Alarmismo e gritaria: Lula e os ‘Mercados’

LIBERALISMO

Alarmismo e gritaria: Lula e os ‘Mercados’

por Davi Spilleir
21 de novembro de 2022
compartilhar
visualização

Os sujeitos dos Mercados deitam suas cabeças placidamente para dormir quando estão seguros de que absolutamente nada representará qualquer risco aos fluxos de capital e especulação. Contudo, no meio de tudo havia algumas pedras e essas pedras eram pessoas. Pessoas estas que possuem necessidades e que conhecem a fome.

Desde a eleição do agora-eleito presidente Lula, o Mercado, ou melhor, os Mercados, esses sujeitos coléricos, voláteis e muito opiniosos, demonstram a ferocidade de seus ânimos. Com variações extremas entre felicidade e raiva, os Mercados vivem um momento bastante peculiar de amor e ódio em sua relação com o presidente-eleito. Tornam-se radiantes quando percebem que nomes importantes do liberalismo econômico, como Pérsio Arida, Pedro Malan e outros, apoiam (e apoiaram) a eleição de Lula. Regozijam-se a cada nova especulação sobre o nome do futuro Ministro da Economia e dos demais sujeitos do primeiro escalão governamental. Quantos mais liberais, mais contentes. Os sujeitos dos Mercados deitam suas cabeças placidamente para dormir quando estão seguros de que absolutamente nada representará qualquer risco aos fluxos de capital e especulação.

Contudo, no meio de tudo havia algumas pedras e essas pedras eram pessoas. Pessoas estas que possuem necessidades e que conhecem a fome. Realidades distintas destes dos senhores dos Mercados, são as vidas das 33 milhões de pessoas que passam fome, de acordo com os últimos levantamentos da Rede Penssan, o conglomerado formado por entidades que pesquisam as condições da insegurança alimentar no país. Esse número possui vieses ainda mais fortes quando são adicionados critérios de raça e gênero, afinal, a fome atinge mais fortemente negros (65% de todos os lares de pessoas pretas), e lares chefiados por mulheres (19%, contra 11,9% daqueles chefiados por homens) [1].

A fome vem acompanhada de questões conjunturais bastante severas. Alguns dados ajudam a elucidar as condições de vida do povo. Após anos sem reajustes reais do salário mínimo, com inflação de alimentos nas alturas, altas constantes de combustíveis e as precarizações dos contratos de trabalho, reflexo da dita Reforma Trabalhista promulgada no Governo Temer, as pessoas encontram um nível quase generalizado de endividamento.

Foto: Reprodução/Twitter

Dados recentes da Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) mostram que aproximadamente 77% das famílias brasileiras possuem dívidas, sendo esses números mais fortes entre aquelas com renda menor que 10 salários mínimos (79,9%), porém também elevado naquele estrato que recebe acima desse valor (75,9%). Aqui, novamente, nota-se o recorte de gênero acentuado contra mulheres. O levantamento mostra que 81,9% das mulheres estão endividadas, contra 78,3% dos homens, números que cresceram 7%, quando comparado com as aferições do mesmo período de 2021 [2].

Números e mais números que demonstram parte da herança maldita que está sendo legada, mas, afinal, do que reclamam os patrióticos Senhores dos Mercados? Enquanto a mídia internacional e a política das grandes nações veem em Lula a possibilidade do retorno do Brasil ao xadrez internacional, a grande preocupação destes sujeitos dos Mercados é se haverá ou não estouro do Teto de Gastos e se haverá responsabilidade fiscal por parte do novo governo.

A refutação lógica dessa preocupação e de todo o alarmismo que vem sendo feito em torno deste tema, infelizmente, só pode ser melhor evidenciado com alguns outros números. Afinal, o cenário é preocupante e a devastação que está aí torna tudo ainda mais complicado. A quantidade de dinheiro disponível para 2023 é ínfima para a continuidade da máquina. Só de isenções fiscais, são R$ 400 bilhões previstos, aponta o TCU [3].

Esse valor representa 4% do PIB, sequestrado para suavizar os bolsos dos senhores dos Mercados. Mais, o orçamento (outrora-público-e-que-agora-é-secreto) já recebeu R$ 234 bilhões em propostas de emendas. Considerando-se que a base do governo é menor que a oposição, Lula dificilmente apresentará algum impedimento à continuidade do orçamento secreto, agora chamado pela mídia de propostas do relator.

Ademais, os gastos com a dívida pública apresentam uma trajetória ascendente há anos, tendo praticamente dobrado de 2019 – 2021. O último dado consolidado mostra que os gastos do governo em 2021 com a dívida pública haviam sido de R$ 1,96 trilhão [4]. Para 2022 o valor previsto é de R$ 2,2 trilhões e, para 2023, R$ 3,2 trilhões [5].

A formatação financeira do Brasil atual coloca em risco a perenidade dos valores do Bolsa Família, em R$ 600,00. A proposta do governo Lula é a de que este benefício seja considerado fora da contabilização dos gastos do teto, ou mesmo que talvez possa contar com um teto próprio. Em realidade, não é primeira vez que o teto de gastos é furado, só nos últimos dois anos foi rompido pelo menos 5 vezes, com um rombo de quase R$ 800 bilhões, que deverá ser administrado pelo novo governo.

O Bolsa Família não é o único programa social em risco, os repasses para assistência social foram cortados em 70%, bem como as reservas para políticas públicas direcionadas a mulheres, esvaziadas em 99% [9] [10].

Ora, mesmo tendo em vista as dificuldades que o orçamento deve impor à máquina e à habilidade de negociar, é a história quem melhor lastreia o apreço lulista pela questão fiscal. Seus governos foram marcados pela queda da relação dívida – PIB (28,9% de 2003 – 2006), com superávits primários de 2,2% a.a. de 2003-2010. Além disso, o acúmulo de reservas que ainda hoje servem de âncora à economia também foram conseguidas neste período [11]. Lula importou-se com o pagamento da dívida que o país havia contraído com o FMI e tornou o país seu credor.

Lula é herdeiro de um orçamento contingenciado como nunca visto, que deve fazer escolhas difíceis e que deve lidar com pesadas máculas que afligem os brasileiros, como a fome, o endividamento e o backlash de direitos conquistados com anos de luta. Em um país ainda combalido dos efeitos da pandemia de coronavírus que, para além de haver vitimado quase 700 mil pessoas, ainda gerou desbalanços macroeconômicos titânicos, é de se esperar que, a fim de que a máquina possa girar e atender àqueles que mais necessitem, exceções devam ser consideradas. Há urgências maiores do que atender às expectativas de lucros astronômicos dos senhores dos Mercados. O ronco da barriga vazia urge respostas, o resto é alarmismo e gritaria.

 

Referências

[1] https://pesquisassan.net.br/2o-inquerito-nacional-sobre-inseguranca-alimentar-no-contexto-da-pandemia-da-covid-19-no-brasil/

[2] https://static.poder360.com.br/2022/09/endividamento-familias-dividas-cnc-5set2022.pdf

[3] https://portal.tcu.gov.br/imprensa/noticias/tcu-apresenta-ao-gabinete-de-transicao-documentos-para-aprimorar-politicas-publicas-no-pais.htm

[4] https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2022/11/16/orcamento-2023-ja-recebeu-r-234-3-bi-em-propostas-de-emendas

[5] https://iela.ufsc.br/noticia/gasto-com-divida-publica-quase-dobrou-de-2019-2021

[6] https://www1.siop.planejamento.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=IAS%2FExecucao_Orcamentaria.qvw&host=QVS%40pqlk04&anonymous=true

[7] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2022/11/16/lula-e-pacheco-discutem-pec-deixar-bolsa-familia-fora-do-teto-por-4-anos.htm

[8] https://g1.globo.com/economia/noticia/2022/11/17/com-pandemia-e-beneficios-em-ano-eleitoral-bolsonaro-furou-teto-em-quase-r-800-bilhoes.ghtml

[9] https://congressoemfoco.uol.com.br/area/pais/gestao-bolsonaro-cortou-em-mais-de-70-repasses-para-assistencia-social/

[10] https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2022/10/governo-bolsonaro-corta-verba-de-acoes-para-mulheres-em-ate-99-no-orcamento-de-2023.shtm

[11] COUTO, J.M.; PEREIRA, B.F. Superávit primário e déficit nominal: as contas do governo central brasileiro (1995-2012). A Economia em Revista, v. 23, n. 2, julho de 2015.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa