Fome aumenta na América Latina - Le Monde Diplomatique

EXPORTAÇÕES DE ALIMENTOS BATEM RECORDES

Fome aumenta na América Latina

por Jill Langlois e Jorgelina Hiba
13 de outubro de 2022
compartilhar
visualização

Famílias vulneráveis são pegas num “paradoxo”: a insegurança alimentar cresce junto com a produção de commodities na região

Faz quatro dias que Mariana Cristina Lourdes Moreira não consegue comer direito. Quando ela e seus três filhos pequenos moravam em Santo Antônio de Posse, cidade rural de 23 mil habitantes a cerca de duas horas de São Paulo, a fome estava sempre em sua cola. Moreira, hoje com 25 anos, fazia dinheiro colhendo laranjas em uma fazenda próxima. Em seus melhores dias, ela enchia sete caixas em um turno de dez horas, para o qual ganhava R$ 14 – ou R$ 294 por mês. Com um aluguel de R$ 450, não era nem de perto o suficiente.

Mariana Moreira conta com um centro comunitário em São Paulo para alimentar sua família. Em 2020, quase 40% das pessoas na América Latina sofreram insegurança alimentar moderada ou grave. (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

Ela já tinha morado em São Paulo, mas teve que voltar para casa para ajudar sua mãe a cuidar de seu irmão, que tem uma deficiência. Quando olhava para trás, de seu tempo na cidade, Moreira lembrava como algumas pessoas haviam sido gentis e dispostas a ajudar. Assim, à medida que a fome se tornava mais regular em sua casa, e quando ela não suportava mais enxugar as lágrimas das bochechas de seus filhos, ela raspou o dinheiro suficiente só para tomar o ônibus de volta para São Paulo.

Mariana Moreira: “Não importa o que eu faça, a fome está sempre lá”. (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

Agora, sentada na mesa de um refeitório no Centro Comunitário São Martinho de Lima, ela retira a casca de uma manga para sua filha de 6 anos, Eloá. Seus outros filhos – Eloísa, de 4 anos, e Kaleb, de 2 anos – mastigam pão e bebem leite achocolatado enquanto esperam por ajuda. Uma vez alimentados, Moreira faz sua refeição.

Aqui no centro comunitário, um grupo de voluntários liderado pelo Padre Júlio Lancellotti – que apoia pessoas sem teto e com fome – serve café da manhã sete dias por semana para setecentas a mil pessoas, incluindo Moreira, Eloá, Eloísa e Kaleb. Para o almoço, é uma multidão ainda maior.

Alguns que vêm para as refeições gratuitas têm lutado contra a insegurança alimentar durante a maior parte de suas vidas. Outros recentemente se tornaram parte dos mais de 33 milhões de pessoas no Brasil que agora passam fome, depois que a pandemia deixou 377 pessoas desempregadas por hora, somente em seu primeiro ano, e o custo crescente dos alimentos tornou quase impossível sustentar suas famílias.

Padre Júlio Lancellotti distribui café da manhã para pessoas desabrigadas e vulneráveis no Centro Comunitário São Martinho de Lima, na zona leste de São Paulo (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

“Agora só posso comprar metade do que costumava”, diz Moreira. “Muitas vezes tive que colocar as coisas de volta no caixa porque eu não tinha dinheiro suficiente.”

E isso não está acontecendo apenas no Brasil. Em toda a América Latina, famílias estão lutando para colocar alimentos na mesa, apesar do aumento da produção e exportação de commodities da região que alguns dizem “alimentar o mundo”. Depois de tirar lentamente sua população das garras da fome nos últimos quinze anos, a América Latina foi, mais uma vez, engolida pela insegurança alimentar, já que a pandemia, a guerra na Ucrânia e os eventos climáticos extremos mais frequentes pesam muito sobre o que acaba nos pratos das pessoas.

 

Pandemia aumenta a fome

Quando a pandemia de Covid-19 começou em 2020, quase 3,1 bilhões de pessoas em todo o mundo não tinham condições de ter uma dieta saudável. De acordo com o relatório State of Food Security and Nutrition in the World, publicado este ano pela ONU, 117,3 milhões dessas pessoas estavam na América Latina. Isso representa 21% da população da região, e 6,9% a mais do que no ano anterior.

E como os alimentos continuam a se tornar cada vez mais inacessíveis – o relatório observa que o custo de uma dieta saudável aumentará novamente à medida que os preços dos alimentos subirem em 2022 – espera-se que a segurança alimentar e a nutrição adequada, duas questões que já afligem a região, percam ainda mais o controle.

AMP

Show more

Um total de 45,1 milhões de latino-americanos, ou 7,4% das pessoas que vivem na região, estavam subnutridos em 2020. Nesse mesmo ano, a prevalência de insegurança alimentar moderada e grave – falta de acesso físico, social e econômico a alimentos seguros e saudáveis – atingiu 37,5%. Em 2021, esses números saltaram novamente, atingindo 49,4 milhões de pessoas, ou 8%, e 38,9%, respectivamente.

Mas embora milhões de latino-americanos passem fome – ou estejam cronicamente subnutridos – muitos deles continuam a produzir alimentos para outros.

 

Banquete para o agronegócio

Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, entre outros países da região, continuaram a impulsionar a produção e a exportação de commodities nos últimos anos. No primeiro semestre de 2022, as exportações do agronegócio brasileiro, principalmente de carne, soja e café, totalizaram US$ 79,3 bilhões, um aumento de 29,4% e considerado um novo recorde para o semestre.

Esse crescimento tem sido atribuído principalmente ao aumento dos preços dos alimentos, significativamente afetados pela guerra na Ucrânia, pelo descontrole nas cadeias de produção e pela influência nos preços dos fertilizantes e da energia, bem como pelos efeitos da pandemia.

No Congresso Brasileiro do Agronegócio, de 2018, Alan Bojanic, então representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura no país, disse que o Brasil tinha “condições para ser o celeiro do mundo”, citando o crescimento positivo de seus mercados de grãos e carnes.

A exportação se tornou mais atraente para os produtores de commodities nos últimos anos, pois a desvalorização do real brasileiro trouxe mais competitividade fora do que dentro do país.

As exportações do agronegócio argentino também trazem mais dólares do que nunca. O relatório da Bolsa de Valores de Rosário (BCR), principal mercado agrícola do país, diz que a agricultura contribuiu com US$ 65 de cada US$ 100 exportados no primeiro semestre de 2022. No total, um recorde de US$22 bilhões foi trazido ao país nesses seis meses através da exportação de grãos, cereais e subprodutos.

Mas, como no resto da América Latina, a insegurança alimentar, a subnutrição e a fome continuam a crescer na Argentina.

Problemas estruturais, a inflação desenfreada que já atingiu 70% ao ano, a alta concentração do mercado na indústria alimentícia e uma macroeconomia fraca são apenas alguns dos fatores que ajudam a explicar como um país com tanta riqueza no agronegócio pode lutar para alimentar sua própria população.

“Produzimos alimentos para 400 milhões de pessoas, mas parece que nenhuma delas vive aqui, onde há cada vez mais pessoas pobres”, diz Enrique Martínez, coordenador do Instituto de Produção Popular. “É um grande paradoxo.”

 

Lares vulneráveis

Leidi Cuevas tem 29 anos, três filhos e um marido que acabou de perder o emprego. Ela vive no sudoeste da cidade de Rosário e, desde o início da pandemia, está a cargo de uma cozinha comunitária que antes servia duzentas famílias. Agora, ela fornece refeições para mais de seiscentas famílias.

Visitantes do Centro Comunitário São Martinho de Lima, em São Paulo, recebem alimentos. Com o aumento da insegurança alimentar no Brasil e países vizinhos, um número crescente de pessoas confia em cozinhas comunitárias (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

“Mais e mais pessoas estão chegando, facilmente dez ou quinze novas famílias por semana procurando um prato de comida ou algo para lanchar”, diz Cuevas, acrescentando que, agora que seu parceiro está desempregado, ela “sente na pele o que é não ter dinheiro para comprar comida”.

Para Cuevas, o preço dos alimentos “é uma loucura”. “A carne é um privilégio que nós não temos”, diz ela. “Quase nunca temos fruta, talvez laranjas, se nos derem alguma”.

Na cozinha comunitária, há duas panelas – uma de 100 e outra de 50 litros – cheias com arroz, macarrão, além de tomate enlatado. Quando dão sorte, servem frango.

“Me sinto impotente e triste, porque quando meu marido estava trabalhando, podíamos comprar o que queríamos”, recorda. “Agora tudo é muito mais difícil. Há desigualdade demais neste país.”

Mariana Moreira coloca seu colchão no espaço reservado para sua família em um acampamento em São Paulo. Ela economiza para pagar a estrutura de compensado (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

No Brasil, Moreira tem enfrentado desafios semelhantes. Quando não estava colhendo laranjas, ela fazia bicos na limpeza para tentar pagar as contas, mas não era o suficiente para manter a comida na mesa.

Agora que está de volta a São Paulo, ela tem menos preocupação que seus filhos passem fome, graças aos voluntários. Ela já reservou um lugar para os quatro viverem em uma comunidade de posseiros de cerca de cem pessoas, bastando atravessar a rua do centro comunitário.

“Há espaço suficiente para tudo o que precisamos”, diz Moreira, acrescentando que lhes foram doados colchões para dormir. “Agora só preciso comprar alguns pregos e economizar R$ 50 para pagar um dos homens de lá para me ajudar a erguer as paredes.”

Como uma mulher negra que trabalha em empregos informais e tem filhos, Moreira representa todos os setores da população mais afetados pela fome no país.

Padre Júlio Lancellotti e sua equipe chegam com comida ao Centro Comunitário São Martinho de Lima em São Paulo (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

De acordo com um estudo realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa sobre Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), a fome entre a população negra do Brasil aumentou 70% entre 2020 e 2022. O relatório, intitulado “Olhe para a Fome”, também destaca que os lares liderados por mulheres foram mais afetados do que os liderados por homens, com o percentual desses lares passando de 11,2% para 19,3% nos últimos dois anos.

Para os lares com crianças menores de 10 anos, a fome dobrou, atingindo 18,1% este ano. A fome também é maior nos lares onde o responsável está desempregado (36,1%), trabalha na agricultura em pequena escala (22,4%) ou tem um emprego informal (21,1%).

 

Bem-estar que não alivia a insegurança

Em São Paulo, Moreira passa o dia viajando no metrô da cidade, vendendo chicletes e doces aos passageiros nos trens lotados. Ela poderia se juntar aos muitos brasileiros que vendem produtos similares nos semáforos, mas se preocupa com a segurança de seus filhos nas movimentadas ruas da cidade.

Mariana e Kaleb na estação do metrô onde ela vende doces. Muitas pessoas pagam pelos doces mas não os levam, por isso muitas vezes sobram pacotes no final do dia para ela e seus filhos (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino) 

Algumas pessoas são gentis, diz ela, e lhe dão dinheiro extra quando veem as crianças. Um homem que ela conheceu lhe ofereceu para limpar três casas que ele planejava alugar. Emocionada por ter trabalho suficiente para pagar a instalação de sua casa, ela aceitou. Mas quando terminou, o homem lhe disse que não tinha dinheiro para lhe pagar. Ela saiu sem nada, sem saber como compensar o tempo que havia passado no trabalho não remunerado.

Moreira sonha em encontrar um emprego estável para que ela possa dar mais estabilidade a seus filhos. Atualmente ela recebe o Auxílio Brasil, de R$ 600 por mês, lançado pelo governo federal após o desmantelamento do Bolsa Família. Mas Moreira vive com um medo constante de que o benefício seja reduzido ou cortado.

“Ajuda com algumas coisas, como fraldas e outros itens para as crianças, mas ainda não cobre tudo o que elas precisam”, revela.

Kaleb anda de bicicleta no acampamento onde mora com sua mãe Mariana e duas irmãs mais velhas, em São Paulo (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

De acordo com o estudo da Rede Penssan, a insegurança alimentar moderada e grave cresceu nos últimos dois anos, mesmo para aqueles que recebem o benefício. Para 32,7% das famílias que têm acesso ao Auxílio Brasil e ganham menos da metade do salário mínimo do Brasil – de R$ 1.212 – por pessoa em sua casa, a fome ainda é uma realidade.

Para quem está na Argentina, não é diferente.

Victoria Clérici é uma das líderes de uma associação argentina de recicladores informais, um trabalho que, segundo ela, está se tornando cada vez mais popular e que é realizado atualmente por 300 mil pessoas em todo o país.

Carne e frutas, diz ela, são em sua maioria compras “impossíveis” para as pessoas que vivem nos bairros da classe trabalhadora da Argentina.

“Agora compramos os cortes mais baratos de carne, o que costumávamos dar aos cães”, afirma. “O frango é mais consumido porque é mais barato, então podemos pelo menos acrescentar algo ao guisado.”

Segundo Clérici, os bairros na periferia das grandes cidades argentinas sofrem muito mais com a inflação do que os setores mais abastados, pois têm menos acesso às grandes lojas que têm o suporte financeiro para oferecer promoções.

“É incrível, mas a comida nestes bairros às vezes é mais cara, não há tanta variedade e não há supermercados que possam vender coisas mais baratas”, compara, observando que o que a maioria das pessoas pode se dar ao luxo de comprar não é saudável. “Mesmo a comida que chega como ajuda estatal é toda seca e pobre em proteínas.”

No Brasil, itens em uma cesta básica típica – como arroz, feijão, massa, farinha e açúcar – também não fornecem refeições completas e saudáveis para aqueles que os recebem. Mas, para Moreira, a caixa seria uma ajuda bem-vinda.

Mariana caminha com Kaleb até a estação de metrô onde ela trabalha vendendo doces, em São Paulo (Imagem: Dan Agostini / Diálogo Chino)

Ela e seus filhos comem no centro comunitário todos os dias enquanto trabalham para economizar os R$ 50 que ela precisa para terminar de montar seu novo lar. Ela já está trabalhando para matricular suas duas meninas na escola agora que elas se mudaram (seu filho ainda é muito novo), e ela espera encontrar um emprego estável para poder colocar comida na mesa, deixando mais espaço no centro para outros que precisam da ajuda dos voluntários.

“Eu quero ficar por minha conta”, diz. “Sempre trabalhei muito, mas já não é mais o suficiente. Não importa o que eu faça, a fome está sempre presente.” (publicado originalmente em Diálogo Chino)

 



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa