A realidade a ser enfrentada pelo próximo presidente do Panamá

ELEIÇÃO

A realidade a ser enfrentada pelo próximo presidente do Panamá

Acervo Online | Panamá
por Murilo Matias
4 de maio de 2019
compartilhar
visualização
  1. Eleitores escolhem neste domingo mandatário para os próximos cinco anos tentando encontrar as diferenças entre as agendas conservadoras da maioria dos candidatos

Nos arredores do famoso canal do Panamá e dos milionários bancos que por anos abrigaram a condição de paraíso fiscal a massa anônima e empobrecida de panamenhos enfrenta cotidianamente a décima pior distribuição de renda do mundo conforme o Banco Mundial. O contraste entre a moderno Casco Viejo no malecón da capital – construída pela Odebrecht – e as condições de vida de parte significativa dos cidadãos nas ruas próximas ao ponto turístico sintetizam a realidade da nação que elege seu próximo presidente neste domingo, dividida entre os partidos tradicionais que governam desde a redemocratização, a candidatura de independentes e a possibilidade de uma nova constituição.

“A desigualdade não é um tema importante na campanha, embora ela seja muito visível. A riqueza está concentrada estatística e geograficamente em poucas zonas. Os mais pobres testemunham e convivem com a opulência na qual vivem poucos panamenhos”, observa o diretor do Centro Internacional de Estudos Políticos e Sociais, Harry Brown Araúz.

Para se ter uma idéia da disparidade, apenas o “corregimiento” de São Franscisco, como são chamadas a divisão das zonas políticas e geográficas, situado nas proximidades do Canal corresponde a 5% do PIB de todo o país, enquanto a totalidade do setor agropecuário alcança 3%. As áreas mais distantes do centro econômico onde vive 50% da população de mais de quatro milhões de panamenhos produz apenas 15% da riqueza material do país, situação que fica evidenciada na falta de iluminação pública e carências sanitárias em Bocas del Toro ou nas casas abandonadas de Portobelo, em Colón, devido à falta de oportunidades.

“Não parece estar no radar das pessoas manter o atual governo dos panamenistas, que junto ao Cambio Democrático (CD) e ao Partido Revolucionário Democrático (PRD) dominam a política beneficiando as cúpulas partidárias em detrimento do povo, por isso muitos tem apoiado nomes independentes. Há muita desesperança e apatia”, comenta Sonia Santamaria, direto da costa caribenha.

Os sete candidatos presidenciais apresentam poucas nuances em suas agendas baseadas no conservadorismo social e na ênfase ao livre mercado na esfera econômica – com exceção à candidatura de esquerda levada por Saúl Mendez pela Frente Amplio. A estratégia neoliberal vem demonstrando-se ineficiente para melhorar a vida das maiorias, como comprova o quadro de desnutrição infantil – o quarto pior da América Latina conforme a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) – e a morte de um cidadão a cada quatro dias pela fome, afora os 9% subalimentados.

Afastado do poder há uma década o PRD, sigla mais forte do país, articulou propostas nessa direção, “estudar sem fome” para os estudantes carentes e “o campo em sua mesa”, a fim de ofertar alimentos a preços baixos são dois exemplos. A legenda, que desponta como favorita nas pesquisas com a Saúl Mendez pela Frente Amplio, apesar da contestação dos adversários sobre as projeções de voto, botou a maquinária de 500 mil filiados para funcionar e elaborou seu projeto junto a diversos setores. O grupo, majoritário no parlamento, fala em corrigir erros das gestões anteriores numa reaproximação com a origem do partido, que já participou do Foro de São Paulo e da Internacional Socialista e atualmente é crítico em relação à prisão do ex-presidente Lula no Brasil.

“Somos um partido da esquerda democrática, nascemos produto da luta pela recuperação da nossa soberania e do nosso canal, conquistado sob a condução do General Omar Torrijos. Essa essência mantém-se e se traduz numa opção e identificação com os setores populares. Nesses últimos anos o PRD fez a autocrítica dos erros cometidos quando governamos e assim nos reconectamos à nossa proposta social”, assegura Hector Aleman, membro do PRD, além de ex-deputado e ex-ministro da segurança.

O dirigente destaca a urgência de uma reforma tributária e da duplicação dos investimentos em educação, atualmente estacionado nos 3% do orçamento, contingenciamento que obriga a muitos estudantes do interior a enfrentarem as conhecidas “aulas rancho”, as quais muitas vezes nem banheiro possuem. A gestão do presidente Juan Varela diminuiu o número de unidades inadequadas, mas elas persistem em determinadas localidades.

A improvável continuidade

Afora a má avaliação de Varela cuja administração desagrada dois entre três pessoas segundo levantamento divulgado por La Prensa, um dos principais veículos de comunicação do país, o Partido Panamenista têm contra si o retrospecto. A oposição sempre vence as eleições, quadro que desfavorece as chances do ex-prefeito da Cidade do Panamá José Blandón e sua aposta no “cambio profundo” junto da formação de uma Assembleia Constituinte.

