Em 2030, teremos várias potências globais - Le Monde Diplomatique

O DOMÍNIO AMERICANO CHEGOU AO FIM

Em 2030, teremos várias potências globais

por Robert Muggah
12 de janeiro de 2017
compartilhar
visualização

Longe de sofrer um declínio em hard power, os maiores estados nacionais continuam reforçando suas capacidades militares. A lista dos dez países que mais gastaram com defesa em 2015 inclui Estados Unidos, China, Rússia, Índia, Japão e AlemanhaRobert Muggah

O cenário político mundial em 2030 terá uma aparência consideravelmente diferente. As nações continuarão a ser os atores centrais. Mas não haverá uma força hegemônica única, e sim algumas – as principais serão Estados Unidos, Rússia, China, Alemanha, Índia e Japão, com tendências semi-imperiais. O poder estará mais amplamente distribuído por redes não estatais, inclusive as conservadoras. E enormes conurbações urbanas e suas periferias terão influência cada vez maior. A ordem mundial do pós-guerra, de pé desde a metade do século XX, está começando a desmoronar. Podemos prever um futuro de incerteza e instabilidade.

Os estados nacionais estão voltando. Os maiores estão expandindo ativamente seu alcance global, ao mesmo tempo em que reforçam suas fronteiras territoriais e digitais. Com o avanço de uma violenta ofensiva da política reacionária em todo o mundo, não há qualquer garantia de que esses vastos domínios e  territórios que gravitam em torno deles venham a se tornar mais liberais ou democráticos. Em vez disso, a mudança inexorável do clima, a migração mais intensa, o terrorismo, a desigualdade e a rápida mudança tecnológica vão aumentar definitivamente a ansiedade, a insegurança e, como infelizmente já podemos constatar, o populismo e o autoritarismo. Embora arranhado, o reinado de quatro séculos dos estados nacionais ainda persistirá por algumas décadas.

Mas não era para ser assim. Durante os anos 1990, estudiosos previram o declínio e o fim do estado nacional. Esperava-se que a globalização decretasse sua irrelevância. Com o aparente triunfo da democracia liberal, a disseminação do capitalismo de livre-mercado e a promessa de interferência mínima do Estado, Francis Fukuyama fez a famosa previsão do fim da história e, por extensão, do desaparecimento dos anacrônicos estados nacionais. Uma afirmação semelhante havia sido feita um século antes por Friedrich Engels, que previu o “definhamento do Estado” na esteira do socialismo.

O fim do Fim da História

As previsões revelaram-se exageradas. O fim da história não chegou e a democracia liberal não está em ascensão. Misha Glenny sustenta que “Fukuyama e outros subestimaram a arrogância ocidental e a ganância do capitalismo financeiro, fatores que contribuíram em 2008 para uma das mais sérias crises políticas e econômicas desde a Grande Depressão. Esses choques – ao lado de uma reação feroz contra a globalização – possibilitaram que modelos alternativos de governança se reafirmassem […], como a China e a Rússia por exemplo, mas também outros Estados na Europa […], e a consolidação de estados nacionais não liberais”.

Longe de sofrer um declínio em hard power, os maiores estados nacionais continuam reforçando suas capacidades militares. A lista dos dez países que mais gastaram com defesa em 2015 inclui Estados Unidos, China, Rússia, Índia, Japão e Alemanha. Alguns destes – juntamente com grandes compradores de materiais bélicos como Israel e Arábia Saudita – estão claramente se preparando para participar de confrontos na próxima década. E não estão sozinhos. O gasto mundial com defesa vem aumentando regularmente desde o final dos anos 1990, superando o US$ 1,3 trilhão no ano passado. É bastante provável que essa tendência se mantenha nos próximos dez anos.

Esses mesmos Estados ainda vão dominar o cenário econômico. Estados Unidos, China, Alemanha, Índia e, em menor medida, Rússia tiveram alguns dos maiores PIBs de 2015. Se ajustados por paridade de poder de compra, o PIB da China supera o dos Estados Unidos, e o da Rússia também sobe nos rankings. É provável que esses países também continuem a ser os maiores produtores em 2030, ao lado de Brasil (se conseguir pôr ordem na casa), Canadá, França, Itália, México, Indonésia e outros. A menos que haja um enorme colapso do mercado global ou um conflito armado catastrófico (ambos agora mais plausíveis na esteira da vitória de Donald Trump), esses países continuarão a ditar o rumo dos assuntos internacionais.

Os estados nacionais, não são, evidentemente, a única forma de organização político- econômica. Eles estão perdendo terreno para modos alternativos de governança, poder e influência. A quarta revolução industrial está acelerando essa mudança. Como explica Anne-Marie Slaughter, “os estados nacionais são o mundo do tabuleiro de xadrez, da geopolítica tradicional […] [mas a] web é o mundo das redes empresariais, cívicas e criminais que recobrem e complexificam o jogo jogado pelos estadistas”. Na visão dela, estadistas mulheres devem aprender a utilizar a web para mobilizar e articular o poder não-governamental da mesma forma com que o estadismo faz com o poder governamental.

Grandes regiões metropolitanas já estão fazendo frente a estados nacionais em termos de influência política e econômica. Tome-se o caso da Cidade do México, que dispõe de 100 mil policiais, uma força de segurança maior que os departamentos policiais de 115 países. Ou considere-se o orçamento anual de Nova York, de US$ 82 bilhões, maior que todo o orçamento nacional de 160 países. Enquanto isso, as populações de megacidades como Seul e Tóquio são maiores que a da maioria dos estados nacionais. Muitas cidades estão rapidamente forjando parcerias transnacionais e integrando infraestrutura energética, de transportes, de telecomunicações. E os cidadãos estão expressando novas formas de pertencimento à cidade, abarcando as esferas  física e digital, e desafiando a noção tradicional de identidade nacional.

 

Quatro ameaças ao estado nacional

A maioria dos estados nacionais continuará a existir nas próximas décadas. Eles serão, no entanto, tensionados de várias maneiras.

Em primeiro lugar, a redistribuição de poder entre um punhado de grandes estados nacionais está desorganizando profundamente a ordem global. Potências estabelecidas no século XX, como os Estados Unidos e a União Europeia, estão cedendo importância e influência para a China e a Índia, que apresentam crescimento mais rápido. Velhas alianças formadas depois da Segunda Guerra Mundial estão dando lugar a novas coalizões regionais na América Latina, na Ásia e na África. Embora essas reconfigurações reflitam alterações regionais políticas, econômicas e demográficas, elas também aumentam o risco de volatilidade, inclusive de guerra. Como explica Parag Khana, “grandes estados nacionais de dimensões continentais continuarão tentando controlar as cadeias de fornecimento nas áreas de energia e tecnologia, e estados menores precisarão agir em grupo ou arcar com as consequências de sua irrelevância”.

Em segundo lugar, a desconcentração de poder para fora dos estados nacionais está produzindo um nível paralelo de governança. Na verdade, os próprios estados nacionais estão estabelecendo enclaves legais e físicos para terceirizar funções essenciais, delegando-as a entidades privadas. Já existem mais de 4 mil zonas econômicas especiais registradas espalhadas pelo mundo – de zonas de livre comércio e processamento de exportações a portos livres e parques de inovação. Muitas das estabelecidas na China, Malásia, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos são consideradas relativamente bem-sucedidas, enquanto outras – em especial zonas na África e no Sul da Ásia que foram estabelecidas de forma muito rápida – tiveram pior desempenho. Esses para-estados fundem deliberadamente interesses públicos e privados e põem à prova a capacidade de controle da soberania estatal.

Em terceiro lugar, estados nacionais e para-estados serão pressionados por redes descentralizadas de atores e coalizões não estatais, muitas delas possibilitadas pelas novas tecnologias da informação e comunicação. Grandes empresas multinacionais já estão bastante envolvidas na construção de políticas públicas nacionais. O mesmo se dá com organizações não governamentais, sindicatos, grupos religiosos e outros. Trabalhando de modo construtivo com o estado e não contra ele, essas redes digitais serão um teste decisivo para os estados nacionais. A disseminação de novas tecnologias renova as possibilidades para a democracia participativa, mas também pode acabar com ela. Eis as duas facetas da sociedade quantificada: traz vantagens e oportunidades extraordinários, mas também riscos que vão da eliminação de empregos de baixa qualificação a assustadoras novas formas de guerra, terrorismo e criminalidade.

Em quarto lugar, os estados nacionais estão vendo o poder ser devolvido às cidades. Em parte, o responsável por isso é o ritmo irrefreável da urbanização. O número de cidades de médio e grande porte é dez vezes maior que nos anos 1950. Hoje há 29 megacidades com 10 milhões de habitantes ou mais. Outras 163 cidades têm mais de 3 milhões de pessoas, e pelo menos 538 têm no mínimo 1 milhão. As cidades não mais apenas adotam normas, mas as criam. Está surgindo uma nova geração de prefeitos e literalmente centenas de coalizões municipais que vão garantir que nosso futuro nas cidades seja tema integrante das relações internacionais. Não é de se estranhar que a geografia do poder também esteja mudando: cidades competem cada vez mais entre si e com os países por água, comida e energia.

Saskia Sassen mostrou de forma convincente como o surgimento de cidades globais é gerado pela importância crescente da intermediação. Em The Global City, ela explica como a desregulação e a privatização de economias nacionais foram cruciais para a globalização de cidades durante os anos 1980 e 1990.  Isso, por sua vez, aumentou drasticamente a demanda por talentos altamente especializados e contribuiu para a hiper gentrificação, que os habitantes de Londres, Nova York, Xangai e Hong Kong conhecem tão bem. Todos esses acontecimentos alteraram fundamentalmente a tessitura da vida urbana, suscitando questões sobre a sustentabilidade dos estados nacionais.

Há uma enorme quantidade de desafios pelos quais os estados nacionais devem passar na próxima década e meia. Tendo sobrevivido por 368 anos, eles provaram ser uma forma extremamente resiliente de organização política, social e burocrática. Mas, dadas a escala e a gravidade dos desafios globais – e a paralisia de nossas instituições nacionais e multilaterais –, podem estar se tornando obsoletos e hostis à sobrevivência coletiva da humanidade.

A possibilidade de que os estados nacionais mais poderosos se tornem reféns de interesses bairristas e protecionistas está mais presente do que nunca. Por outro lado, as redes de cidades e da sociedade civil constituem fortes centros político-econômicos de e  e poder. A questão é se elas vão cumprir a função de canais de ação coletiva para dar conta das ameaças do futuro.

Robert Muggah, diretor de pesquisa do Instituto Igarapé

*Com contribuições de Anne-Marie Slaughter, Saskia Sassen, Misha Glenny e Parag Khana.

 

 



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti