Após o oito de janeiro, o fascismo não lê a Constituição, ele a arrebenta

BOLSONARIZAÇÃO

Após o oito de janeiro, o fascismo não lê a Constituição, ele a arrebenta

por Gabriel Alberto S. de Moraes
8 de março de 2023
compartilhar
visualização

Fascistas não são intérpretes legítimos do texto constitucional, pois sua posição ideológico-política os desautorizam em interpretar e sistematizar para si hoje o que mais estimam destruir: a democracia constitucional. No constitucionalismo brasileiro, então, não deve haver lugar para uma interpretação autoritária do texto constitucional

Numa breve passagem de Esaú e Jacó, obra machadiana, Machado de Assis lembra do tormento de Aires naquela ambientação de uma república democrática natimorta: no sábado, ou quando muito na segunda-feira, tudo voltaria ao que era na véspera, menos a Constituição.

É através dessa digressão machadiana que visitamos um tormento não novo, mas incômodo no âmago das nossas instituições, direitos e garantias constitucionalmente estabelecidas. Após o triunfo bolsonarista nas eleições de 2018, porquanto tenha saído ideologicamente vitorioso, a contar do pleito geral de 2022, seu recuo torna a figura de seu César diminuta e fraca – mas que, certamente, passará a liderar uma oposição de um movimento autoritário conservador.

Porém, respirar aliviado seria uma utopia distante e um privilégio daqueles que querem esquecer Bolsonaro e o bolsonarismo no lugar de afrontá-los. Nessa vanguarda reacionária repleta de seus devotos fervorosos, uma classe privilegiada de juristas já cuidou de sistematizar, há muito, uma leitura (anti)constitucional da Constituição Federal de 1988 que a colocava a serviço de seu César. Com o golpismo escrachado do dia oito de janeiro de 2023, lembramos da anormalidade, do medo e do fascismo – aquele, em alguma medida desconhecida, legítimo aos olhos de conservadores. É nesse novo amanhecer contextual, após o oito de janeiro, de uma doutrina ambientada numa república autoritária em que a Constituição, outra vez, “não voltaria ao que era na véspera”.

(Foto: Agência Brasil)

Uma teoria fascista da Constituição brasileira?

O constitucionalismo democrático, do contrário que dizem, não foi a ideologia vitoriosa do nosso século brasileiro. Talvez tenha sido a mais circunstancialmente representativa: há momentos com os quais as interpretações de uma Constituição desaguam no mesmo rio em que o pensamento, a organização e o desenho institucionais escorrem. Nessa linha, se considerarmos o cenário institucional da onda de autocratização e erosão chefiadas pela ultradireita bolsonarista, estaremos certos de que uma leitura fascista da Constituição é um ovo da serpente que se chocou – e se isso é verdade, então o constitucionalismo democrático encontrou um adversário páreo.

Fascistas tentam, hoje, ler a Constituição, atribuindo a ela pensamentos que corroem os vigamentos da equidade social, refundam o Estado Democrático de Direito como Autocracia e minam, à sua medida, as instituições permanentes. Distintamente do que Carl Schmitt, teórico do Reich, propunha na República de Weimar na sua Teoria da Constituição franqueando legitimidade aos nazifascistas de abolirem o texto constitucional, os novos fascistas leem a Constituição explorando minuciosamente suas aberturas e brechas para possibilitar a reversão do estado de coisas progressista e a sua eventual recessão democrática. Hoje, na prática, fascistas brasileiros interpretam e a um só tempo arrebentam a Constituição.

Nos próximos anos de transição e reajuste democráticos, a tolice não pode reconhecer a vitória de uma democracia definitiva, mas que sim ainda está por vir. O constitucionalismo democrático – desde que realinhado – como o principal incremento militante se apresenta como uma alternativa para reconduzir o trem descarrilhado da vida institucional ao progresso de seus trilhos. No lugar disso, devemos reconhecer que, porquanto perversos sejam os métodos de interpretação de neofascistas, esse constitucionalismo antidemocrático ou autoritário é o espantalho que assombrará os anos de reconstrução democrática, precisando ser teórica e politicamente combatido – não pelo grau de teoria constitucional outorgada por nós a eles, mas pelo que passaram a se reconhecer como.

 

Franquear espaços teóricos a fascistas numa democracia liberal

Antes da retórica teórica por si só demonstrar-se um problema com uma teoria constitucional fascista brasileira, tanto antes a antessala de problemas está nos pilares de uma democracia liberal. Juristas liberais acreditam que guetos antidemocráticos são, na mesma medida, manifestações democráticas e legítimas dentro de uma democracia. Juristas liberais também acreditam que leituras fascistas se dizem, na verdade, conservadoras, enriquecendo o debate jurídico de múltiplos sentidos da Constituição. Juristas liberais também acreditam que há um espaço doutrinário a ser alargado para os autocratas – que, no entanto, pela realidade não se pede concessão, mas é usurpado e surrupiado por eles.

O mito da democracia “liberal” pôde dar conta, é verdade, da institucionalidade das instituições no governo Bolsonaro: seja no aparelhamento da PF com a indicação de Ramagem, o incitamento de descrédito e de ataques institucionais ao Supremo Tribunal Federal ou mesmo a descrença do processo eleitoral encabeçado pelo Tribunal Superior Eleitoral relembram alguns momentos de sopros promissores da democracia liberal. Nestes episódios, o primado de separação dos poderes republicanos e de seu funcionamento regular vigoraram como oposição ao que enquadravam como antidemocrático.

Todavia, a democracia liberal também descortinou seus próprios desvarios nos últimos quatro anos: reformas constitucionais pontuais de austeridade social e econômica com apoio neutro ao Presidente da República, imobilidade frente ao saqueamento de fundos de programas sociais, culturais, educacionais e econômicos, crescimento de bancadas conservadoras no parlamento como expressão do verniz democrático da democracia liberal tais como a Frente Parlamentar Evangélica (FPE), entre outros.

Alguns desses apontamentos não servem, de um todo, para descredibilizar a democracia liberal se, porquanto controversa, ela foi quem assumiu a guarida do mínimo de institucionalidade para o funcionamento regular das instituições. Contudo, é uma tolice desconhecer que a democracia liberal deu voz no lugar de emudecer atos antidemocráticos. Desse enquadramento, a maior crítica é de uma democracia liberal que muito embora estivesse ameaçada, não arredou seu pilar liberal à direita ou esquerda por uma tentativa de coerência ideológica a preço de avanços sociais preciosos.

Se pretendemos, verdadeiramente, alcançar um grau de estabilidade democrática, não podemos depender, após um período transicional e especialmente frente a uma teoria fascista da Constituição, o sopro de esperança da democracia liberal. Isso se não, obviamente, pretendermos uma existência institucional no limite, a reivindicar não os avanços, mas apenas o status quo de “funcionamento regular”. E se já enxergamos, exaustivamente, que esta política democrática não satisfará a repressão contra uma teoria fascista da Constituição. Nessa razão, é preciso recolocar o constitucionalismo democrático em uma nova associação: não essa vinculada a uma democracia liberal.

 

Negar a teoria fascista para preservar a Constituição

Há uma singela distinção entre reconhecer uma consistência teórica e entregar-se a ela. No conjunto da obra de uma teoria fascista, a sedução dessa ameaça teórica a grupos periféricos conquista juristas que não só reconhecem o status teórico do fascismo na interpretação constitucional, como também apoiam seus determinados atributos responsáveis por sistematizar uma leitura tão perigosa do texto constitucional.

Enquanto para alguns liberais-conservadores há a importância de reconhecer o status da força teórica do fascismo na leitura da Constituição, combatendo-a somente com o respaldo conteudístico de outras teorias democráticas, para nós, essa rejeição não pode ser protagonizada apenas no campo epistemológico. Essa resistência acontece, essencialmente, no campo político, social e cultural. A negativa da teoria fascista não pode se limitar à civilidade do debate democrático, pois é franquear espaço a antidemocratas de minar futuramente a própria possibilidade do debate público – uma vez que, para eles, não há debate teórico na sua teoria fascista. A nossa negativa deve se alinhar ao que Karl Loewenstein, constitucionalista alemão, entendeu por democracia militante: somente entrincheirado as ameaças institucionais contra a democracia é que se pode, em alguma medida, conservar alguma noção de democracia ou Constituição na nossa teoria constitucional – no constitucionalismo democrático.

Essa negativa ambientada na esfera política começa, certamente, com contornos pelos quais se escapam da teoria do direito ou da própria teoria constitucional. Se negamos a democracia liberal como alimento principal do constitucionalismo democrático e o espaço de discussão teórica pelos juristas do fascismo como leitura constitucional a grau de seu reconhecimento e apoio, para que se alcance a rejeição e o combate efetivo dessa forma de erosão e esgarçamento democráticos deve-se reformular as bases do nosso constitucionalismo democrático e da própria democracia: a politização desse debate teórico a caminho da resistência, da reforma, é crucial. De reforma a um constitucionalismo de esquerda-democrática.

 

Um constitucionalismo de uma esquerda-democrática

Este é um texto, em suma, político. E até este ponto, vimos que porquanto a estrutura institucional e democrática permitiram a sobrevivência de nossas instituições na crise política, elas mesmas também concederam lugar ao crescimento de uma teoria fascista da Constituição ao ponto de a considerarem corrente teórica séria no debate epistemológico. Acenando ao horizonte da resistência, concluímos que o deslocamento da discussão pro debate político é a forma mais eficaz de combate do fascismo na leitura constitucional, desvinculando qualquer uma de suas possibilidades dos pressupostos controversos do constitucionalismo democrático-liberal.

Para isso, propusemos a politização desse debate teórico. Devemos trilhar um caminho na direção de um constitucionalismo de uma esquerda-democrática. Só se pode combater uma leitura política da Constituição com o político. Sem franqueamento ou alargamento de espaços de discussão inclusiva de juristas autoritários e conservadores, mas sim com seu eficaz bloqueio. Com a força estranha de um movimento político-ideológico como um constitucionalismo de esquerda.

Para ensaiar um constitucionalismo de esquerda-democrática travestido de um movimento político-ideológico é necessário dinamitar algumas bases conservadoras que facilitam e sustentam o edifício teórico do constitucionalismo fascista. Bases essas que só são miradas quando o debate constitucional acontece na esfera política. Sendo preliminarmente três os pontos, então, de reforma:

(i) Universalizar a linguagem constitucional com educação política, de modo que a cidadania brasileira incorpore o jargão democrático. Se a linguagem institucional por si só o é monolítica à elite, tal premissa é crucial, a vista de que o discurso fascista na leitura constitucional é facilmente sedutor das classes marginalizadas sem maturação política – não por opção, mas pelo retrocesso neoliberal que arrazoa a ausência de políticas públicas educacionais deste eixo. Universalizar a linguagem constitucional impede a ascensão do senso comum reacionário da audiência populista. Universalizar a linguagem constitucional permite a redefinição das regras do jogo democrático, não mais outorgando seriedade e legitimidade a juristas encantados pela narrativa bolsonarista de uma leitura constitucional conservadora e, por sua vez, retirando as audiências capturadas por uma retórica tão perigosa.

(ii) Resgatar o agonismo e não o antagonismo político. O termo foi desenvolvido por Chantal Mouffe, filósofa política francesa, para quem a prática do político só se perfaz mediante um confronto entre os pares na política sem que, entretanto, sejam inimigos, mas adversários legítimos. O resgate dessa construção pode encerrar um longevo ciclo de contaminação do constitucionalismo fascista brasilero, quando desde o seu vigor, ensaiou o debate constitucional na esfera das políticas da inimizade na cifra de Carl Schmitt, firme na eliminação de um inimigo. É imprescindível restabelecer radicalmente um debate da política na qual sua ambientação favoreça o progresso concomitante à retórica de seleção da proposta vencedora e da perdedora, e despropicie, no mesmo ritmo, o discurso de eliminação do distinto.

(iii) Partidarizar as instituições em combate frontal à prática antidemocrática. No governo Bolsonaro, uma das premissas centrais arrojadas pela oposição da esquerda-democrática brasileira foi, a um só tom, a necessidade da adesão institucional em prol de um valor democrático uno: instituições responsivas, combativas e ativas. Ademais disso, o único núcleo partidário onde se oxigenou fortemente. Ainda que óbvio, sem isto, é impossível combater o fascismo institucionalizado. Com o novo governo Lula, a retórica de retrabalho na modelagem das instituições reguladoras da saúde democrática resgataram sua musculatura após a anemia deixada pela bolsonarização do Estado. O que era ao parecer popular pauta exclusiva de esquerda, migrou à área prioritária de agenda de governo. Um constitucionalismo de esquerda-democrática, nesse espaço, produz maior reatividade à sanha fascista, seja ela infiltrada nas arestas das instituições, seja ela infiltrada nas práticas de subversão da essência constitucional de 1988. Com primor, Lula, já empossado, providenciou a criação do Grupo de Trabalho atrelado à Advocacia Geral da União (AGU) na forma da unidade de uma Procuradoria de Defesa da Democracia que esperará receber contribuições de entidades da sociedade, especialistas e instituições públicas. O estímulo dá vazão à juristas, entes cíveis, castas populares e grupos vulneráveis de elocubrar seu ativismo político ao ponto de pluralizar a democracia, prepará-la para investidas corrosivas e mantê-la resguarda sob valores constitucionais progressistas entabulados em parte do texto de 1988.

São estas algumas das caricaturas ensaiadas nesse manifesto político. Um constitucionalismo de uma esquerda-democrática pode, em larga medida, regenerar valores republicanos, civis e democráticos que foram alijados e deteriorados nos últimos quatro anos de desgoverno. Ele é, em parte, remédio à bolsonarização das instituições, da leitura constitucional e do trabalho íntimo com a democracia. Para fazê-lo, no entanto, é preciso enxergar todo o ofício de leitura conjuntural pelos instrumentos do direito como uma ação politizada, apaixonada, sensível e jamais neutra quanto às suas posições epistêmicas – contrariamente ao apregoado por juristas que zelaram, em algum hiato, a neutralidade analítica que também o é leniente com o fascismo.

 

 

 

 

 



Artigos Relacionados

A CRISE DA CULTURA

A escuta seletiva de “escolhidos” pelo poder público em oposição do conselho de cultura e da sociedade

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Denúncias ignoradas de conselheiros de cultura indicam coação no Consec

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
SANEAMENTO

Sabesp: a destruição de um ícone paulista

Online | Brasil
por Amauri Pollachi
FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO

Juntando os cacos: os evangélicos na ressaca do bolsonarismo

Online | Brasil
por Rafael Rodrigues da Costa
GUERRA QUÍMICA

Mais de 70% dos agrotóxicos utilizados no Brasil são consumidos no Cerrado

Online | Brasil
por Campanha Nacional em Defesa do Cerrado
NOVO ENSINO MÉDIO

Em 2016, os estudantes já sabiam o desastre que seria

Online | Brasil
por Antonia Malta Campos
NOVO PRONASCI

Oportunidade de ampliar a participação do Estado na vida das comunidades

Online | Brasil
por Felipe da Silva Freitas
PALCO DO PRIMEIRO COMÍCIO DAS “DIRETAS JÁ”

Curitiba apresenta proposta para sediar “Museu da Democracia”

Online | Brasil
por Mírian Gonçalves e Kelen Vanzin