Armadilhas que caímos e discursos que compramos - Le Monde Diplomatique

Perigos do senso comum

Armadilhas que caímos e discursos que compramos

por Gregório Durlo Grisa
dezembro 6, 2017
Imagem por Alpino
compartilhar
visualização

Para ofertar serviços públicos como os de países ricos teríamos que arrecadar duas ou três vezes mais impostos per capita. O Brasil, para isso, teria que ter uma carga tributária de mais de 100% do PIB. Isso mesmo

Em função do seu PIB nominal, o Brasil é considerado a 7ª economia mundial. Todavia, tem o 79º PIB per capita do mundo segundo um levantamento divulgado pela revista Global Finance Magazine, referente a 2015. Além disso, segundo dados da The Heritage Foundation, o Brasil tem apenas a 48° arrecadação per capita do mundo (2016), duas ou três vezes menor que a de países desenvolvidos.

O Brasil arrecada, em média, US$ 5 mil por pessoa (2016) com uma carga tributária de 34% do PIB. Esse é o recurso que municípios, estados e União têm para se manter, pagar salários e promover políticas públicas. Países como Estados Unidos, Austrália, Reino Unido, Canadá, Japão e Espanha arrecadam mais de US$ 10 mil por pessoa com uma carga tributária igual ou menor que a nossa.

Quando economistas ouvidos pela imprensa comercial usam o tamanho da carga tributária para exigir “retorno em serviços do Estado” e comparar o Brasil com outros países, via de regra, não informam esse dado fundamental.

Como pode essa diferença de arrecadação per capita? A variável do PIB é a que importa aqui, os países desenvolvidos têm economias mais diversificadas, logo, têm uma produção maior e mais valorizada. Ademais, temos uma grande população, um grande território e sérias desigualdades regionais.

Para ofertar serviços públicos como os dos países mencionados (note que não citei países escandinavos nem a Alemanha) teríamos que arrecadar duas ou três vezes mais impostos per capita. Com o perfil de economia atual, o Brasil, para isso, teria que ter uma carga tributária de mais de 100% do PIB. Isso mesmo.

É inequívoco que a eficiência do gasto público tem muito a se aperfeiçoar, que há desperdício e falta de gestão na administração pública, que reformas como a tributária e a política são urgentes, mas mágicas não existem. Usar a porcentagem da carga tributária em relação ao PIB para sustentar que o Brasil gasta mal é uma simplificação. Nossa carga tributária é mal distribuída (incide demasiadamente sobre consumo e serviços), injusta e regressiva (quem menos ganha e tem paga mais), mas mesmo se ajustada, para que os muito ricos passem a pagar mais impostos, sem mudanças no perfil dependente da nossa economia pouco iremos avançar.

Um projeto de país que não olhe para essas dinâmicas tende ao fracasso. A re-industrialização do Brasil é improtelável, bem como o fortalecimento da renda das famílias, impulsionando assim o principal motor da economia, o mercado interno. Para que isso ocorra, devemos nos pautar em dados e olhar para experiências exitosas no resto do mundo. A opinião pública hegemônica no campo econômico tem interditado algumas verdades que precisam ser ditas, dentre elas:

– Não temos a maior carga tributária do mundo (25° posição mundial no quesito).

– A corrupção que ocupa quase a totalidade dos noticiários não é a razão fundamental para a baixa qualidade ou inexistência de alguns serviços públicos.

– Nem todo serviço público é de baixa qualidade. Na saúde, por exemplo, os procedimentos de excelência estão no SUS. Na educação, a pesquisa de ponta e o ensino qualificado estão nas instituições públicas federais.

– Temos poucos servidores públicos comparado com o resto do mundo, algo em torno de 12% da força de trabalho empregada (OCDE). Cerca de três vezes menos servidores públicos do que em países desenvolvidos.

– A relação dívida pública/PIB não está entre as maiores do mundo, o Brasil está na 46° posição (2016) no mundo. Embora a tendência seja de crescimento da dívida, com a redução dos juros e retomada da atividade econômica esse se torna um problema contornável. O problema da dívida pública brasileira não é o seu tamanho, mas o pagamento dos juros que devem ser cobertos pelo superávit primário.

O discurso que prega a diminuição do Estado, privatizações e políticas de cortes não costuma dar luz às informações aqui expostas. Os vilões da vez são os servidores públicos e a gratuidade de direitos como educação e saúde. As experiências recentes no sul da Europa (Portugal, Espanha e Grécia) mostram que a austeridade não é o caminho, o próprio FMI reconheceu os limites das políticas de ajustes neoliberais.

A tese da redução pura e simples do Estado fere a inteligência e não se sustenta quando confrontada com os dados e com os casos de países que garantem serviços de qualidade e dignidade às suas populações. Mesmo assim, esse mantra encontra eco na classe média brasileira e em seus canais de debate. Daí o papel disruptivo de divulgar as informações aqui presentes e desmentir o discurso que atribui ao Estado o lugar da ineficiência e da corrupção.

 

*Gregório Durlo Grisa é professor do Instituto Federal do Rio Grande do Sul e pós-doutorando em Sociologia pela UFRGS – CNPQ.



Artigos Relacionados


Edições Anteriores