Brasil vive catástrofe climática em completo silêncio

MEIO AMBIENTE

Brasil vive catástrofe climática em completo silêncio

por Gabriel Dantas Romano
23 de julho de 2021
compartilhar
visualização

Todos os setores da sociedade preferem se omitir e continuar como se uma catástrofe não estivesse se desenrolando na frente de nossos narizes

Não é só a Alemanha que sente os efeitos extremos da mudança climática. O Brasil também presenciou eventos climáticos extremamente desproporcionais às condições normais nos últimos anos. Porém aqui, a gente que vive sob omissão e ignorância não parece notar a gravidade dos acontecimentos.

Em 2019, a corrente atmosférica levou para o sudeste uma fumaça negra que encobriu o céu e bloqueou a passagem de luz. Transformando o dia em noite, a fuligem tóxica vinda das queimadas da Amazônia pairou como um prenúncio mórbido do que está por vir. Em 2020, o Sudeste sofreu com enchentes e deslizamentos de terra causados por chuvas fortes além do normal. O desastre deixou dezenas de mortos e feridos, mais de 10 mil pessoas desabrigadas e mais de 70 mil desalojadas. No mesmo ano, a ocorrência do “ciclone bomba”, outro evento climático extremo, causou uma série de estragos no Sul do Brasil, deixando mais de 1 milhão de pessoas sem energia elétrica no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Em uma situação correta, tais desastres deveriam desencadear uma iniciativa intensiva contra o aquecimento global, vinda da mídia, da sociedade civil, do setor público e privado. Porém, todos os setores da sociedade preferem se omitir e continuar como se uma catástrofe não estivesse se desenrolando na frente de nossos narizes. A mídia brasileira, principalmente televisiva, ainda não empreendeu nenhum trabalho de divulgação científica em relação à conscientização sobre as mudanças climáticas, e o governo federal não foi capaz de desenvolver nenhuma campanha ou política pública efetiva. O resultado é que o povo vive sob condição de extrema ignorância, apático à realidade.

Cada vez mais presenciamos fenômenos extremos que mostram o desequilíbrio da natureza. Frente a essa força, a vida humana se torna completamente desprezível. As pessoas perdem suas casas, a infraestrutura das cidades é devastada, e os seres humanos vão perdendo aos poucos as condições necessárias para um meio de vida saudável. Vivemos em silêncio um processo de deterioração da natureza e essa catástrofe ainda não desencadeou nenhuma resposta à altura. O Brasil parece completamente apartado da realidade.

Fumaça de queimadas faz dia virar “noite” na capital paulista, em 2019 (Foto: Correio Braziliense)

A tendência é de que a mudança climática interfira no funcionamento da vida na Terra. A longo e curto prazo, sanar esse problema deve ser uma das prioridades da política mundial. No Brasil, o governo federal e os políticos em geral são completamente omissos à questão. Não por falta de conhecimento, mas por opção. O governo Bolsonaro é um dos maiores responsáveis pela degradação ambiental do Brasil e pela impulsão das mudanças climáticas.

Um dos impactos visíveis da política contra o meio ambiente de Bolsonaro é no setor elétrico. O desmatamento da Amazônia alcançou níveis recordes, com isso a água dos reservatórios diminui, o que aumentou a conta de luz. Segundo Márcio Astrini, “o aquecimento global muda a dinâmica do clima em todo o mundo, e o desmatamento da Amazônia também age nesse sentido, mas mexe diretamente com os ciclos hidrológicos no país, que tanto depende deles para a geração de energia, a produção agrícola e abastecimento das cidades”.

Um outro problema veio à tona recentemente. Um estudo do Inpe, publicado na revista Nature, afirma que com as queimadas e desmatamento, a Floresta Amazônica já libera mais gás carbônico do que absorve.

O sequestro de carbono é um processo físico e biológico em que o CO2 é retirado da atmosfera e armazenado em oceanos e florestas. As árvores estocam naturalmente grande quantidade de carbono: através da fotossíntese, retiram o gás carbônico da atmosfera e o transformam em açúcar, que fica armazenado como amido e celulose. A Floresta Amazônica compõe 10% da biomassa de todo o planeta, representando uma das maiores reservas de carbono do mundo. Ou seja, com o aumento de sua devastação e das queimadas, o carbono retido na madeira das árvores é liberado para a atmosfera.

Em 2020, o The Guardian publicou um artigo pessimista estipulando que na próxima década a Amazônia poderia se transformar em fonte de emissão de carbono. Na verdade, ninguém imaginava que isso aconteceria apenas um ano depois por causa da progressão agressiva das queimadas. Esse processo é emblemático da degradação do maior patrimônio brasileiro, a Floresta Amazônica, sob o governo de irresponsáveis e criminosos.

O resultado disso, além da maior emissão de carbono para a atmosfera, é a diminuição de chuva. A Floresta Amazônica é responsável por um processo de produção de vapor de água que leva umidade e chuva para outras regiões do país. Com a interferência desse processo, o tempo tende a ficar mais seco e as chuvas mais escassas.

Preocupado com a situação ambiental do Brasil, o diretor do Instituto Climático da Alemanha, Johan Rockström, afirmou que: “Todos deveríamos estar preocupados com o ritmo do desmatamento na Amazônia. É a maior riqueza natural do planeta, além de regular as chuvas na América do Sul e o clima de todo o mundo. É o que chamamos de um bem global. Todos os cidadãos do planeta dependem da estabilidade da Amazônia, então todas as nações que têm um ecossistema tão importante quanto este deveriam preservá-lo. Mas é um desafio na questão econômica, porque há um grande valor agregado em uma floresta”.

A única saída para esse problema é, a longo prazo, uma redefinição completa dos valores que regem o funcionamento da nossa sociedade. A curto prazo, precisamos apostar em políticas de preservação ambientais urgentes. O rumo que a humanidade tomou apresenta consequências catastróficas que precisam ser revistas por todos aqueles que pretendem viver num lugar melhor. Esse sistema econômico e político configurado para garantir o lucro de uma minoria está, pouco a pouco, acabando com as condições de existência de vida na Terra, enquanto a maioria da população assiste ao desenrolar da história com extrema apatia e passividade. Uma resposta da sociedade civil precisa surgir e a mudança climática deve estar entre prioridade das discussões políticas agora.

 

Gabriel Dantas Romano é estudante de História da USP e ativista ambiental.



Artigos Relacionados

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Descolonize o sistema, liberte o futuro

Online | Mundo
por Paloma Costa, Samela Sataré Mawé, Marcelo Rocha e Gabriel Mantelli
CIDADES DO AMANHÃ

Mudanças climáticas: lutar contra quem?

por Rodrigo Faria G. Iacovini e Victor H. Argentino de M. Vieira
Guilhotina

Guilhotina #135 – Tiago Muniz Cavalcanti

CÂNONE DA LITERATURA PELA MARGEM

Exposição apresenta o projeto literário da escritora Carolina Maria de Jesus

Online | Brasil
por Bianca Pyl
GRITO DOS EXCLUÍDOS – III

A moradia é a porta de entrada para todos os outros direitos

Online | Brasil
por Graça Xavier
GRITO DOS EXCLUÍDOS – II

Bolsonaro e o golpe

Online | Brasil
por Frei Betto
GRITO DOS EXCLUÍDOS – I

Mais 590 mil mortes, consciência ética e lutas contra o bolsonarismo em São Paulo

Online | Brasil
por Samantha Freitas
FRATURAS EXPOSTAS PELA PANDEMIA

Saúde: inovar é preciso, produzir também

Online | Brasil
por Alexandre Padilha e Jandira Feghali