Aposentadorias e maré negra - Le Monde Diplomatique

DERRAMAMENTO DE PETRÓLEO

Aposentadorias e maré negra

por Serge Halimi
1 de julho de 2010
compartilhar
visualização

Serge Halimi

Em 20 de abril passado, nem os investidores chineses nem os aposentados britânicos suspeitavam que a maré negra ao largo da Louisiana os atingiria tão depressa. No local, 11 operários de uma plataforma petrolífera perderam a vida; os pescadores da baía de Saint Louis, seu instrumento de trabalho; a população do golfo do México, a qualidade do meio ambiente e os pelicanos pardos. Em locais muito mais distantes das áreas afetadas, as autoridades de Pequim e os aposentados britânicos foram vitimados por outro tipo de prejuízo: em dois meses, as ações da BP perderam 48% do seu valor. A paixão dos fundos soberanos chineses – assim como os do Kuait e de Cingapura – pelas companhias petroleiras ocidentais deverá esfriar sensivelmente1

 

O caso dos aposentados britânicos apresenta um interesse particular no momento em que, pressionados pelos mercados financeiros, os Estados europeus estão “reformando” (ou, melhor dizendo, amputando) seus sistemas de proteção social. Isso porque a redução contínua do reembolso das despesas com saúde e do montante das aposentadorias, pelos governos, precipitou um bom número de assalariados nos braços das seguradoras privadas ou dos fundos de pensão. No Reino Unido, como poderiam tais fundos não ser atraídos pelos 8,4 bilhões de euros anuais de dividendos da BP? Portanto, a empresa petroleira que reina no topo da London Stock Exchange chegou ao ponto de garantir, por si só, a sexta parte da sua renda.

 

A renda paga aos aposentados britânicos era tão mais confortável que a BP reduzia seus custos – negligenciando, quando necessário, as medidas de segurança. Entretanto, uma vez que os Estados Unidos não são nem uma zona de não direito nem um pequeno país cujo presidente se movimenta como uma marionete antes de ceder diante de uma multinacional, eles podem se defender contra a destruição da sua flora e da sua orla: a cada barril de petróleo (159 litros) que vaza no mar, o poluidor incorre numa multa de US$ 4.300. Isso equivale a dizer que um vazamento de óleo que poderia ser 17 vezes maior que aquele derramado pelo navio Exxon-Valdez no Alasca, em 1989, tem tudo para deixar arrependidos os acionistas da BP em relação às pequenas economias efetuadas pela companhia para maximizar seus lucros. 

 

Impelidos pelo regime de aposentadoria por capitalização, os assalariados de Londres ou de Manchester entrelaçaram a prosperidade da sua velhice ao destino do seu fundo de pensão. Eles veem forçosamente com maus olhos as medidas de cobrança americanas, que reduzem o valor em Bolsa da BP e que já contribuíram para deteriorar sensivelmente sua cotação junto às agências de notação. Quando o presidente Barack Obama comunicou que a empresa petroleira pagaria todas as consequências da sua negligência, o antigo ministro trabalhista, Tom Watson, se disse preocupado com “uma crise séria para milhões de aposentados no Reino Unido”.

 

Prender numa armadilha os “milhões” de assalariados em busca de segurança, após toda uma existência de trabalho, e transformá-los em aves de rapina robotizadas que investem suas esperanças em sintonia com os dirigentes da BP, em detrimento dos anseios dos pescadores da Louisiana: no fundo, esta é a verdade desse sistema. Crise após crise, ele deixa expostas as solidariedades equivocadas, graças às quais ele ainda se mantém de pé.

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II
A QUESTÃO DA PLURINACIONALIDADE NO CHILE

O processo constituinte e os povos originários

por Fernando Pairican
INVERTENDO O ALVO E MIRANDO NO SISTEMA DE JUSTIÇA

O que faz o caso Luana Barbosa tão assustador?

Online | Brasil
por Vários autores
RESENHAS

Miscelânea

Edição 185 | Mundo