Intimidação, racismo e violência contra imigrantes e refugiados no Brasil - Le Monde Diplomatique

DIREITOS HUMANOS

Intimidação, racismo e violência contra imigrantes e refugiados no Brasil

por Willians de Jesus Santos
16 de maio de 2016
compartilhar
visualização

Toda essa violência presente nos atuais processos de deslocamento para o país tem uma base política, cultural e racista histórica. A estética da morenidade foi até pelo menos a década de 1930 o modelo político que pautou as imigrações.Willians de Jesus Santos

No dia 16 de abril, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) publicou em nota em que dizia que iria prender e deportar estrangeiros que se manifestassem politicamente no Brasil.

A iniciativa seguia “suspeita” da Polícia Rodoviária de que, entre “bolivianos” viajando para Goiás no dia anterior à votação do impeachment na Câmara dos Deputados, alguns tentariam chegar até Brasília para apoiar atos contra o golpe na presidenta Dilma Rousseff. Havia suspeita também de que venezuelanos e paraguaios entrariam no país para o mesmo propósito.

A legitimidade da deportação estaria no próprio Estatuto do Estrangeiro. Na visão da Federação, direitos políticos são os últimos a serem adquiridos por estrangeiros com visto de permanência, os turistas também não os possuem. Dessa forma, a ação dos suspeitos significaria uma ameaça ao Brasil, uma violação ao Estatuto do Estrangeiro e uma afronta às instituições de controle.1

Já em maio, uma professora da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais foi convocada para depor no dia 20. Ela é estrangeira e está militando em sindicatos e partidos políticos no território nacional, conforme Ofício n. 2827/2016 entregue à Reitoria da universidade.2

Nos dois episódios ficou evidente não somente inexistência de direitos políticos para refugiados e imigrantes, mas o uso estratégico do Estatuto a fim de intimidá-los sob a retórica da segurança nacional. Esses casos não estão fora de certa ordem histórica institucional dada a diversidade cultural no Brasil pautada pela racialização das migrações, criminalização de populações e a securitização.

 

Securitização da migração e do refúgio

O próprio Projeto de Lei de Migração (PL 2516/2015), de autoria do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) e que atualmente tramita na Câmara, é questionado e apontado por ativistas ligados à causa dos direitos dos migrantes e refugiados tendo semelhança ao Estatuto do Estrangeiro, o qual já recebia críticas. No Estatuto há a concepção de que migração é um problema de segurança nacional, quando deveria ser tratada enquanto um direito.

No PL 2516, o possível fechamento do Conselho Nacional de Imigração (CNIg), como apontam, mantém esta criminalizaçãodo deslocamento na medida em que defere à Polícia Federal a responsabilidade de gestão da alteridade3 e possibilita violação de direitos humanos, pois dá amplos poderes à instituição de decidir quem ou não é legalautorizado, mantendo a lógica de securitizaçãoda migração.4

Outro caso de criminalizaçãosecuritização do deslocamento pode ser observado na representação sobre o solicitante de visto de refúgio. Quem concede, rejeita ou denega o visto é o Comitê Nacional para Refúgio (Conare) com base na Lei 9474. O refugiado é entrevistado e julgado pelas instituições, a qual lhe cabe a tarefa de “conferir” a história deste indivíduo e reduzi-la a um campo no formulário. Nesta análise há, também, uma visão política da segurança nacional em relação à presença dos refugiados. Caso o órgão conceba que o solicitante de refúgio representa ameaça ao país, o visto é denegado.

Um caso recente de construção de criminalização e que pode ter um desfecho na ordem da securitização é a presença dos haitianos no Brasil. Cunha Ferraz5 denuncia que parlamentares ligados à Bancada da Bala no Congresso Nacional vêm atuando na Comissão de Segurança Pública e atribuindo essa população enquanto propagadora de doenças no país e de estar envolvida com possíveis crimes.

Outro problema tem a ver com as contradições das políticas de acolhida. Muitos migrantes e refugiados têm se encaminhado para centros de acolhida como o Centro de Referência e Acolhida ao Imigrante (CRAI),6 com capacidade de 110 leitos e criado pela Prefeitura de São Paulo; e a Casa de Passagem Terra Nova, do Governo do Estado de São Paulo, com capacidade de cinquenta leitos, também na capital paulista.7 Apesar de ser o resultado de reivindicações da sociedade civil, a incapacidade de acolhida da demanda faz muitos africanos e haitianos se descolocarem às ocupações de sem teto na cidade de São Paulo, como a ocupação do Hotel Cambridge da Frente de Luta por Moradia.8 Locais esses que se tornaram, tal como as praças públicas, os albergues e as periferias das grandes cidades, campos de refugiados ao estilo brasileiro.

 

Violência e racismo

A falta de políticas de moradia mais amplas se relaciona com o racismo difuso na sociedade civil brasileira. Muitos refugiados têm dificuldade em alugar casa na região central da cidade de São Paulo porque os proprietários não aceitam o RNE (Registro Nacional de Estrangeiros), além da exigência de fiador que muitos não têm. O preconceito nas imobiliárias é fator determinante, pois está implícita representação depreciativa em relação ao solicitante por originário de algum país africano ser suspeito de traficar, e a locação é negada. Assim, as periferias da cidade vão recebendo essas pessoas, pois lá a negociação é diretamente com o proprietário.9

A relação entre representantes de instituições do Estado e membros da sociedade civil em um mesmo caso de violência é comum. Em 2011, em Cuiabá, o estudante de economia Toni Bernardo, de Guiné-Bissau e da Universidade Federal do Mato Grosso, foi espancado e morto por três pessoas. Duas delas eram policiais militares e o outro era filho de um delegado aposentado. O início da agressão a Bernardo foi por ter esbarrado na namorada de um dos envolvidos em uma pizzaria da cidade.10

Em 2015, três angolanos foram espancados por policiais militares no bairro do Brás, em São Paulo. As agressões foram iniciadas com xingamentos de macaco a um dos angolanos por três homens que estavam em um táxi. Os dois grupos se envolveram em uma briga. Em seguida, os mesmos angolanos foram autuados pela Polícia Militar pelo motivo da briga, e a abordagem foi abusiva, com insultos, agressões físicas e torturas.11

Há situações de ação só de civis com evidente caráter racial. A mais trágica foi da estudante angolana Zulmira, de 26 anos, assassinada a tiros em um bar do Brás, na capital paulista, em 2012, por um homem que disparou contra ela e outros angolanos. Instantes antes houve uma confusão porque o assassino entrou no bar e xingou a todos de macaco.12

Por fim, a mídia é outro ator que contribui para o quadro de violência racial. Em agosto de 2013, a professora doutora em Direito Internacional da USP Maristela Basso foi chamada para comentar no Jornal da Cultura um impasse diplomático entre Brasil e Bolívia. Na oportunidade, ela afirmou que o país vizinho era insignificante em todas as perspectivas para o Brasil, acrescentando que os imigrantes bolivianos em São Paulo não contribuem para o desenvolvimento tecnológico, cultural e social do país.13 No mesmo ano, a mídia tomou posição em relação à entrada de médicos cubanos – não os únicos – contratados pelo Mais Médicos. Por meio de plataformas virtuais pessoais ou de artigos, classificaram as médicas cubanas como pessoas com cara de empregada doméstica,homens e mulheres como escravos do comunismo, indolentes, incompetentes e que foram trazidos em um avião negreiro.14

Outra ação, que não foi da mídia propriamente, mas de um conhecido programa de televisão, o Pânico na Band, o ator Eduardo Sterblitch se utilizou do black face, de grunhidos e gestos exagerados para interpretar, segundo diz no programa, o que para eles seria um africano.15

 

Inimigos internos e externos

Toda essa violência presente nos atuais processos de deslocamento para o país tem uma base política, cultural e racista histórica. A estética da morenidade16 foi até pelo menos a década de 1930 o modelo político que pautou as imigrações.

As políticas imigratórias até este período eram inspiradas no racismo, pois supunha como natural e hereditário a diferença e a desigualdade entre pessoas sendo a raça branca superior às demais. Inspirada no padrão de nação, civilização e capitalismo europeu e norte-americano, a miscigenação da população local com brancos europeus foi incentivada pelos governos da época como forma de modernização. A imigração no Brasil também sofreu com o racismo de marca, significando a atribuição da imoralidade e incivilidade à certos fenótipos exagerados de cor e origem depreciando o estigmatizado.

A construção da identidade nacional brasileira através da ideologia do sincretismo17 criminalizou as populações africanas escravizadas e seus descendentes, bem como, por certo tempo, as asiáticas. E hoje influenciam políticas de governança que priorizam a securitização, criminalizam protagonistas específicos – sejam eles migrantes indocumentados, inclusive solicitantes de refúgio, assim como prostitutas que estão no mercado internacional de trabalho –, ou, ainda, moradores de favelas e da periferia,18 além de que os imigrantes são tratados como raças perigosas.19

A intimidação da Polícia Federal citada no início deste artigo, cabe recordar, foi baseada no boato de que bolivianos iriam invadir o país. Já a segunda medida, ocorrida em Minas Gerais, fundamenta-se na afirmativa de que é preciso prestar esclarecimento às ações da professora, vista como desviante. Contudo, o modelo de suspeito padrão no caso dos imigrantes e refugiados já é perceptível nos estereótipos presentes nas narrativas cotidianas de brasileiros ou da mídia local, concretizando-se como violência nos espancamentos, tentativas de homicídio, abuso de autoridade ou omissão institucional e estratégias para exclusão social segundo a lógica do inimigo interno e externo, as quais traduzem a existência de problemas sociais que não são transformados.

Revela, por um lado, um contexto sociopolítico de racialização da vida coletiva, e de outro, atos e vontades contraofensivos da sociedade civil brasileira, suas instituições, desejosos em impor a subjugação a partir de ideologias nacionalistas baseadas em termos de raça, cultura e no campo da política de segurança nacional: caracterizados como criminosos comuns e sujeitos a prisões, deportações, mortes nas fronteiras e assassinatos, são expelidos da ordem social e econômica e formam a massa de seres descartáveis pelo capitalismo corporativo contemporâneo, não sendo sequer considerados humanos.

Willians de Jesus Santos é mestre em Sociologia pela Unicamp e pesquisador da Fapesp.



Artigos Relacionados

O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

Por que a reforma agrária não acontece?

O AGRO NÃO PRODUZ COMIDA, PRODUZ FOME

Por que podemos dizer que agro é fome?

por Yamila Goldfarb
O agro não produz comida, produz fome

As doenças do capitalismo e a luta contra o agronegócio

por Allan Rodrigo de Campos Silva
OPINIÃO

Por que Lula? Nem caserna, nem casa-grande

Online | Brasil
por Berenice Bento
AMAZÔNIA OCUPADA #3

Madeira da Amazônia: normas avançam, mas só 10% da extração é regular

Online | Brasil
por Felipe Betim
CHILE – LIÇÕES DE UMA DERROTA

Jogar o jogo: nove parágrafos para uma nova força transformadora

por Jorge Arrate
O RETUMBANTE TRIUNFO DO REJEITO NO PROJETO CONSTITUCIONAL

No Chile, o futuro que nos escapou

por Álvaro Ramis
QUAL É O PLANO?

Programa de Bolsonaro quase assume a responsabilidade pela tragédia na educação

por Antonio Carlos Souza de Carvalho