A que assistem os telespectadores chineses - Le Monde Diplomatique

DE REALITY SHOW A MILITARES DE UNIFORME

A que assistem os telespectadores chineses

por Jordan Pouille
2 de outubro de 2013
compartilhar
visualização

A China tem 2.500 canais de TV, mas a diversidade não está à altura da quantidade. O público é a vítima consentida de uma luta entre o controle do Estado e as forças do mercado que sufocam a criatividadeJordan Pouille

(Feicheng wurao: espécie de “Namoro na TV” em que as candidatas apagam s luz e se retiram quando o pretende decepciona)

Nenhum jornal foi notado no ônibus articulado 639, que toda manhã percorre o novo centro financeiro de Jianwai Soho. Isso porque os passageiros só têm olhos para seus smartphones, nos quais se desenrola o duelo verbal entre o carismático Pan Shiyi, 49 anos, e o convidado do dia. O magnata do mercado imobiliário apresenta o Amigos de Pan Shiyi, um programa de debate muito popular que vai ao ar bem cedo e depois pode ser baixado para ser visto no transporte.

Ele concorre com Chamada matinal, emissão diária de bate-papo on-line comandada por Gao Xiaosong, de 44 anos, compositor de cabelos compridos que foi jurado de um programa de competição musical e cumpriu seis meses de prisão por dirigir embriagado. Durante vinte minutos, e sem teleprompter, esse falso diletante oferece suas luminosas reflexões sobre os mais diferentes assuntos: jogos roubados nos campeonatos de futebol chineses, código de trânsito norte-americano, cinema europeu. Com 3 milhões de espectadores fiéis, Chamada matinal enlouquece os canais de TV tradicionais, que brigam para adquirir os direitos de transmissão do programa… em vez de inovarem eles próprios.

A televisão chinesa e seus 400 milhões de receptores (um para cada três habitantes) são um templo da competição musical. Os canais das províncias de Hunan, Zhejiang, Xangai e Jiangsu orgulhosamente adaptam os reality shows musicais estrangeiros. Este ano, entre janeiro e abril, o horário nobre das sextas-feiras na Hunan TV foi do programa I am a singer. Um conceito simples: sete celebridades da China, Taiwan ou Hong Kong enfrentam-se ao microfone, retomando os grandes sucessos do repertório nacional. Cada mínimo detalhe – da bebida do júri às palavras estampadas no figurino dos artistas – foi aproveitado para uma ação publicitária sem precedentes, que rendeu 300 milhões de yuans (R$ 108 milhões). Graças à transmissão via satélite que lhe garante audiência nacional, em poucos anos a Hunan TV tornou-se o canal mais visto no país, perdendo apenas para o China Central Television 1 (CCTV1).

O canal modesto do sul do país já impressionava em 2004, com o programa Super girl. Sua concepção era original: as jovens cantoras, selecionadas entre 300 mil candidatas, eram todas não profissionais, e o espectador tinha o privilégio de votar por SMS em sua voz favorita. Mas só as personalidades atrevidas e de aparência estranha conseguiam vencer– o que gerou críticas até da cúpula do Partido Comunista Chinês (PCC). Pressionada pela Administração Estatal de Rádio, Cinema e Televisão, a Hunan TV encerrou seu carro-chefe. Na noite da última final, em 1o de abril de 2011, o programa teve 400 milhões de telespectadores.

“Valores perniciosos

Este ano, I am a singer superou Chinese idol e China’s got talent, da Dragon TV (Xangai), e The voice of China, da Zhejiang TV. O canal de Hunan não pretende parar por aí. Ele acaba de lançar China’s strongest voice e Super boy, sempre de olho na chegada de Super star China, produzido pela Hubei TV. Isso sem contar as reprises, nos horários de menor audiência, de todas as temporadas anteriores, que acabam transformando os televisores chineses em verdadeiros karaokês.

“Continuar adaptando de novo e sempre conceitos de programas estrangeiros de sucesso prova que ainda temos um longo caminho a percorrer para entender o mercado chinês”, lamenta o jornalista Yuan Zhiqiang, do diário Global Times. Até o momento, as produtoras chinesas têm se preocupado sobretudo em adaptar os programas às necessidades de seus potenciais anunciantes, sem temer uma overdose.

Enquanto as noites são dedicadas à música, as tardes são dos jogos matrimoniais. Desde 15 de janeiro de 2010, a Jiangsu TV faz explodir a audiência com Feicheng wurao(“Infiéis, não perturbem”), um “Namoro na TV” adaptado aos costumes chineses contemporâneos. Hoje é um rapaz esguio que avança, coberto de suor, para o centro da arena. Em torno dele, 24 lolitas o afogam em perguntas sobre sua situação, com a mão sobre um botão. Se o solteiro decepciona, as pretendentes se retiram, apagando a lâmpada que as ilumina. Em uma hora e meia, Feicheng wuraotem o poder de formar duplas improváveis: um trabalhador atarracado e uma sofisticada moça de Xangai, um laowai(estrangeiro) excêntrico e uma tibetana de traje tradicional…

Sete meses após a estreia, o programa provocou a ira dos quadros do partido e um formidável burburinho para o canal, quando uma participante proclamou: “Prefiro chorar numa BMW a rir na garupa de uma bicicleta”. Em outro dia, um candidato sedutor brandiu fotos de seu carro esporte e extratos de suas contas bancárias. Os jornais atacaram a Jiangsu TV e seus “valores perniciosos”. E as autoridades exigiram a presença de dois psicólogos no palco, para moderar os ímpetos do apresentador turbinado. O fato é que, com uma média de 60 milhões de telespectadores por programa, Feicheng wuraojá deu filhotes, na Hunan TV (Women yuhui ba– “Vamos ficar juntos”) e na Zhejiang TV (Wei ai xiang qian chong– “Em busca do amor”), entre outros.

Depois da música e da comédia de costumes, o circo é o terceiro conceito em voga. O splash das celebridades chinesas, no qual estrelas mergulham numa piscina com a orientação de medalhistas olímpicos, foi um grande sucesso para a Zhejiang TV, apesar da morte por afogamento de um técnico, no dia 19 de abril. A concorrente Jiangsu TV não demorou a copiar o programa, rebatizado de Estrelas em perigo e exibido no mesmo horário. Só mudam os convidados…

Nenhuma surpresa que os funcionários desses canais sejam tão jovens quanto seu público. O canadense Mark Rowswell, conhecido como Dashan, é um comediante de sucesso e dono de um programa individual (stand up) na China. Ele realiza performances televisivas há quase vinte anos: “Recentemente estive em Changsha para um show na Hunan TV. Tenho 48 anos de idade e podia jurar que eu era a pessoa mais velha do lugar. Os produtores, diretores e roteiristas não têm mais que 30 anos e me tratam como um ícone, um velho astro do rock”.

Antenas parabólicas são proibidas em solo chinês – com exceção dos grandes hotéis, administrações centrais, sede de empresas estatais e bairros diplomáticos – desde um decreto de Li Peng, de setembro de 1993. O primeiro-ministro não gostou nadinha de uma declaração à queima-roupa de um tal Rupert Murdoch. O bilionário australiano e magnata da imprensa anglo-saxã, que acabara de conseguir participação majoritária em um canal de Hong Kong à deriva pela bagatela de US$ 525 milhões, lançou: “Os novos meios de telecomunicação têm se revelado uma ameaça direta a todos os regimes totalitários do mundo. A transmissão via satélite dá aos habitantes ávidos por informação dessas sociedades fechadas a possibilidade de contornar os canais de televisão controlados pelo Estado”. Pronto, fim das parabólicas.

Nada de British Broadcasting Corporation (BBC) ou Cable News Network (CNN) para os chineses comuns, ainda que eles tenham acesso a um amplo grupo de canais regionais – cada província pode ter um canal nacional via satélite –, ou seja, uns quarenta canais gratuitos. A esses se somam os dezenove da China Central Television (CCTV), fundada em 1958. O acesso é feito por meio de um aparelho parecido com os decodificadores da televisão a cabo.

No coração do centro financeiro de Pequim, a nova sede da CCTV em forma de calças pode até ser alvo de piadas, mas em casa a TV estatal e seus quatrocentos programas continuam reinando. Em média, por dia, um telespectador chinês assiste à CCTV durante 45 minutos, das 2 horas que passa diante da TV (sem contar os downloads da internet).

Treze mil euros por segundo

Xinwen lianbo, o telejornal das 19 horas do CCTV1, exibido simultaneamente pelos canais de notícias de cada província, continua sendo o programa mais visto do país desde seu nascimento, em 1978, com 135 milhões de espectadores “fiéis” em 2013, segundo as estatísticas oficiais. Mas costuma ser bastante criticado. Reuniões de chefes de Estado nos salões de recepção do Palácio do Povo, declarações solenes de quadros do partido, exaltação dos sucessos econômicos do governo: o telejornal de 34 minutos é o instrumento privilegiado da propaganda política. Corre a piada de que a única informação verdadeira que ele veicula é a frase de introdução: “Boa noite, são 19 horas. Este é o Xinwen lianbo”. E mais: o jornal não é transmitido ao vivo, e sim gravado alguns minutos antes, para permitir que os censores verifiquem seu conteúdo…

Outro exemplo impressionante do irredutível controle do partido sobre a rede de canais públicos: o CCTV7. Desde a aurora, animado pelo hino nacional, o canal dedica-se aos assuntos militares. Precedido por anúncios de diversos destilados de arroz, Military report, o boletim informativo, é apresentado por dois jovens oficiais de uniforme. O programa exibe principalmente cenas de treinamento militar e termina com imagens de animadas refeições entre os soldados.

À noite, em um cenário digno de filme de ficção científica, um gigante surge no palco portando uniforme de combate, coturnos e óculos de sol. Em tom enérgico, detalha o poder de fogo dos tanques MBT-3000, a rapidez do caça invisível Chengdu J-20 ou a precisão dos drones Lijian. Em seguida, respeitáveis especialistas da Universidade da Defesa tomam a palavra e lembram as ambições militares chinesas diante das questões geopolíticas que constituem a soberania nacional sobre as ilhas Diaoyu (Senkaku, para o Japão), no Mar da China Oriental, ou o armamento de Taiwan pelos Estados Unidos. Quando ocorrem terremotos ou deslizamentos de terra, tragédias que requerem a ajuda maciça dos militares para socorrer as vítimas, o CCTV7 faz a cobertura completa ao vivo.

Por razões financeiras, a CCTV é a única rede chinesa autorizada a cobrir eventos esportivos. Portanto foi ela que transmitiu integralmente os 64 jogos da última Copa do Mundo, em 2010, conseguindo assim receitas colossais, na proporção de 13 mil euros o segundo de publicidade.

Além da festa de gala do Ano-Novo Chinês – que apresentou Peng Liyuan, cantora e esposa do atual presidente, Xi Jinping –, o outro programa verdadeiramente intergeracional da televisão chinesa chama-se Coleções sob o céu. Ele passa quatro vezes por semana no canal via satélite da Beijing TV. Desde abril de 2006, chineses de todas as condições sociais se sucedem no palco, com uma estátua de jade ou um vaso da dinastia Ming nos braços. Diante deles, quatro renomados especialistas examinam o objeto em seus menores detalhes. Se for uma autêntica antiguidade, ele recebe o selo de “tesouro nacional”, junto com uma avaliação de valor. O candidato então volta para casa coberto de glória. Mas se o objeto revelar-se apenas uma quinquilharia, o apresentador Wang Gang toma a peça e a destrói ali mesmo, oferecendo aos espectadores divertidos a expressão arrasada do proprietário.

Jordan Pouille é jornalista – correspondente em Pequim, China.



Artigos Relacionados

ARQUITETURA

Brasília: imagens de Três Poderes

Online | Brasil
por Adalberto da Silva Retto Júnior
DISPUTA EM ABERTO

O papel vindicado pelos trabalhadores plataformizados na atual agenda de governo

Online | Brasil
por Gabriela Neves Delgado e Bruna Vasconcelos de Carvalho
PUNITIVISMO

Sobre morfinas, terrenos e o 8 de janeiro

Online | Brasil
por Hamilton Gonçalves Ferraz e Pedro Amorim
CAPITAL ESPECULATIVO

Globalização e Forças Armadas

Online | Mundo
por Antônio Carlos Will Ludwig
MIGRANTES VENEZUELANOS

Impressões do campo em Roraima

Online | Brasil
por Sofia C. Zanforlin
PARA COMPREENDER O NEOFASCISMO

O "fascismo eterno", revisitado

Online | Brasil
por Liszt Vieira
POVOS INDÍGENAS PÓS GOVERNO BOLSONARO

O Brasil verde-amarelo é um país sem cor

Online | Brasil
por Vinício Carrilho Martinez e Márcia Camargo
DIREITO À CIDADE

Inovação como integrante de um projeto social e político emancipatório

por Regina Tunes