Blogueiras pró-Palestina dizem sentir sequelas do silenciamento algorítmico - Le Monde Diplomatique

INSTAGRAM

Blogueiras pró-Palestina dizem sentir sequelas do silenciamento algorítmico

Acervo Online | Palestina
por Letícia Sé
10 de agosto de 2021
compartilhar
visualização

Em junho, reportagem apurou casos de queda de audiência, posts suprimidos pelo Instagram e perfis punidos após posicionamentos políticos das influencers

Três importantes influencers brasileiras do nicho da comunidade árabe e da religião muçulmana no Instagram dizem ainda sentir sequelas de um suposto silenciamento algorítmico. Entre elas, duas – Mariam Chami e Hyatt Omar – foram entrevistadas em reportagem do Le Monde Diplomatique Brasil no mês de junho, quando tiveram posts e stories suprimidos após defender a causa palestina e as expulsões de palestinos do bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental.

Atualmente, Mariam e Hyatt voltaram a reclamar da queda brusca de audiência e bugs durante lives. Hyatt Omar afirma que as visualizações de seus stories estão caindo nas últimas semanas – ela geralmente tinha 15 mil visualizações, hoje tem 3 mil. Já Mariam diz que sua audiência não foi mais a mesma desde junho, quando se posicionou sobre os acontecimentos em Sheikh Jarrah. “Nunca mais voltou ao que era. Antes, eu tinha no mínimo mil pessoas em uma live. Depois da censura, minha audiência chegou a cinquenta pessoas”, afirma.

Já a terceira influencer, Carima Orra, conta que há um ano sofreu uma enxurrada de pedidos de derrubada de seu perfil por meio do botão “denunciar”, incentivados por uma blogueira que tem uma visão contrária. Isso aconteceu após se posicionar pela causa palestina. Segundo ela, desde então, sua audiência nunca mais foi a mesma. “Fui banida de fazer live, e meu alcance que era de 40 mil pessoas e caiu para 5 mil. Minha audiência chegou a subir para 10 mil, mas nunca mais passou dessa faixa, apesar de meu número de seguidores aumentar”, explica.

As quedas na audiência são preocupantes para blogueiros – pessoas cuja renda depende de parcerias de publicidade, que, por sua vez, dependem de grandes números. O Instagram é o meio pelo qual esse tipo de trabalho autônomo acontece e, muitas vezes, a falta de transparência sobre o que ocorre no funcionamento da plataforma pode deixar as blogueiras sem uma resolução sobre a continuidade de seu trabalho.

As influencers Hyatt Omar, Mariam Chami e Carima Orra (Fotos: Reprodução/ Instagram)

Instagram cita mudanças na plataforma como explicação para alterações na audiência

Procurado, o Instagram afirmou à reportagem por meio de sua assessoria que “em junho deste ano, Adam Mosseri [CEO do Instagram] explicou em um post no blog oficial da plataforma como os algoritmos funcionam nas diferentes superfícies, como stories, feed, reels e explorar”, deixando implícito que essas diretrizes devem resolver os questionamentos das influencers.

Um vídeo de Mosseri também viralizou no mês passado, em que ele explica, no perfil oficial Creators, como os algoritmos funcionam através dos diferentes formatos de conteúdo.

O Instagram, por outro lado, não respondeu à pergunta da reportagem que questionou se há algum tipo de inteligência que detecte conteúdo sobre a causa palestina, podendo punir seu criador.

Depois que a reportagem contatou o Instagram nesta primeira semana de agosto, Mariam Chami afirmou que sua audiência voltou a subir, chegando a seiscentas pessoas em uma live.

 



Artigos Relacionados

ARQUITETURA

Brasília: imagens de Três Poderes

Online | Brasil
por Adalberto da Silva Retto Júnior
DISPUTA EM ABERTO

O papel vindicado pelos trabalhadores plataformizados na atual agenda de governo

Online | Brasil
por Gabriela Neves Delgado e Bruna Vasconcelos de Carvalho
PUNITIVISMO

Sobre morfinas, terrenos e o 8 de janeiro

Online | Brasil
por Hamilton Gonçalves Ferraz e Pedro Amorim
CAPITAL ESPECULATIVO

Globalização e Forças Armadas

Online | Mundo
por Antônio Carlos Will Ludwig
MIGRANTES VENEZUELANOS

Impressões do campo em Roraima

Online | Brasil
por Sofia C. Zanforlin
PARA COMPREENDER O NEOFASCISMO

O "fascismo eterno", revisitado

Online | Brasil
por Liszt Vieira
POVOS INDÍGENAS PÓS GOVERNO BOLSONARO

O Brasil verde-amarelo é um país sem cor

Online | Brasil
por Vinício Carrilho Martinez e Márcia Camargo
DIREITO À CIDADE

Inovação como integrante de um projeto social e político emancipatório

por Regina Tunes