Da Hungria a Chiapas - Le Monde Diplomatique

MINORIAS NACIONAIS D

Da Hungria a Chiapas

por Yves Plasseraud
1 de maio de 2000
compartilhar
visualização

O texto da lei húngara prevê a combinação de uma autonomia cultural em base territorial (onde a minoria representa pelo menos 5% da população local) com uma autonomia cultural comunitária, no caso de a minoria se encontrar dispersaYves Plasseraud

A lei húngara de 7 de julho de 1993 constitui provavelmente a experiência contemporânea mais completa em matéria de autonomia cultural. Com efeito, ela oferece às minorias étnicas uma proteção considerável. Seu preâmbulo revela a intenção do legislador: “A Assembléia nacional declara que considera o direito à identidade nacional e étnica como parte integrante dos direitos universais do homem, que ela reconhece os direitos individuais e coletivos específicos das minorias nacionais e étnicas como direitos e liberdades cívicas fundamentais, e que ela se compromete a fazer com que estes sejam respeitados em sua totalidade na República da Hungria”. E o artigo 2 proíbe toda política “que vise ou conduza à assimilação das minorias ou que tenha parcial ou totalmente por objetivo ou por resultado a modificação da composição étnica dos territórios habitados pelas minorias”. Para “compensar as desvantagens decorrentes de sua condição de minoria”, a legislação prevê até uma espécie de discriminação positiva – uma medida ainda pouco usual na Europa, e que corresponde à ação afirmativa americana. Segundo o artigo 6º, pertencer a uma minoria deve resultar de uma vontade declarada neste sentido; o direito de se assimilar é plenamente respeitado. Em seguida, a lei detalha, enumerando-os, tanto os direitos individuais (art. 9 12) e coletivos das minorias (art. 13 a 18) quanto os meios práticos necessários para sua aplicação. Além do caráter generoso e concreto, o texto prevê a combinação de uma autonomia cultural em base territorial (onde a minoria representa pelo menos 5% da população local) com uma autonomia cultural comunitária, no caso de a minoria se encontrar dispersa. As minorias, constituídas no plano municipal em Corporações de direito público, contam, no plano nacional, com uma Assembléia (de poderes essencialmente consultivos), cooperando com a administração na gestão das escolas bilíngues. [1]

Livre associação em comunidades indígenas

No México, os militantes índigenas de Chiapas parecem ter se inspirado diretamente nas teses européias sobre a autonomia pessoal. [2] Assim, os acordos sobre os direitos e a cultura índigena estabelecidos entre os zapatistas e o governo federal mexicano, em 16 de fevereiro de 1996, prevêem em seu artigo 5 C-2-51: “O reconhecimento na legislação nacional das comunidades como entidades de direito público, de seu direito a associarem-se livremente em municipalidades majoritariamente índigenas, bem como do direito de diferentes municipalidades associarem-se entre si, com o objetivo de coordenar suas ações enquanto vilarejos índigenas”.

Dada a conjuntura político-militar, este texto não foi apl



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa