Em tempos sombrios, vamos falar de saúde mental

PELA SUPERAÇÃO DO MODELO CONSERVADOR

Em tempos sombrios, vamos falar de saúde mental

por Rachel Gouveia Passos
18 de outubro de 2021
compartilhar
visualização

Não dá mais para camuflarmos o sofrimento e o adoecimento psíquico e sua relação com as determinações sociais

Em 10 de outubro comemoramos o Dia Mundial da Saúde Mental. Já em setembro tivemos a campanha nacional de prevenção ao suicídio, conhecida como “setembro amarelo”, que vem ganhando espaço e tem como objetivo sensibilizar a sociedade para a valorização da vida. Além disso, no corrente ano, a Lei 10.216/2001 – conhecida como a Lei da Reforma Psiquiátrica brasileira – completou vinte anos e o Movimento Nacional da Luta Antimanicomial (MNLA) fará, em dezembro, 36 anos.

Apesar das múltiplas e diferentes movimentações do campo da saúde mental nunca foi tão urgente abordarmos o tema. Podemos dizer que a pandemia de Covid-19, aliada ao agravamento da conjuntura política brasileira, trouxe para a cena uma pauta silenciada. Outrora, o assunto restringia-se ao circuito dos especialistas e, hoje, ele ganhou espaço nas mídias e redes sociais de todos os tipos. Ou seja, não dá mais para camuflarmos o sofrimento e o adoecimento psíquico e sua relação com as determinações sociais.

Considero importante a proliferação do tema, porém com ressalvas. O capitalismo recria-se cotidianamente incorporando pautas e reinvindicações de diferentes grupos e ressignificando-as para gerar mercadoria e lucro. A banalização da vida, a naturalização do sofrimento e a intensificação do adoecimento são estratégias para a perpetuação da exploração e das opressões de gênero, raça/etnia, sexualidade. Inclusive, Karl Marx, no livro Sobre o suicídio (Boitempo, 2006), apresenta três casos de suicídios cometidos por mulheres relacionados as expressões da violência patriarcal.

Entretanto, precisamos compreender as múltiplas concepções de saúde mental que estão em disputa e representam diferentes projetos políticos e econômicos. Não podemos nos permitir a ingenuidade, uma vez que a produção de doenças e adoecimento não está restrita aos olhares e atenção do campo da saúde mental. O controle dos corpos e subjetividades de mulheres, pobres, negros, LGBTs e usuários de drogas sempre perpassou a patologização, medicalização e institucionalização, o que vem sendo atualizado, inclusive, pela suposta “guerra às drogas”.

Historicamente temos uma proposta conservadora que entende o hospital psiquiátrico, a internação, o isolamento e a centralidade do saber e poder médico como base para o tratamento. Tal concepção segue aliada ao avanço do crescimento da patologização da vida e da medicalização dos corpos. A naturalização do uso de psicotrópicos, principalmente, sem acompanhamento especializado, está aliada aos interesses econômicos da clássica “indústria da loucura” que só se atualiza. De acordo com o Conselho Federal de Farmácia, as vendas de antidepressivos e estabilizadores de humor tiveram um crescimento de 13% nos primeiros cinco meses de 2021, além do uso indiscriminado de paracetamol para alívio de febres e dores após a vacinação contra a Covid-19, conforme nos alerta a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

mental
(Foto: Elina Krima/ Pexels)

Esse projeto conservador segue em curso no país, e, atualmente, dá a direção da Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Ao mesmo tempo vinculou-se a outro projeto que estava em silêncio até o final da segunda gestão do governo Lula: a proposta das comunidades terapêuticas (CTs). Inauguradas no país no final dos anos 1970, só em 2010 elas começaram a ocupar espaços institucionais políticos e, nos últimos anos, conquistaram editais de financiamento público para sua expansão. Tal modelo de tratamento objetiva atender pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas baseadas no tripé laborterapia, disciplina e espiritualidade. Conforme explicita o relatório do Ipea Perfil das Comunidades Terapêuticas brasileiras, a religião está demasiadamente presente nas 83.530 vagas das instituições analisadas, sendo 40.793 cristãs, 21.461 católicas, 5.327 outras religiões não citadas e 15.918 não possuem orientação religiosa.

Já o terceiro projeto é aquele defendido pela Reforma Psiquiátrica brasileira. Tal proposta emerge no bojo do processo de democratização ganhando fôlego e institucionalidade no início dos anos 1990. De 1992 a 2015, antes do golpe parlamentar, tínhamos coordenadores da Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas que coadunavam com os princípios da Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial. Cabe destacar que não é possível homogeneizar o posicionamento dos grupos, entidades, sujeitos e coletivos que compõem o campo, contudo, a diretriz central que nos unifica é a superação do modelo conservador de saúde mental. Dessa forma, compreende-se que o aparato manicomial faz parte das estratégias de contenção dos corpos e subjetividades considerados desviantes e anormais.

Desde o início do atual governo a Política Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas sofre com a intensificação dos ataques e retrocessos. Nos primeiros dois meses da gestão de Jair Bolsonaro, a coordenação nacional publicou uma nota técnica que apresentava a suposta necessidade de ampliação de leitos psiquiátricos, financiamento de eletrochoque, internação de crianças e adolescentes e ampliação das comunidades terapêuticas. Já, no final de 2020, o governo propôs um “revogaço” de mais de cem portarias que sustentam a Reforma Psiquiátrica brasileira.

Nesse caminho, afirmamos que abordar saúde mental é falar de vida. Em outras palavras, a negação das possibilidades de realizar escolhas concretas e subjetivas ocasiona sofrimento e pode levar ao adoecimento. Não ter um salário digno, condições de moradia e saneamento básico, alimentação adequada, transporte público, lazer e cultura, saúde, educação etc. impacta na existência dos indivíduos podendo ocasionar tristeza, angústia, insônia, irritabilidade, ansiedade e outros sentimentos que prejudicam o bem-estar em sua integralidade. Portanto, em tempos sombrios nada mais relevante do que retomarmos estratégias de cuidado em saúde/saúde mental para a promoção de ações coletivas de resistência. Afinal, de qual saúde mental interessa falar?

 

Rachel Gouveia Passos é assistente social, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Política Social da Universidade Federal Fluminense e autora e organizadora de algumas obras sobre saúde mental e as relações de gênero, raça e classe.



Artigos Relacionados

REPORTAGEM ESPECIAL - Parte II

“Essa região nossa, não sei não se vai resistir”

Online | Brasil
por Liana Coll
Mídia e Justiça

Como o Twitter respondeu às candidaturas lavajatistas?

Online | Brasil
por Grazielle Albuquerque
REPORTAGEM ESPECIAL – PARTE 1

Exploração do Pantanal tenta varrer comunidades tradicionais do mapa

Online | Brasil
por Liana Coll
JUSTIÇA E SISTEMA CARCERÁRIO

O que nós, juízes, deveríamos saber sobre a prisão

Online | Brasil
por João Marcos Buch
VALE DO FUTURO

Projeto do Estado de SP vai entregar 25 áreas florestais à iniciativa privada

Online | São Paulo
por Maiara Marinho
CENTRÃO

Lira, Bolsonaro, Mussolini e a separação de poderes

Online | Brasil
por Marcel Mangili Laurindo
INSTRUMENTALIZAÇÃO

A revogação da Lei de Segurança Nacional e os novos crimes contra o Estado Democrático de Direito

Online | Brasil
por Lilian Assumpção Santos
Guilhotina

Guilhotina #143 - Rejane Carolina Hoeveler