Estudantes retomam um ícone - Le Monde Diplomatique

HÁ 40 ANOS, O GOLPE CONTRA ALLENDE

Estudantes retomam um ícone

por Camila Vallejo Dowling
2 de setembro de 2013
compartilhar
visualização

Em setembro de 2011, os estudantes chilenos, apoiados por grandes parcelas da população, se revoltaram contra o custo exorbitante da educação superior. E encerraram um longo período de negaçãoCamila Vallejo Dowling

Durante muito tempo, as forças progressistas chilenas trataram a figura de Salvador Allende como um ícone. Ressaltavam suas qualidades pessoais e humanas, louvavam sua atitude heroica na ocasião do golpe de Estado de 11 de setembro de 1973, lembravam-se dele como o chefe de Estado que morreu com as armas em punho. Celebrações como essas, contudo, nublavam as ambições – e conquistas – do governo da União Popular (UP), uma coalizão que juntava de comunistas a sociais-democratas.

Assim, as manifestações estudantis de 2011 – as mais importantes do Chile desde o retorno à democracia em 1990 – e a emergência de numerosos movimentos sociais (sindicatos, ecologistas etc.) por todo o país1 chacoalharam a esquerda. Trouxeram à ordem do dia a necessidade de transformações estruturais profundas e da ampliação dos horizontes daquilo que é possível exigir: não somente uma educação “gratuita e de qualidade”, mas também os meios de obtê-la, como a reforma tributária, a renacionalização do cobre e, principalmente, o fim do modelo neoliberal inscrito na Constituição de 1980 – aprovada durante a ditadura pela convocação de uma assembleia constituinte. Novamente, as representações de Allende tomaram as ruas. Mas, dessa vez, não se tratava de louvar um ícone: os manifestantes afirmavam se reconhecer no projeto político que o líder encarnava e ainda encarna.

Allende chegou ao palácio presidencial La Moneda em 1970, após três tentativas eleitorais fracassadas. Militante socialista, sempre trabalhou pela convergência das forças populares opositoras às forças imperialistas e à oligarquia. Em uma América Latina dilacerada pelas guerrilhas, Allende propunha uma “via pacífica” em direção à transformação social, enquanto seu próprio partido, logo depois do Congresso de Chillán, em 1967, abria mão da via institucional pela luta armada.

Essa visão distinguiu Allende e permitiu-lhe iniciar um ambicioso programa político: “Triunfamos com a missão de expulsar definitivamente a exploração imperialista, acabar com os monopólios, realizar uma reforma agrária profunda e digna desse nome, controlar o comércio de importação e exportação e nacionalizar o crédito. Esses pilares sustentarão o progresso do Chile, criando o capital social capaz de impulsionar nosso desenvolvimento”, declarou no palanque da Federação dos Estudantes da Universidade do Chile por ocasião de sua vitória.

Os mil dias da UP constituem, ao mesmo tempo, um processo inédito de abertura política e um grande sacrifício para o povo chileno. Durante esse período, partidos políticos, sindicatos, cordões industriais (órgãos autogestionados por trabalhadores) e comitês de abastecimento e controle de preços (Juntas de Abastecimiento y Precios, JAP) uniram forças para fazer eclodir um poder popular capaz de responder às tentativas de desestabilização do país por parte do capital estrangeiro e dos interesses imperialistas.

A experiência da UP não fracassou: foi interrompida. E a figura de Allende não é a de um presidente idealista que deixou como legado um processo político condenado. O ex-presidente representa a audácia política de afirmar a modernidade do projeto de transformação revolucionária da sociedade não somente no Chile, mas em todo o continente. Grande parte da América do Sul tomou essa audácia emprestada, ainda que em outro contexto, marcado por outras relações de forças geopolíticas. Cada avanço dos governos progressistas os aproxima cada vez mais de Allende.

BOX:

Cronologia

 

4 de setembro de 1970

Candidato da Unidade Popular (UP), Salvador Allende é eleito presidente do Chile com 36,3% dos votos.

22 de outubro de 1970

Tentativa de sequestro do general legalista René Schneider, que não resiste aos ferimentos.

26 de outubro de 1970

A eleição é ratificada pelo Congresso.

4 de novembro de 1970

Allende assume e põe em prática as “quarenta medidas do governo popular”.

15 de julho de 1971

Nacionalização do cobre.

Dezembro de 1971

Primeira grande mobilização das “panelas vazias”, orquestrada pela direita.

Outubro de 1972

Graças à mobilização popular e aos esforços empregados, a crise é superada. Allende inicia um giro mundial que o levaria à tribuna das Nações Unidas para denunciar os ataques ao seu governo, notadamente pelos Estados Unidos.

Março de 1973

A UP obtém 43,4% dos votos nas eleições legislativas.

Junho de 1973

Nos Estados Unidos, o Relatório Church revela as atividades desestabilizadoras da Internacional Telephone & Telegraph (ITT) e da Agência Central de Inteligência (CIA) no Chile. No dia 29 de junho, um regimento de artilharia se rebela e toma o palácio do governo: é o tanquetazo (com tanques e outros veículos pesados), ação que teria servido como um ensaio…

Agosto de 1973

A Democracia Cristã denuncia a natureza “inconstitucional” do governo da UP.

11 de setembro de 1973

Golpe de Estado conduzido por Augusto Pinochet, com o apoio de Washington.

Camila Vallejo Dowling é vice-presidente da Federação dos Estudantes da Universidade do Chile (Fech) 2011-2012. Blog: camilavallejodowling.blogspot.fr



Artigos Relacionados

Qual é o plano?

A guerra às drogas precisa parar. Os presidenciáveis estão preparados para essa conversa?

por Juliana Borges
O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

Cozinhas Populares apontam caminhos para a soberania alimentar

por Campanha Periferia Viva
AUDIOVISUAL

Kleber Mendonça Filho: “O que é a cultura no governo Bolsonaro? Não é”

Online | Brasil
por Carolina Azevedo
DEUS, PÁTRIA E FAMÍLIA

Qual o futuro do bolsonarismo?

Online | Brasil
por Vários autores
O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

A história que o agro não conta: violência, fome e devastação

por Mariane Martins
DEUS, PÁTRIA E FAMÍLIA

Estratégias discursivas do candidato Bolsonaro

Online | Brasil
por Vários autores
ELEIÇÕES PARA O SENADO

O sprint de Damares Alves

Online | Brasil
por Marina Basso Lacerda

Juventudes com sonhos atacados vai às urnas

Online | Brasil
por Lucas Louback Silva