Duas décadas de guerra por nada - Le Monde Diplomatique

AFEGANISTÃO: O FRACASSO E O CAOS

Duas décadas de guerra por nada

Edição 170 | Afeganistão
por Martine Bulard
1 de setembro de 2021
compartilhar
visualização

As imagens de civis se agarrando a aviões norte-americanos para deixar Cabul e de talibãs instalando-se no gabinete presidencial ficarão para sempre como símbolos de uma guerra invencível. Os insurgentes chegaram ao poder depois de uma campanha-relâmpago porque souberam se instalar no país (pág. 14). Exausta após décadas de guerra, a população almeja a paz, como testemunha nosso enviado especial (pág. 26); de seu lado, os países vizinhos apressam-se a negociar (pág. 28). O balanço humano, financeiro e democrático é devastador e inapelável (abaixo)

Nunca um país mereceu tanto seu epíteto – “cemitério dos impérios” – do que o Afeganistão. Depois de expulsar os mongóis e os persas, ele botou para correr de seu território o império britânico no século XIX, o soviético no século XX e o norte-americano no século XXI. Os Estados Unidos, ao fim da guerra …

Conteúdo apenas para Assinantes



Artigos Relacionados

DIREITO À CIDADE

Os desafios da precarização do trabalho e o avanço da nova informalidade nas metrópoles

por Vários autores
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Brasis no Catar: primeiro carnaval, primeiro pelourinho também

por Helcio Herbert Neto
SEGURANÇA ALIMENTAR

Entre o consignado e a fome: tumultos e cozinhas solidárias

Online | Brasil
por Denise De Sordi
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

A democracia na mira das plataformas digitais

Online | Brasil
por Aline Souza, Nataly Queiroz e Sheley Gomes
RESGATE DE IDENTIDADE E HONRA DE UMA ETNIA PERSEGUIDA

Justiça retributiva e vingança

Online | Mundo
por Felipe Labruna
ENTREVISTA

Editor do Wikileaks: 'o jornalismo está sob grave ameaça'

Online | Mundo
por Carolina Azevedo
A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil