Balanço da esquerda no poder - Le Monde Diplomatique

GOVERNO JOSPIN B

Balanço da esquerda no poder

por Serge Halimi
1 de abril de 2000
compartilhar
visualização

Obra revela compromissos que o primeiro-ministro rompeu, mas procura defendê-lo apresentando atenuantes que não convencemSerge Halimi

Em março de 1997, uma pesquisa um pouco mais significativa do que as outras, indicava que os franceses que expressam “revolta” em relação ao capitalismo eram 31 vezes mais numerosos do que aqueles que experimentam qualquer coisa que possa assemelhar-se ao “entusiasmo”. Dois meses depois, a “esquerda plural” ganhava as eleições legislativas. A relação entre esses dois fatos iria revelar-se aleatória. Eleito depois de ter se engajado na luta contra o “capitalismo duro”, o atual primeiro ministro francês e sua equipe colocaram em prática um “novo capitalismo”.

Os autores de A Esquerda imaginária recusam-se a “abrir mais uma vez o eterno processo do sonho frustrado e fazer de Lionel Jospin seu principal acusado”. No entanto, o que redigiram foi a ata de acusação da política econômica dos dois últimos anos, onde o esclarecedor e exaustivo confronto entre os compromissos da esquerda de 1995 a 1997 e seus atos no poder [1] mistura-se com a exposição, menos convincente, de algumas circunstâncias atenuantes.

Entre essas últimas figuraria principalmente a substituição, na França, de um “capitalismo germânico” neo-colbertiano pelo modelo anglo-americano de “criação de valor” para o acionista. Lionel Jospin teria chegado ao governo despojado do poder econômico e financeiro, em um país que se tornou “uma banal democracia de mercado onde tudo se compra e vende, basta que se coloque um preço”. A hora da verdade está próxima. Por medo das “terríveis represálias” dos investidores estrangeiros (os fundos de pensão americanos), a quem o governo francês teria que cortejar desde a privatização parcial da France Télécom, os socialistas teriam sido obrigados a fechar a fábrica da Renault em Vilvorde.

O problema desse tipo de análise, feita sobre uma atualidade muito recente, é que a esquerda já dedicou parte considerável de sua história a desculpar-se por essas mudanças de rumo, insistindo no peso das limitações que teve que enfrentar no poder. Os dois autores, ao invés de exagerar o caráter supostamente inédito da situação de 1997, poderiam ter destacado a seguinte recorrência histórica: o problema foi sobretudo o “muro de dinheiro” em 1924 e 1936; a falta de ajuda americana, em 1944; e o peso do comércio exterior no produto nacional bruto, em 1981.

Que as pressões conservadoras “estejam de agora em diante acima da democracia, ligadas ao mercado, nas taxas de juros e de câmbio e na capacidade de empréstimos, tudo isso que antigamente permitia que um governo dispusesse de margens de manobra para a agir”, nos parece algo quase banal, e o atual capitalismo parece infinitamente menos novo do que se diz. Se algo está claro, é que a lógica do sistema é muito mais forte do que a vontade de transformá-la sem combatê-la.

Gérard Desportes e Laurent Mauduit, La gauche imaginaire et le nouveau capitalisme, Grasset, 1999

Serge Halimi é o diretor de redação de Le Monde Diplomatique (França).



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti