A opção trágica e violenta pela não ruptura. Até quando?

A história de um povo pode e deve ser contada por vários olhares e sujeitos. Afinal de contas, são vários sujeitos políticos que interagem com interesses e olhares diversos. O fio condutor para entender nossa história pode ser o da não ruptura. Lembrando que entender a história é entender o presente, pois ela nos fala …

por em

Monstros, utopias esmaecidas e a unidade contra a putrefação do Estado

Numa certa parte dos seus Quaderni, Gramsci, do fundo do cárcere, lembrou aos seus camaradas – com uma parábola moral sobre o “libertinismo” – um aspecto essencial da hegemonia. Falava sobre aquela que é baseada mais na força do que na capacidade moral e política de dirigir. Disse ele: “quando a pressão coercitiva é exercida …

por em

Unidade, programa e bandeiras para enfrentar a crise

Com a chegada à Presidência da República de Jair Bolsonaro, expressão de uma corrente neofascista que se insurge contra a democracia e os direitos conquistados na Constituição de 1988, abriu-se o debate no campo progressista em relação à tática mais adequada para enfrentar os retrocessos em curso no país. A eleição de uma figura que …

por em

Um novo projeto de país não é uma escolha

A crise sanitária que atinge o Brasil e o mundo trouxe novos paradigmas para a existência humana. Como já dizia Milton Nascimento, “nada será como antes”. O Brasil ainda enfrenta um dos piores momentos da pandemia do novo coronavírus: atingimos a marca de 250 mil mortos no país, cidades decretam lockdown e hospitais entram em …

por em

Para seguir em frente

No debate sobre os caminhos de superação da catástrofe política na qual vivemos desde 2016, há algumas disjuntivas relevantes que dificultam constituir frentes com partidos e movimentos, em todos os sentidos. Uma dessas disjuntivas é sobre quem ou o que é o “inimigo principal”, se Bolsonaro, Bolsonaro e Mourão (a chapa) ou o bolsonarismo. Outra …

por em

Três ilusões e o caminho da derrota: notas sobre a conjuntura

Na história das organizações políticas da classe trabalhadora, em momentos de transição geracional e derrota estratégica, é comum uma “crise de criatividade”. Os dirigentes envelhecidos e desatualizados de novos métodos e táticas tendem a uma eterna repetição de formas de fazer política já consagradas – as quais, em outros momentos da história, deram resultados positivos, …

por em

Agir levando em conta a diferença para criar laços democráticos

Um dos aspectos cruciais do fascismo é sua concepção do que é o povo. Para os adeptos dessa ideologia, o povo é um conjunto homogêneo, sem conflitos, sem história. Essa é, certamente, a concepção de Bolsonaro sobre o povo brasileiro. E ela é uma abstração, uma proposta irreal. Ainda assim, quem não cabe nessa definição …

por em

O processo social não se resolve na disputa eleitoral quando não enseja a ruptura

A frente política finalmente se pôs de pé, no Congresso Nacional, mas puxada pela extrema direita, para dar sustentação ao seu governo. Não nasceu a sonhada frente democrática. A frente de esquerda segue ainda mais distante, como longe está a frente simplesmente oposicionista, visto lhe faltarem união, programa e rumo. A frente governista, porém, se …

por em

O desenvolvimento por meio de uma causa

O Brasil vive um momento diferente de tudo que já vimos. Em 1964, tínhamos uma ditadura que alijou a oposição, perseguiu, matou, torturou e implantou uma política de ódio baseado em falso nacionalismo. Um movimento autoritário visível; os tanques de guerras tomavam as ruas, os soldados andavam armados em nome da segurança nacional. A luta …

por em

Diante da tragédia, o movimento negro reage, em nome da maioria

Quando, em 18 de outubro de 2018, ocupamos o Teatro Oficina em São Paulo, com mais de mil pessoas para o debate “No país da escravidão, de que fascismo falamos?”,1 o combinado foi o seguinte: “Temos de operar um milagre nesta semana e meia. Temos de derrotar Bolsonaro nas urnas. E depois, se tudo der …

por em