A resistência do Catalão

Para um observador europeu em geral a imagem da Catalunha no âmbito da Espanha é singular. Sabe-se grosso modoque as suas especificidades culturais e, sobretudo, linguísticas, fazem com que seja difícil considerá-la como mais uma região, ou seja, como aquilo a que ela foi reduzida pela política oficial durante os anos do franquismo (1939-1975). Essas …

por em

Sempre dá para se entender

Em 1989, Claude Thélot, que presidia a comissão de debate sobre o futuro da escola na França, entregou ao então ministro da Educação, François Fillon, um relatório no qual ele preconizava a aprendizagem obrigatória do “inglês de comunicação internacional” a partir do segundo ano do curso médio, ou seja, dos oito anos de idade. Prudente, …

por em

Adorno e o alemão.

O que mais compartilho com Theodor Adorno1 talvez seja o seu amor pela língua, e até mesmo uma espécie de nostalgia por aquilo que, aliás, terá sido a sua próprialíngua. Uma nostalgia originária, que não esperou pela perda histórica ou efetiva da língua, uma nostalgia congênita que tem a idade do nosso corps-à-corpscom a língua …

por em

A serviço do pluralismo cultural

A guerra sempre representa uma derrota do pensamento. Se quisermos organizar as relações entre as diferentes sociedades e culturas por meio de estratégias que fujam da lógica dos conflitos de civilização, com o intuito de construir a paz, nada é mais urgente do que dimensionar a realidade atual. Quanto mais o político e o econômico …

por em

Línguas e Identidades

A língua é o que permite a comunicação entre os homens; utilizando-a vamos criando pontes entre os indivíduos e distintas culturas. É através da língua que construímos representações sobre o nosso mundo, interpretamos o que nos acontece, criamos cultura e identidades. A riqueza das múltiplas e distintas experiências da existência humana é expressa e registrada …

por em