERALISMO COM A EXTREMA DIREITA

Na Itália, a linguagem dupla de Giorgia Meloni

Edição 185 | Itália
por Hugues Le Paige
GUERRA NA UCRÂNIA EMBARALHA AS CARTAS DO ANTIGO BLOCO SOVIÉTICO

A ladainha húngara

Edição 185 | Hungria
por Corentin Léotard