Mbappé e Lukaku - Le Monde Diplomatique

COPA DO MUNDO

Mbappé e Lukaku

10 de julho de 2018
compartilhar
visualização

De origem africana, os craques Romelu Lukaku e Kylian Mbappé protagonizam a disputa de semi-final da copa do mundo de futebol ao mesmo tempo que expõe o colonialismo dos países que defendem

 

O jogo desta terça-feira entre Bélgica e França coloca também em confronto os dois maiores jogadores da Copa do Mundo até agora: Romelu Menama Lukaku Bolingoli e Kylian Mbappé Lottin . Ambos são descendentes de famílias originárias de países que foram colonizados, do continente africano.

Mbappé, da seleção francesa, tem ascendência camaronesa por parte de pai (Wilfried Mbappé). O país foi colonizado por alemães no século 19 e dividido entre Reino Unido e França após a Primeira Guerra Mundial. A luta pela libertação do Camarões, comandada pelo grupo UPC (Union of Cameroonian Peoples), custou centenas de milhares de vidas nos anos de 1950. Já sua mãe, Fayza Lamari (ex jogadora de handebol), é originária da Argélia, nação norte-africana também vitimada pela cruel colonização francesa.

O atacante da Bélgica Lukaku, por sua vez, tem origem em família da República do Congo. O país já foi o centro de uma das maiores civilizações da história da humanidade, o Reino do Congo (século 15), com grandes conhecimentos em termos de metalurgia. Entre o fim do século 19 e início do 20, enfrentou a colonização belga, uma das mais genocidas da história da humanidade, com mais de 10 milhões de mortes.

Países ricos produziram (e produzem) a morte, a miséria e a guerra entre os países periféricos (especialmente na África, Ásia e América Latina). Mas estes mesmos países centrais estão sendo obrigados a lidar com os fluxos migratórios que originaram, junto a um endurecimento dos discursos racistas, xenófobos e classistas capitaneados pelo pensamento de extrema direita.

É preciso lembrar que em grande parte da história da humanidade foram povos e indivíduos da diáspora (migrantes e imigrantes) os responsáveis por sustentar o trabalho, assim como por grandes avanços nas ciências, nas artes e no pensamento humano como um todo.

Lukaku e Mbappé são, antes de tudo, uma resposta a um mundo atual que quer construir muros, não suportando as contradições geradas pelo próprio modelo excludente e assassino vivido pela humanidade. São feridas abertas, em campo, carregando os símbolos nacionais e mostrando a todas e todos um mundo que muitos preferem apagar da foto.

*Gabriel Barcelos é jornalista, doutor em Multimeios pela Unicamp e autor do blog CineMovimento (cinemovimento.wordpress.com).
Publicado originalmente no perfil do autor



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti