Bianca Pyl, Autor em Le Monde Diplomatique

Chico Buarque e Georg Lukács: estudos sobre MPB e teoria acadêmica

  “Assim, cada um a seu modo, os amigos tocam a vida, com ou sem reflexão; tudo parece seguir o rumo natural, da mesma maneira que, como ocorre nas situações excepcionais, quando tudo está em risco, continuamos a viver, como se nada nos ameaçasse.” Goethe: Afinidades eletivas O propósito deste texto é estabelecer uma correlação …

por em

China e a chegada da nova economia global

O anúncio do presidente da China, Xi Jinping, na Assembleia Geral das Nações Unidas, minutos após o discurso de Trump, marca a nova trajetória econômica global. A China garantirá que seu pico de emissão de gases de efeito estufa seja antes de 2030 e se compromete com a neutralidade de carbono antes de 2060. É …

por em

Crise do coronavírus e o futuro da mobilidade em São Paulo

São Paulo, colosso urbano com mais de doze milhões de habitantes, é a mais populosa cidade do hemisfério ocidental. Seus desafios urbanos são igualmente grandiosos. A pesquisa “Viver em São Paulo: Qualidade de Vida (2020)”, da Rede Nossa São Paulo, levantou as principais queixas dos paulistanos, obtendo “trânsito” como um dos itens mais citados, atrás …

por em

Guilhotina #85 – Juliana Borges

A situação das prisões diz mais sobre a sociedade brasileira do que ela gostaria de admitir. Essa constatação perpassa o ensaio lançado esta semana pela convidada de Bianca Pyl e Luís Brasilino, a escritora Juliana Borges. Consultora do Núcleo de Enfrentamento, Monitoramento e Memória de Combate à Violência da OAB São Paulo e conselheira da …

por em

O retorno do Brasil de 2020 à “moral e bons costumes” do Estado Novo

Com seu discurso falso moralista religioso “Deus acima de tudo” em que o “mito” surge personificado como herói da nação, no qual tudo que se refere às esquerdas é tido como inimigo que deve ser “metralhado”, Bolsonaro nunca escondeu os diversos aspectos do fascismo de sua candidatura, que não se limita ao pouco apreço à …

por em

Seminário debate imigrantes e o trabalho ambulante em São Paulo

“O Brasil recebe, mas o Brasil não acolhe” foi a frase utilizada pela congolesa Hortense Mbuyi para ilustrar a situação dos imigrantes no país. A representante do Conselho Municipal dos Imigrantes em São Paulo explicou que eles são alocados no Brasil sem que se considere suas especificidades e demandas. Dessa forma, esse grupo encontra no …

por em

O riso de nosso ridículo tirano

Hesito entre qual imagem escolher. Mais do que ser difícil, me parece um exercício sem propósito. Tornou-se cotidiana a imagem de Bolsonaro às gargalhadas, genuinamente feliz, enquanto o país acumula cento e vinte mil mortes (no momento em que escrevo, e aumentando), a economia em frangalhos e uma incerteza quanto a tudo o que poderá …

por em

Arroz: uma crise anunciada

Em março, com o início do surto de Covid-19, a ministra Teresa Cristina afirmou que não havia risco de desabastecimento. Agora que este passou a ser um problema político central, o governo busca se eximir de qualquer responsabilidade por uma crise anunciada, que poderia ter sido evitada. O país já vinha enfrentando um problema estrutural …

por em

Uma reflexão sobre os desafios da construção do feminino nas telenovelas

Sua Vida me Pertence é considerada a primeira telenovela brasileira. Estreou em dezembro de 1951, pouco mais de um ano depois da inauguração da TV Tupi São Paulo e meses depois da inauguração da TV Tupi Rio de Janeiro pelo magnata da mídia Assis Chateaubriand. Nascido em Campinas, descendente de alemães, Walter Forster escreveu, produziu, …

por em

Trabalho remoto, saúde e produtividade na perspectiva de gênero

Com a declaração da pandemia de Covid-19, em 11 de março de 2020, o Poder Judiciário, sob a coordenação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), suspendeu o atendimento presencial, desde meados de março, mantendo a maior parte de seu quadro funcional em trabalho remoto. A Justiça do Trabalho se destacou neste período por ter a …

por em

Contradições no acolhimento de refugiados no Brasil

“O Brasil é um bom país para recomeçar?” Me deparei com essa pergunta em uma atividade de um projeto voluntário de ensino de português para refugiados em São Bernardo do Campo, cidade onde desenvolvo minha pesquisa de doutorado sobre relações de parentesco de deslocados pelo conflito sírio.[1] A questão me deixou pensativa não apenas por …

por em

Todas as coisas ruins que acontecem vêm de pessoas civilizadas

[…] todas as coisas ruins que estão acontecendo no planeta Terra vêm de pessoas civilizadas, pessoas que não são, teoricamente, selvagens. Se fizéssemos um estudo antropológico na cultura de vocês, teríamos qualificações e um respaldo maior para conseguir convencer muitas pessoas a se tornarem selvagens, a se tornarem pessoas não tão intelectuais, não tão importantes. …

por em

Despejo da Cia. Pessoal do Faroeste envergonha e empobrece São Paulo

É vergonhosa para a cidade de São Paulo – e para a cultura brasileira – a notícia do despejo sofrido pela companhia teatral Pessoal do Faroeste em 2 de setembro, no bairro da Luz, região central da cidade. O despejo, segundo matéria da Folha de S.Paulo, foi ocasionado pela inadimplência de mais de um ano …

por em

Destruir a democracia

As cenas não poderiam passar despercebidas – e não passam. Em meio ao crescimento vertiginoso das mortes por Covid-19 no Brasil, o comportamento de Jair Bolsonaro parece descolado da realidade. Ora o presidente sai para passear de jet-ski; ora esbanja felicidade junto aos seus apoiadores em suas saídas por Brasília; já quando questionado por repórteres …

por em

Planos de saúde dão uma “banana” para seus clientes

A pandemia gerada pelo novo coronavírus tem reforçado iniquidades endêmicas presentes no Brasil, e uma delas é o desemprego. De acordo com as estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 75,4 milhões de pessoas estão fora da força de trabalho (não está trabalhando nem procura por trabalho); 27,1 milhões gostariam de trabalhar, mas …

por em

Supremo deve decidir sobre proteção de comunidades quilombolas

No início do mês de setembro a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq), junto a diferentes partidos políticos, ingressou com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 742/2020), no Supremo Tribunal Federal (STF), para impedir que as violações a direitos fundamentais quilombolas permaneçam sendo realizadas  pelas omissões e ações dos …

por em

Quais as perspectivas futuras do trabalho no contexto pós-pandêmico?

Desde o início da crise sanitária propiciada pela pandemia de covid-19, as relações de trabalho apresentaram um grande processo de transformação no horizonte. Com as principais recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) que envolvem a adoção do isolamento social, utilização de máscaras faciais e higienização constante das mãos como principais medidas de contenção e …

por em

Das nossas florestas só restarão as cinzas?

Este ano, até o dia 18 deste mês, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), na Amazônia, no Cerrado e no Pantanal já foram identificados mais de 125 mil focos de incêndio. Biomas com áreas de transição entre si, que têm em comum importantes bacias hidrográficas, uma sociobiodiversidade rica e que estão sofrendo com …

por em

“É o professor! Deixem-no passar!”: memórias e sonhos de um congolês

“A colonização belga deixou raízes mais profundas que isso, e não apenas no Congo. Criou-se um ciclo infernal que atinge o Ruanda e outros países da região numa dinâmica massacrante do ódio xenofóbico.”   Nas últimas semanas a questão do holocausto colonial, especificamente aquele produzido no Congo, reapareceu no debate público brasileiro, numa espécie de …

por em

Guilhotina #84 – Sidnei Nogueira

Bianca Pyl e Luís Brasilino recebem neste episódio o babalorixá Sidnei Nogueira, doutor em Semiótica pela USP, professor-visitante na pós-graduação da Unicamp e coordenador do ILE ARA, o Instituto Livre de Estudos Avançados em Religiões Afrobrasileiras. Ele lançou neste ano pela editora Polén o livro “Intolerância religiosa”, parte da coleção Feminismos plurais. Conversamos sobre a …

por em

O Brasil debaixo de guarda-sóis

A notícia é “velha” um homem sofreu um ataque cardíaco dentro de uma das lojas de uma grande varejista mundial e, uma vez morto, teve seu corpo escondido sob três guarda-sóis e entre uma pilha de seis andares de garrafas de cerveja, caixas de leite em pó e de alguns  tapumes de papelão improvisados para …

por em

Pescadores artesanais, vazanteiros, retireiros e pantaneiros

Corta os cerrados do Nordeste Enfrenta o frio, a dura fome, a peste Contam histórias alucinantes De caboclos viajantes Que subiram os seus vaus Quando eu me sento em sua beira Me acolhe com ternura Eu quero lhe agradecer (Canção “Andanças do Opará” de Josemar Alves Durães)   Os nomes variam a depender do lugar, …

por em

Tapas e beijos: as relações Brasil-China no governo Bolsonaro

As relações econômicas Brasil-China começaram a evoluir nos três últimos anos do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e cresceram bastante nos governos petistas de Lula da Silva e Dilma Rousseff, tanto em termos de trocas comerciais como na importação de capitais chineses pelo Brasil, na forma de investimentos diretos e financiamentos. A Operação Lava …

por em

O bloco Vacas Profanas e a manifestação feminista no Carnaval de Olinda

A correspondência entre carnaval e militância pode ser expressa no entendimento sobre as estratégias, traçadas ao longo da história, para que minorias pudessem resistir, ou melhor, (re) existir, numa forma de mostrar suas vivências através da arte para permanecerem firmes em suas lutas e convicções, apesar de cenários de opressões. No Brasil, não é possível …

por em

Trabalho escravo contemporâneo e a pandemia de Covid-19

A vulnerabilidade ao trabalho escravo vem sendo fortemente impactada pela pandemia do coronavírus, segundo relatório da Fundação Walk Free, publicado em agosto de 2020. Estima-se em 40,3 milhões o número de escravos contemporâneos no mundo hoje e as mulheres são a grande maioria, correspondendo à 71% do total. O relatório do Walk Free de 2020 …

por em

A nefasta coalização entre política e fé

Em 2017 o cineasta brasileiro Gabriel Mascaro lançou sua paradigmática distopia neopentecostal Divino Amor. O filme, que se passa em um hipotético Brasil de 2027, retrata um Estado que se encontra na fronteira da laicidade, com forte reforço a valores conservadores e no qual a preocupação primeira parece ser a de gerar filhos. A personagem …

por em

O papel central da escola no enfrentamento do racismo

As manifestações antirracistas realizadas em todo mundo este ano apontam que, se queremos construir uma sociedade equânime, é necessário compreender qual o papel que cada estrutura socioeconômica desempenha na reprodução do racismo a fim de desenhar estratégias eficazes para o seu enfrentamento. A educação, enquanto elemento nevrálgico para qualquer mudança, é essencial nesse debate, de …

por em

As palavras, as coisas e o populismo

Os pobres são os que falam cegamente, ao rés do acontecimento, porque o próprio fato de falar é um acontecimento para eles. São os que “teimam” em escrever, falar dos outros e contar a si mesmos. A obstinação é o defeito comum dos que fazem o que não têm motivo para fazer. Os pobres falam …

por em

Arte e cultura como formas de nos tornamos quem somos

Todas as culturas que conhecemos ao longo da história tiveram, de alguma forma, uma elaboração profunda desse universo. Seja por sua estreita ligação com a ideia do divino, seja na vivência de rituais, seja na busca do sentido de estarmos aqui – as eternas perguntas: quem sou, de onde venho e para onde vou? A …

por em

A pantera desenjaulada: uma introdução à luta dos povos oprimidos nos EUA

Seu olhar, de tanto percorrer as grades, Está fatigado, já nada retém. É como se existisse uma infinidade de grades e mundo nenhum mais além. A Pantera, por Rainer Maria Rilke (Cia. das Letras, 2012)   Nos Estados Unidos, o idealizado berço da democracia formal moderna, a situação do povo negro é – ainda hoje …

por em

O seguro defeso é um gasto ineficiente para quem?

O ímpeto neoliberal que varre o Brasil desde o golpe parlamentar de 2016, vem castigando sistematicamente a classe trabalhadora, principalmente, os mais explorados. Nessa odisseia (ultra)liberal os direitos sociais, as políticas públicas, além de outros mecanismos de solidariedade social, são empecilhos para a meritocracia, o rentismo e a instituição de uma sociedade de todos contra …

por em

Bielorrússia: esgotamento econômico e crise política

Quando Lukashenko chegou ao poder na Bielorrússia, no ano de 1994 – sobre os restos mortais da extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) – ele colocou em prática uma política que retrocedeu as reformas de mercado no ainda jovem mundo pós-soviético daquela época, recuou conjuntamente as privatizações,  reintroduzindo uma forma política baseada em um …

por em

Com vocação popular, o bolsonarismo é maior que Bolsonaro

Bolsonaro nunca foi, como muita gente sugere, um instrumento usado pela burguesia para controlar o poder político. Isso se é que podemos falar de uma burguesia, assim, no singular, em referência às classes dominantes no Brasil. De todo modo, as forças do “mercado” tinham suas preferências nas eleições presidenciais de 2018. E Bolsonaro, definitivamente, não …

por em

O grito de independência de turistas pelo mundo e no Brasil

Brasileiros que, em atenção aos protocolos sanitários estabelecidos por governos nas diferentes instâncias, permanecem, há meses, restritos na sua mobilidade espacial cotidiana, acompanharam, talvez admirados, talvez estupefatos, as notícias sobre lotação em praias e outros espaços tradicionalmente frequentados por turistas neste feriado da Independência do Brasil. Ao contrário, entretanto, da emissão de um simples juízo …

por em

A atual composição do STF é o maior legado da era lulista

Há poucos dias, o ministro Antônio Dias Tóffoli encerrou seu mandato na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). O sucessor é Luís Fux. Se nos escorássemos apenas em fatos objetivos, veríamos aqui uma inédita continuidade administrativa. Trata-se do sexto dirigente maior da Corte indicado por governos petistas. A linhagem começa com Ayres Britto (2012) e …

por em

Guilhotina #83 – Flávia Biroli

Bianca Pyl e Luís Brasilino conversam com a cientista política Flávia Biroli, autora, com Maria das Dores Campos Machado e Juan Marco Vaggione, do livro “Gênero, neoconservadorismo e democracia: disputas e retrocessos na América Latina”, lançado este mês pela Boitempo. Fruto de uma investigação transnacional realizada no decorrer de 2018 e 2019, a obra traça …

por em

Linhas Vermelhas: performances feministas na experiência da dor

Matérias de jornal sobre feminicídio ocupam uma banheira, no lugar da água. Uma mulher descalça tenta andar e se equilibrar em um caminho repleto de cacos de vidro. Outra mulher lava as mãos numa bacia suja de sangue. Linhas vermelhas envolvem os corpos de todas essas mulheres, mesmo aquela que aparentemente não corre nenhum risco: …

por em

Em terra de Ciclopes: reflexões sobre cultura e barbárie no Brasil de hoje

Muitos de nós ficamos perplexos ao saber da notícia de que um grupo de fanáticos religiosos tentou invadir um hospital no Recife para protestar e impedir o aborto de uma menina de 10 anos que vinha sendo violentada pelo próprio tio desde os 6 anos. Infelizmente, é preciso dizer que este está longe de ser …

por em

O protagonismo feminino para compreender o passado e agir no presente

“A primeira opressão de classe coincide com a do sexo feminino pelo sexo masculino” Engels: A origem da família, da propriedade privada e do Estado, p. 68.   Circe é um livro de Madeline Miller (1978-), originalmente lançado no ano de 2018, que transporta o leitor para a mitologia da Grécia Antiga, mais especificamente a …

por em

O Judiciário brasileiro resistiria a um julgamento público?

No Brasil, é impossível acompanhar os últimos fatos da semana sem se deparar com o Judiciário no centro da pauta. O último debate nos dá conta de uma espécie de Cavalo de Tróia travestida de uma Reforma Administrativa que, adivinhem, exclui militares, parlamentares e magistrados. Há poucos dias, o assunto da vez era a autorização …

por em

Orçamento Público Brasileiro: o que é? Para que serve? A quem serve?

Em 2016, o montante orçamentário que foi investido em educação no Brasil foi de R$ 103,40 bilhões; em 2017 foram R$ 98,93 bilhões; de R$ 93,90 bilhões, em 2018; e em 2019 foram R$ 92,37 bilhões. Na pandemia de 2020, muito se falou da importância de se investir em ciência e tecnologia. Investimos na Capes …

por em

Povos Indígenas do Cerrado: cultivando r-existências diversas

Muitos dos saberes que os diversos povos e comunidades tradicionais praticam na convivência com o Cerrado – como os artesanatos de capim dourado e palha de buriti, os múltiplos usos do coco-babaçu e a agricultura de cheia e vazante dos rios – foram desenvolvidos e adaptados ao longo do tempo pelos indígenas. Os povos indígenas …

por em

Nas Américas, uma constelação sangrenta de casos isolados

Horas após o assassinato de George Floyd pelo policial branco Derek Chauvin, milhares de pessoas tomaram as ruas de Minneapolis – cidade onde Floyd residia – demandando justiça imediata para o homem afro-americano de 46 anos que teve sua vida tão casualmente retirada à beira do meio-fio. Na noite do dia 25 de maio, a …

por em

A mídia e o discurso segregador que silencia

Os discursos revelam nossa condição de indivíduos em sociedade. As narrativas nos engendram em uma teia de ditos e não ditos que deixam escapar marcas profundas – muitas vezes, severas – da nossa história e cultura, sendo também matéria-prima para a construção do mundo hoje. Possibilitam entender as configurações sociais, os ritos do cotidiano, os …

por em

Experiência de corpas, identidades, artes e saberes afrodissidentes

Este texto tem a intenção não só de apresentar a experiência da [2] Cine Bixa[3] (@cinebixa), mas também de contar as histórias de algumas de suas integrantes travas pretas e de como elas se encontram. Esse texto é sobre superação, é sobre potência, é sobre saber, é sobre vida e sobre liberdade. Escrevemos juntas (cada …

por em

20 anos da IIRSA na América do Sul: quem está comemorando agora?

Origem e história da IIRSA   A ideia da IIRSA nasceu em abril de 1998, durante a cúpula da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Santiago do Chile, como uma necessidade de criar um plano de reorganização territorial que fosse funcional à Área de Livre Comércio das Américas (ALCA). A ALCA era o plano dos …

por em

Cortar o auxílio emergencial é aprofundar a recessão

Muito se tem falado sobre o impacto político do auxílio emergencial e pouco dos aspectos econômicos – e menos ainda de que estamos tratando de um direito de cidadania. Algumas análises, precipitadas talvez, atribuem ao auxílio a melhora nas pesquisas de popularidade do governo Bolsonaro. A avaliação de um governo passa por vários fatores, mais …

por em

Guilhotina #82 – Beatriz Pedreira

A participação das mulheres na política latino-americana é superior à média mundial. Entretanto, o subcontinente apresenta péssimos índices em termos de desigualdade e violência de gênero. Essa contradição perpassa o projeto “Eleitas – mulheres na política” (eleitas.org), coordenado pela cientista social Beatriz Pedreira, convidada de Bianca Pyl e Luís Brasilino neste episódio. Cofundadora e diretora …

por em

Referências da capa “A cultura resiste” edição de setembro

  Confira as referências utilizadas pelo artista Vitor Flynn para produzir a capa da edição de setembro “A cultura resiste”. Aproveite para ler os artigos da edição e também fazer a sua assinatura para receber a edição impressa, que é exclusiva para assinantes.

por em

Ações afirmativas e cotas: as peças se movem no tabuleiro

Há quase duas décadas, as ações afirmativas se tornavam uma grande questão de debate público no país, em especial quando se apresentaram na forma de cotas étnico-raciais de acesso à graduação nas universidades estaduais e federais. É verdade que debates sobre elas já existiam. A depender da definição, é possível encontrar propostas de descriminação positiva …

por em

Era uma vez no Quênia

Jomo Kenyatta é considerado o pai da Uhuru, ou independência do Quênia, que ocorreu em 12 de dezembro de 1963. Antes disso, o Quênia era uma colônia do Império Britânico. Em 1952, quando o colonialismo começava a ruir, Kenyatta foi acusado e sentenciado em um julgamento de fachada que o enviou ao cárcere. Acusação? Era …

por em

Ciência e teorias da conspiração em tempos de pandemia

Desconcertado por uma crise sanitária sem precedentes, o ano de 2020 renovou o sentido de imponderável. Até há pouco, não se imaginava que o mundo seria tragado por uma espiral de incertezas que colocaria em xeque muitas de nossas convicções, necessidades e vontades. Como em outros momentos marcados por perturbação e perplexidade, buscamos explicações e …

por em

A renúncia fiscal e seu impacto nos direitos sociais

A consecução dos direitos sociais previstos no Art. 6º da Constituição Federal de 1988 − educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, transporte, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância, assistência aos desamparados – depende do uso do fundo público, que é constituído por receitas arrecadadas da população, principalmente via pagamento de tributos (impostos, …

por em

O apagamento da história preta em favor da branca não se limita aos EUA

Em meio à violenta polarização no cenário político dos Estados Unidos, um fato com que muitas pessoas concordam é que monumentos fazem parte da história. Derrubar moldes de bronze de homens brancos mortos não apagará a escravidão e a guerra do passado. Mas pode ser um passo em direção à abrir espaço para as histórias …

por em

Literatura na escola: menos homens brancos, mais mulheres pretas

Como tudo que é resultado da percepção humana ao longo do tempo, o cânone literário – conjunto de livros considerados referências de uma época ou cultura – tem mudanças e permanências. Mas não há dúvida quanto ao papel fundamental que o ensino de literatura nas universidades e escolas desempenha em sua constituição. Afinal, à chancela …

por em

Sociabilidade favelada: experiências de lesbianidades na Maré

O Complexo da Maré existe desde 1940 e se formou a partir da oferta de trabalho que a construção da avenida brasil proporcionou. Neste sentido o território nasce a partir da necessidade de trabalhadoras e trabalhadores habitarem, terem um lugar pra chamar de seu, não no sentido único da posse, mas no sentido da possibilidade …

por em

Os tons de cinza do Casa Verde e Amarela

O governo federal lançou, nesta terça-feira 25 de agosto, o Programa Casa Verde e Amarela. Como pretendo demonstrar, esse “programa” não passa de uma sequência de tons de cinza, uma cortina de fumaça que esconde em detalhes a institucionalização de mecanismos de espoliação e expropriação urbana. A primeira grande cortina a se descerrar, curiosamente, está …

por em

Um dogmático no Itamaraty

O campo progressista vive um momento difícil, e essa realidade se deve a múltiplas causas. Uma delas talvez possa ser identificada em fenômeno mais visível nos últimos anos: a relativa subestimação, por parte desse campo político, da importância da batalha de ideias. É sintomático dessa tendência que tenha passado despercebida uma conferência proferida no último …

por em

Desmatamento no Cerrado e resistências nos territórios

Eu sou roceiro, vivo de cavar o chão. Tenho as mãos calejadas, meu senhor. Me falta terra, falta casa e falta pão Não sei onde é o Brasil do lavrador. (“Eu sou roceiro”, canção de Jorge Pereira Lima cantada pelas lideranças Isabel e Maria de Fátima Rodrigues da Comunidade Quilombola Barra da Aroeira- TO)     O …

por em

Os Estados Unidos e a China lutam uma guerra fria?

Houston, Texas, 1979. Deng Xiaoping, o habilidoso líder da China pós Mao, inaugura a primeira representação consular da República Popular nos Estados Unidos. Após vestir um chapéu de vaqueiro e ganhar esporas do prefeito de Houston, Deng – que jamais foi presidente – marcava, ao lado do presidente Carter, a normalização das relações bilaterais entre …

por em

Sobre resistir aos que querem roubar as almas dos povos indígenas

Meu amigo, no que este país está se transformando? Todo dia uma notícia ruim. Uma notícia nova e, ao mesmo tempo, velha, que faz meu coração acelerar de tanta revolta e raiva. Recentemente, a Fundação Nacional do Índio (Funai) divulgou a criação de um curso de pós-graduação (especialização) em Antropologia para seus servidores, tendo no …

por em

Quem morre por Covid-19 no cárcere brasileiro?

Em 31 de maio, ocorreu a primeira morte por Covid-19 no sistema prisional da Paraíba, estado a partir de onde este texto é escrito. A vítima começou a apresentar sintomas da doença no início daquele mês e não possuía comorbidade. Preso aos 18 anos por tráfico de 31g de cocaína e porte ilegal de arma …

por em

Tempo de Pachakuti: o que será de “nós” e o que será do “eles” no momento populista?

No artigo anterior, recuperamos um conjunto de visões e cenários que apontavam para o aprofundamento das dominações existentes ou para a reforma do sistema. Por exemplo, uma virada autoritária do capitalismo neoliberal, com a normalização do Estado de exceção, o capitalismo de vigilância, a transformação da biopolítica em psicopolítica vs. a reinvenção do comunismo. Ou …

por em

Algumas confusões contra cotas que o seu tio faz e nem sabe

Há algum tempo, um movimento contrário às políticas afirmativas tem tomado forma no Brasil. Um revisionismo historiográfico e sociológico, que ignora pontos importantíssimos de interpretação para a compreensão do quadro geral, apresenta-se como nova verdade a respeito do passado com a pretensão política de desqualificar os movimentos sociais e as políticas de reparação. Como resultado …

por em

Sem escolas não é possível esconder a miséria da infância

No debate sobre o retorno às aulas, que tomou conta da grande imprensa e das redes sociais, temas como o sofrimento infantil, causado pelo isolamento social e a vulnerabilidade econômica e social das crianças, ganharam grande destaque. É fato que uma parcela significativa dos alunos de escolas públicas encontra nessas instituições acolhimento e meios para …

por em

A eternização do presente e o futuro pós-pandemia

Olhar para pandemia da Covid-19 como acontecimento[i] – como apontávamos no artigo inicial desta série [ii] – por um lado, permite enfatizar as dimensões não previstas da pandemia. Por exemplo, a de criar fissuras e até romper com as regularidades e com as padronizações envolvidas na capacidade de projetar e gerir o mundo a partir …

por em

Guilhotina #80 – Allan Rodrigo de Campos Silva

O agronegócio está profundamente relacionado com o surgimento do novo coronavírus e de diversas outras epidemias. Essa associação é demonstrada em detalhes no livro do epidemiologista evolutivo Rob Wallace, “Pandemia e agronegócio: doenças infecciosas, capitalismo e ciência”, lançado este mês pelas editoras Elefante e Igra Kniga. Neste episódio, Bianca Pyl e Luís Brasilino conversam sobre …

por em

Casamento infantil: as meninas não podem ser deixadas para trás

Ao redor do mundo meninas e mulheres sofrem abusos e discriminação simplesmente por serem meninas e mulheres. Elas têm, sistematicamente, negados o seu acesso a direitos e participação nas decisões que afetam sua vida e de sua família, comunidade, estado, país. A vivência de violações aumenta quando as questões de gênero são aliadas às de …

por em

Comida de verdade no campo e na cidade em tempos de pandemia

De muitos territórios do Cerrado, recebemos relatos de comunidades em que a produção está se perdendo em razão da suspensão das feiras livres e agroecológicas e de outros canais de comercialização. Por outro lado, para muitas famílias das cidades e, também, do campo, a fome tem sido uma ameaça constante em tempos de pandemia. As …

por em

O Banco Central ideal

O presente momento é marcado por uma crise global. A estagnação econômica, desde a crise de 2008, somada aos problemas sociais (pobreza, desigualdade de renda etc.) marca uma grave crise do capitalismo financeiro. As políticas neoliberais fracassaram patentemente e não foram capazes de ampliar o bem estar social. O foco no combate à inflação tolhe …

por em

Neutralidade é um lugar que não existe

Sou branca e fui criada como branca. Mais do que isso, fui educada para saber identificar os fenótipos das pessoas negras, de modo a estabelecer rigorosas distinções entre pessoas brancas, pessoas então chamadas de “mulatas” e pessoas negras. Cresci aprendendo que pessoas negras são sujas e que a cor preta estava associada ao nojo, ao …

por em

Coronavírus no Brasil: a marcha da insensatez

O mundo acompanhou o início da epidemia do novo coronavírus, e as notícias que vinham de Wuhan, província de Hubei na China, preocupavam autoridades de saúde pública e governos, depois da confirmação do primeiro caso em 31 de dezembro de 2019. Em 5 de janeiro se confirmavam 44 casos e duas semanas após a doença …

por em

Reforma Administrativa: da caricatura às reais necessidades da burocracia

Na última semana, o pedido de demissão dos secretários do Ministério da Economia, Salim Mattar e Paulo Uebel, responsáveis respectivamente pelos programas governamentais de privatização e reforma administrativa, reacendeu no debate público a pauta reformista do funcionalismo. A reforma administrativa é importante e necessária para o país. A última ampla mudança no regime ocorreu em …

por em

Resposta ao artigo “Sionismo de esquerda: suspiros finais”

Estamos vivendo tempos estranhos e trágicos no Brasil, com um governo de extrema direita, teocrático e militarizado. Algumas de suas características são as práticas de esvaziamento da ordem democrática brasileira, a tentativa de criminalização da esquerda e o uso constante e instrumentalizado do Holocausto e do nazismo em discursos desconectados da realidade. A situação dos …

por em

Pandemia, violência policial, fundamentalismo religioso e outras ameaças

Para a grande maioria dos jovens brasileiros está colocada a necessária conciliação entre escola e trabalho. No momento atual, com uma retração profunda do mercado de trabalho, resta a esses jovens recorrer a suas velhas bicicletas e incorporar-se ao exército de entregadores em domicílio que hoje vemos pelas ruas. Parte importante desses entregadores parou de …

por em

Na pandemia, é preciso fazer malabarismo para sobreviver

Dezenove itens foram listados para cada uma das 100 cestas básicas distribuídas em uma das campanha que Maria de Lourdes do Carmo organizou durante a pandemia da Covid-19. Arroz, feijão, açúcar, sardinha em lata, leite, salsicha e papel higiênico eram alguns dos produtos. A ‘Maria do Camelôs’, vendedora na Rua Miguel Couto, Centro do Rio …

por em

Os desencontros da Reforma Tributária do Bolsonaro

O Sistema tributário brasileiro é datado do século passado e apresenta muitas disfuncionalidades que atrapalham os principais personagens da cadeia produtiva, seja entendendo o que e quando pagar ou como a contribuição influencia o seu dia-a-dia. A Reforma Tributária apresentada pelo governo, primeiramente por meio do Projeto de Lei nº 3887/2020, tem o objetivo de …

por em

A resistência ao garimpo que o governo tenta ocultar

“Vocês têm coragem de beber esta água?”, questionou a mulher Munduruku aos deputados federais, que olhavam em silêncio a garrafa que ela estendia na sua direção, cheia de uma água turva e leitosa. “É essa água que nós bebemos, essa água que o garimpo está levando para as terras indígenas”, ela completou, de pé ao …

por em

A política da aniquilação e a democracia brasileira

O pensamento autoritário é um traço marcante do contexto histórico de nossa região. Na longa trajetória de formação dos Estados nacionais latino-americanos, uma série de golpes e contragolpes marcou o cenário político do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai, por exemplo. A construção da identidade no Estado nação latino-americano deu-se, então, em meio …

por em

Notícias do norte e outros desastres

O livro Vida e morte de uma Baleia-Minke no interior do Pará e outras histórias da Amazônia, de Fábio Zuker, reúne uma série de reportagens, feitas entre 2017 e 2019, e publicadas em diferentes agências de notícias: Agência Pública, Nexo Jornal e Amazônia Real, contando, esta última, com o maior número de colaborações. Mas o …

por em

Green New Deal ou Economia Verde 2.0?

Em 2012, no bojo da conferência Rio+20, foram publicados diversos relatórios, artigos e propostas que apresentavam a noção de “Economia Verde” como solução para a crise econômica e ambiental planetária.  Mais do que “salvar o planeta”, tratava-se, pois, de oferecer alternativas a crise financeira internacional sob a ótica de um esverdeamento da atividade produtiva, crença …

por em

Povo da Bielorrússia nas ruas contra fraude nas urnas

Na Bielorrússia, Alexander Lukashenko está no poder desde 1994 e no dia 9 de agosto teve sua suposta “6ª vitória” consecutiva nas eleições presidenciais. Desde então, o povo bielorrusso ocupa pacificamente as ruas do país, exigindo a sua renúncia e a real apresentação do resultado eleitoral, que está sob forte suspeita de fraude. A política …

por em

A focalização das políticas sociais como “canto da sereia”

Já é tradição que, em momentos de crise, sobretudo em países subdesenvolvidos, ganhem força as vozes daqueles que defendem que os recursos captados dos mais ricos sejam direcionados pelo Estado aos mais pobres por meio de políticas sociais focalizadas em vez de a todos que precisem deles por meio de políticas sociais universais. Quando se …

por em

A distopia do cuidado no brasil opera no corpo das mulheres negras

O corpo negro é um corpo encruzilhada. Sua existência é plena realização dinâmica entre a decisão e o sacrifício. Douglas Malûngu Cuidado com conceito A abordagem deste ensaio reconhece as múltiplas possibilidades de conceitos e definições que versam sobre cuidado. No entanto, aqui nos interessa lançar mão de algumas lentes com capacidades multidisciplinares para destacar …

por em

Guilhotina #79 – Aparecida Vilaça

O genocídio indígena no Brasil ganhou novo impulso com a pandemia de Covid-19. Neste episódio, Bianca Pyl e Luís Brasilino recebem a antropóloga Aparecida Vilaça, professora do Museu Nacional da UFRJ, autora de diversos livros acadêmicos sobre os Wari’ e que lançou neste ano pela coleção Pandemia da editora Todavia o ensaio “Morte na floresta”. …

por em

Quando as bruxas dançam

Enquanto a liberdade se manifesta, a tirania revela seu melhor padrão de controle. Basta analisar os dados de outras épocas para comprovar que as instituições mais desvairadas fitavam as expressões que não estavam vinculadas à ideologia vigente. A eliminação do ‘outro’ poderia ocorrer de diferentes formas a depender do que se maculava. Na inquisição, talvez …

por em

Vale do Anhangabaú: um palimpsesto sem valor?

Anhangabaú Parques do Anhangabaú nos fogaréus da aurora… Oh larguezas dos meus itinerários!… Estátuas de bronze nu correndo eternamente,  num parado desdém pelas velocidades…   O carvalho votivo escondido nos orgulhos do bicho de mármore parido no Salon… Prurido de estesias perfumando em rosais o esqueleto trêmulo do morcego… Nada de poesia, nada de alegrias!… …

por em

A vida entre as chapadas e os vales

Ser geraizeiro e fecho de pasto é “ser uma comunidade que tem a sua independência”  As comunidades geraizeiras e de fundo e fecho de pasto do Oeste da Bahia têm memórias e histórias que remontam à sua origem indígena e negra, além dos primeiros vaqueiros do vale do rio São Francisco, que se espalharam por …

por em

A Amazônia e o antiambientalismo de resultados

A Amazônia tem sido objeto de intensa discussão no plano do meio ambiente, de sua importância no combate às mudanças climáticas, na regularização de chuvas para a agricultura em outras áreas do país e sua influência na qualidade do ar das grandes cidades.[1] Os desastres da política antiambiental do governo Bolsonaro e suas repercussões negativas …

por em

Amazônia em devastação

A imagem da Amazônia que arde em chamas e sua devastação é o corolário do cenário de terra arrasada da política ambiental de Bolsonaro. A frágil democracia e a perspectiva de justiça social estão bloqueadas pela classe dominante, que sempre está em movimento para salvar o capital em crise econômica, política, social e ambiental. O …

por em

“Sionismo de esquerda”: suspiros finais

Em 2017 escrevi um artigo, no calor de minhas memórias da segunda viagem à Palestina, em que discuti o papel político nocivo de quem defende o Estado de Israel dentro da esquerda: os “sionistas de esquerda”. Sugeri nomear de redwashing (lavagem vermelha) aos dispositivos discursivos autodenominados de “esquerda”.  O “red” (vermelho) faz referência à cor …

por em

O breque dos apps e o movimento dos trabalhadores

As recentes mobilizações dos trabalhadores por aplicativos devem chamar a atenção de toda a sociedade para a precarização do trabalho na contemporaneidade. A situação não é nova, nem lhes é exclusiva, mas certamente tem neles a sua representação mais caricata. Mudanças sociais que remontam às primeiras décadas de neoliberalismo, com seu ideal de autonomia individual …

por em

O novo Fundeb: o que está em jogo com a nova PEC?

A Câmara dos Deputados aprovou, no último dia 21 de julho, a proposta de emenda constitucional (PEC) do novo Fundeb, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica – que financia cerca de dois terços de toda a educação básica pública do Brasil. O fundo expirava no final deste ano. A PEC foi aprovada em …

por em

O fascismo e a determinação social da catástrofe

Dois mil e vinte. Paralisados, estamos sobrevivendo naufragados à catástrofe e nenhum outro termo me parece mais adequado para ilustrar a situação atual. A catástrofe era, na lógica da tragédia clássica, os eventos dolorosos e funestos que aconteciam em cena, correspondendo a ferimentos ou mortes cruéis e nefastas. A catástrofe, conceituada no domínio da tragédia …

por em

Guilhotina #78 – Charles Trocate

Bianca Pyl e Luís Brasilino recebem o escritor, filósofo e educador popular Charles Trocate, autor com Tádzio Coelho do livro “Quando vier o silêncio: o problema mineral brasileiro” (Expressão Popular/Rosa Luxemburgo, 2019 – https://bit.ly/trocate). Membro da coordenação nacional do Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM), Trocate faz uma análise conjuntura da exploração dos recursos …

por em

Não sou indígena, mas choro por Aritana

É possível chorar copiosamente a morte de alguém que não se conheceu? Hoje chorei a morte de Aritana Yawalapiti, grande líder dos nove povos indígenas que compõem o chamado Alto Xingu. Por que chorar sua morte? Primeiro, nas palavras de alguns que o conheceram, porque ele era um pacificador. Um homem de poucas palavras, mas …

por em

“Por um populismo de esquerda”

Acaba de chegar ao Brasil, publicado pela Autonomia Literária, o novo livro de Chantal Mouffe, Por um populismo de esquerda. O título, provocador, é um chamado à ação política e soa especialmente provocativo no atual contexto brasileiro. Já no início a autora apresenta seu diagnóstico central, cujo foco é, vale salientar desde logo, a Europa: …

por em

Conhecimento e solidariedade para enfrentar a pandemia

Seis meses após a declaração, pela Organização Mundial da Saúde, de que vivíamos a pandemia da Covid-19, muitas incertezas permanecem em relação ao comportamento do novo coronavírus e às estratégias para controlá-lo. Mas, se há algo que está muito claro, desde o começo, é que só é possível superar uma pandemia com conhecimento e solidariedade. …

por em

Necrossociedade

A julgar pela história ocidental, uma pandemia costuma ter duas facetas: uma social e outra propriamente sanitária. É difícil delimitar as fronteiras entre os acontecimentos, mas da segunda grande onda da peste bubônica, no século XIV, até a atual crise do novo coronavírus, a tendência é que a primeira acabe muito antes da segunda. Enquanto …

por em

Vulnerabilidade e violência: imigrantes e refugiados na pandemia brasileira

“Se a gente que é negro brasileiro tem dificuldade, o negro imigrante tem muito mais. Porque ainda traz a questão de ter uma outra cultura uma outra forma de se inserir e outra forma de ser entendido enquanto cidadão aqui no Brasil” – Ester Vargem, integrante da secretaria municipal de direitos humanos de São Paulo. …

por em

A beleza negra como instrumento político de transformação social

“Catharine MacKinnon nos lembra que ‘há certas coisas que sabemos na nossa vida e cujo conhecimento nós vivemos, além de qualquer teoria que já tenha sido teorizada’. Fazer esta teoria é o nosso desafio. Em sua produção jaz a possibilidade de darmos nome a toda a nossa dor – de fazer toda a nossa dor …

por em

Meninos e caranguejos: desencontros entre o asfalto e o mangue

Em uma noite de inverno de um tempo excepcional, com máscaras nas faces, o acelerado corre-corre da vida na cidade foi interrompido por um alvoroço que mexeu com as memórias do subsolo. E na ilha, aterro de um sistema manguezal, levantaram-se as vinhas da ira. Estávamos, De Menor e eu, na praia para uma atividade …

por em

As resistências e lutas no Brasil pandêmico

Na história da formação territorial do Brasil, as doenças epidêmicas não são novidade. Entre os séculos XV e XIX, a dizimação de grandes grupos étnicos devido ao contágio de doenças como varíola, tuberculose e sarampo, pertencentes ao campo patogênico europeu, foi utilizada pelos colonizadores como estratégia geopolítica na interiorização territorial, na dominação dos povos originários …

por em

Em tempos de pandemia, é preciso fazer germinar a vida

Durante o Fórum Popular da Natureza, realizado virtualmente no mês de junho de 2020, a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado promoveu uma oficina sobre as conexões entre os povos dos cerrados, a conservação da biodiversidade, os conflitos agrários e a prevenção de futuras pandemias. Participaram Larissa Packer, advogada popular da GRAIN América Latina; Abeltânia …

por em

Um imperativo do presente: Future-se nas estaduais de SP?

Há pouco mais de um ano, o economista que ficou conhecido como o pior ministro da Educação da história brasileira, Abraham Weintraub, lançou o programa Future-se para as universidades e institutos federais. O evento com formato de Ted Talk empresarial anunciava com tom heroico a pretensa grandeza das suas inovações. No primeiro painel, um mapa …

por em

Seria o capitalismo uma doença?

Em outra oportunidade [1] sugerimos que o neoliberalismo é um processo estranho ou desacoplado dos sistemas da natureza, ao alertamos que o individualismo está esgotando o patrimônio natural com o objetivo competitivo de concentrar renda, provocando uma desmedida destruição ambiental e desigualdade social que pode comprometer a nossa resiliência na Terra. Que o modelo de …

por em

A resistência LGBTQ+ no século XXI

“Somos muitos Severinos”, disse João Cabral de Melo Neto. Em sua poesia o escritor declama protesto em memória dos muitos preteridos socialmente que, marginalizados, são levados a um homicídio assistido. O autor se iguala ao objeto da obra e afirma: “Somos muitos Severinos, iguais em tudo na vida“, remontando o corredor da morte que é …

por em

A quem interessa silenciar a Filosofia?

A pandemia causada pela Covid-19 tem sido usada, por alguns, para aumentar os ataques à Filosofia. Esses ataques não são recentes, mas com esta nova situação a defesa dos cortes no investimento público dedicado à Filosofia, às Ciências Humanas e às Ciências Sociais se tornou mais enfática, usando-se o argumento de que tais saberes não …

por em

Entre a rua e o gabinete: o paradoxo bolsonarista

O discurso anti-establishment tomou conta do cenário nacional durante o governo Dilma, e, como já era de se esperar, vários políticos se apropriaram da retórica para conseguir apoio popular. Bom, de fato conseguiram. Bolsonaro é o exemplo mais atual. Eleito com um discurso populista e antipolítico, vendeu a seus eleitores a ideia de que não …

por em

O cuidado da casa comum caiçara

Aqui é a casinha do Martim, disse Karina Ferro, com as mãos sobre sua barriga e ao lado de seu marido, Edmilson do Prado. Dias depois, em 4 de julho de 2019, essa casinha estaria no centro de um conflito que envolve a violação reiterada dos direitos de caiçaras, povos e comunidades tradicionais no Brasil. …

por em

O paradoxo da justiça climática no Brasil: o que é e para quem?

Há uma infinidade de ensaios, estudos de caso e definições que ilustram o conceito de justiça. Entre tantas abstratividades, sua interpretação nos permite acolher um panorama norteador de princípios morais, políticos e humanitários. Ela é como uma bússola que nos permite avaliar se estamos trilhando um caminho em direção à preservação dos direitos e da …

por em

Guilhotina #77 – João Cezar de Castro Rocha

A visão de mundo bolsonarista é composta de três elementos principais. Em primeiro lugar, a Doutrina de Segurança Nacional que criou a figura do inimigo interno. Em segundo, uma obra obscura produzida pelo Exército nos anos 1980 chamada Orvil. Resposta contra a divulgação dos crimes cometidos pela ditadura, o documento expressa uma linha de pensamento …

por em

A economia política da austeridade na América Latina na crise de 2020

A crise atual estabeleceu um aparente consenso entre os economistas de que é necessária uma atuação do Estado a fim de minimizar seus impactos. A tolerância com os gastos públicos é, todavia, globalmente heterogênea e possui um caráter muito restrito na América Latina. O FMI, por exemplo, apenas incentiva uma postura mais ativa do Estado …

por em

Novas vozes no processo penal internacional

Por volta do dia 11 de março de 2020, o pronunciamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) viria a impactar energicamente a comunidade internacional, ao declarar que a epidemia viral de origem zoonótica desencadeada pelo coronavírus (SARS-CoV-2) adquiria o nível de uma pandemia global, com alarmantes níveis de contágio e gravidade, ocasião em que teria …

por em

“Tem irmão morrendo aqui dentro!”: a gestão carcerária-militar (do limite) da vida

Nos últimos anos, o sistema carcerário amazonense ficou mundialmente conhecido por dois “massacres”, protagonizados por presos, com mais de cento e vinte homens mortos. Esses eventos se demonstraram bastante úteis para a reprodução de discursos securitários e colonialistas. Ilustrados com mapas, deram atenção à “expansão” nacional e internacional das facções criminosas sudestinas e ao “descontrole” …

por em

O medo dos brancos em falar da branquitude

Existe uma dificuldade para os brancos reconheceram sua branquitude. Acredito que ela venha de alguns dados não só da história brasileira, mas da história moderna e contemporânea do mundo ocidental. E, precisamente, do modo em que as relações sociais tuteladas por ideias raciais foram desenvolvidas ao longo do tempo. O mundo foi moldado por mestres …

por em

Neoliberalismo: a ideologia do invisível

A primeira coisa a se fazer quando se reflete sobre um objeto confuso e multifacetado como o mundo social é perceber as hierarquias de questões mais importantes a serem esclarecidas. Sem isso nos perdemos na confusão. A questão do poder é a questão central de toda sociedade. A razão é simples. É ela que nos …

por em

O pior de nós no poder: cenários de um Brasil incendiado

Existem dois grandes grupos de temas: os político-institucionais e o campo social. Em geral, o último é pouco falado e é objeto de muitas pesquisas etnográficas e de opinião. Trataremos esse terreno como campo fértil do ódio. Este cenário tem a ver com a sociedade, a cultura e sua complexa atualidade. Já o primeiro tema …

por em

Pandemia, crise e periferias

“No início da pandemia, aqui foi tudo meio incerto, porque em casa só eu estou trabalhando, em um estágio que paga muito pouco, mãe, padrasto e irmão desempregados, mesmo antes da pandemia. Assim que saiu a notícia de corte nos contratos, entrei em desespero porque até então era a única renda, anunciaram os auxílios e …

por em

Para o projeto bolsonarista a Antropologia é inútil ou perigosa?

Tomou posse no dia 16 de julho o quarto ministro da Educação do governo Bolsonaro. Milton Ribeiro é um teólogo e pastor que defendeu publicamente, em 2016, a associação entre ensino e dor. Na campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro já avisava em seu plano de governo – melhor seria desgoverno – que usaria a Educação …

por em