Da calamidade à retomada do desenvolvimento

ECONOMIA

Da calamidade à retomada do desenvolvimento

por Juliane Furno
4 de novembro de 2022
compartilhar
visualização

O pífio crescimento da economia brasileira desde 2017 é parte de um projeto, condição para manter o desemprego elevado e pressionar os salários para baixo. Já as mudanças nas regras fiscais abriram caminhos para a privatização de serviços públicos universais. Afora essa parte que “deu certo”, o governo Bolsonaro acumula fracassos mesmo para os empresários. Esse pesadelo está próximo ao fim, porém a vitória nas urnas foi apenas um pequeno passo diante dos desafios econômicos e políticos colocados

A economia brasileira encontra-se em situação calamitosa. Em parte, é fruto de um desarranjo da condução desastrosa de Bolsonaro/Paulo Guedes, mas, sobretudo, em seu aspecto fundamental, é constructo de um projeto. A famosa frase de Romero Jucá quando da ascensão do golpista Michel Temer, “estancar essa sangria”, não se devia somente às denúncias de corrupção. …

Conteúdo apenas para Assinantes



Artigos Relacionados

EDUCAÇÃO

Um ensaio timidamente indecente sobre pânico civilizacional e educação

Online | Brasil
por Fernando de Sá Moreira
ECONOMIA E SAÚDE

O SUS e o relatório do TCU

Online | Brasil
por Vários autores
QUE A CLOROQUINA NÃO SE REPITA

Como conter a pulsão de morte bolsonarista

Online | Brasil
por João Lorandi Demarchi
RESPEITEM OS LOUCOS

A patologização do fascismo

Online | Brasil
por Roger Flores Ceccon
NOVO MINISTÉRIO, A CONCRETIZAÇÃO DE UM VERDADEIRO MARCO

Os povos indígenas e seu protagonismo na transição de governo

Online | Brasil
por Aline Ngrenhtabare Kaxiriana Lopes Kayapó, Edson Kayapó e Flávio de Leão Bastos Pereira
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

Por que incluir práticas pedagógicas de mídia e educação nas escolas?

Online | Brasil
por Elaine Dal Gobbo e Franciani Bernardes
O CASO DE LUANA BARBOSA DOS REIS SANTOS

Anatomia de um crime

Online | Brasil
por Dina Alves
PODER PASTORAL E NEOLIBERALISMO GOLPISTA

A bíblia e o palácio

por João Roberto Barros II