O candidato considera que distorções a exemplo da concentração de poderes do executivo, o qual inclusive nomeia os governadores e da subrepresentação de apenas 13 mulheres ante 71 postos no parlamento são produto da atual constituição. “Blandón conseguiu modernizar a prefeitura fazendo com que a Cidade do Panamá seja transparente. Ele defende a paridade de gêneros em sua equipe e a descentralização para que os recursos cheguem às comunidades. Sucede também que a relação Varela Blandon é distante. São correntes distintas no partido, Blandon é mais de centro”, alega um integrante da campanha que pediu para não ser citado.

O governo de direita de Varela estancou o poder de compra do salário mínimo, apesar de ser o mais alto da América Latina devido à economia dolarizada, e foi criticado pelo  desabastecimento de medicamentos na caixa de seguro social, destinada aos trabalhadores que contribuem para ter acesso ao serviço. Em contrapartida, os situacionistas exaltam a duplicação da capacidade do principal aeroporto, reforçado como centro regional de conexões e responsável por 260 mil empregos diretos e indiretos e o fim dos paraísos fiscais em virtude das modificações no sistema financeiro após a revelação do Panamá Pappers, quando demonstrou-se que o país era utilizado para lavagem de dinheiro e sonegação de fortunas de representantes das elites de todo o mundo.

Enquanto o atual mandatário desperta pouco entusiasmo popular, a maior liderança do Cambio Democrático, outra força relevante politicamente, o ex-presidente Ricardo Martinelli  (2009 a 2014) continua a agradar parte do eleitorado mesmo impedido de concorrer por estar preso preventivamente acusado de abuso de autoridade em função de supostamente ter aprovado escutas telefônicas ilegais durante seu mandato. O postulante presidencial do partido Rómulo Roux, em segundo lugar nas pesquisas, aposta no legado de seu correligionário com o slogan “o bom volta” a partir do qual destaca o crescimento de médio de 8%, a redução dos níveis de pobreza e a construção do primeiro metrô da América Central – a inflação e a corrupção costumam ser os defeitos apontados da época.

Quem também sonha em chegar à presidência é o independente Ricardo Lombana, desvinculado de partido e também defensor de uma nova constituição, a candidatura sem espaço na televisão aparentemente atrai o voto dos mais jovens que não se identificam com as legendas tradicionais. “Não há polarização e diversidade de ideologias, as políticas sociais entre os últimos três governos tiveram pouca diferença e isso se repete entre os candidatos nesta eleição”, avalia Brown.

Partidários do candidato Saul Mendez

A ferida aberta da invasão norteamericana e o racismo estrutural

O Panamá completa 30 anos de retorno à democracia nas eleições gerais deste domingo. Mais consolidado do que o sistema democrático, o racismo estrutural marca o país invisibilizando a população afro antilhana, mensurada em 15% pelo Instituto Nacional de Estatística e Censo , embora o índice pareça estar aquém do que se observa pelo país. A frase “En Panamá el que no tien de tinga, tien de mandinga” evidencia a conformação étnica do povo.

últimos preparativos para as eleiçoes

“Existe negação da verdadeira identidade por falta de educação. Aqui se diz que não há racismo, embora persista o perfilamento racial, com abuso policial, exclusão da agenda do estado. Desde 2000 lutamos e conseguimos desenvolver um plano de inclusão da população afropanamenha. Conquistamos a Secretaria Nacional de Assuntos Afrodescendentes criada em 2017, entretanto sua grande debilidade  é não contar com estrutura e recursos para iniciar verdadeiras políticas públicas”, explica Samuel Samuels, coordenador nacional de Organizações Negras Panamenhas.

Segundo o Observatório Afro somente quatro presidenciáveis fazem menção ao segmento em seus programas, Nito Cortizo, Saul Mendez, José Blandon e Ana Matilde Gómez, única mulher a concorrer ao posto máximo da república. A revisão histórica passa também por outro campo, o fato de o Panamá carregar a marca de ser o último país a ter sofrido uma invasão militar dos americanos, em 1989, sem que até hoje se tenha a real dimensão do acontecimento e das mortes causadas pela operação cuja justificativa pública era a retirada do ditador Manuel Noriega, ex-agente da CIA que presidia o Panamá e era envolvido com o narcotráfico.

A Comissão 20 de dezembro, originada em 2016 no parlamento para investigar o caso publicou uma lista provisória de 341 vítimas, mas estudos de entidades civis estimam que podem ser até três mil os óbitos de 20 de dezembro de 1989 a 13 de fevereiro de 1990, período no qual mais de 20 mil militares norteamericanos permaneceram em território estrangeiro. “Antes alguns defendiam a tese de uma liberação, mas agora caminha-se para um consenso que houve invasão. Existe uma geração marcada por esse episódio e a ferida ainda está aberta”, descreve Román Rodriguez, de 62 anos, morador da capital.

Mirando o futuro e carregando suas trajetórias, 2,7 milhões de eleitores elegem para os próximos cinco anos além do presidente, prefeitos e conselheiros municipais. Situado na ligação da América do Sul com a América Central e detentor do gigante canal oceânico que leva seu nome, o grande desafio do Panamá está dentro de suas fronteiras para incluir uma ampla população vulnerabilizada e assim finalmente para prestar contas ao seu povo.

Murilo Matias é jornalista



Artigos Relacionados

Roraima

A cupinização do sistema de proteção ambiental

Online | Brasil
por Herick Feijó Mendes e Fernando César Costa Xavier
Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral