Mudar para sair da crise - Le Monde Diplomatique

EDITORIAL

Mudar para sair da crise

por Silvio Caccia Bava
1 de outubro de 2015
por Claudius
compartilhar
visualização

Silvio Caccia Bava

z9z995p9l9p89l4

Há centenas de milhares de pessoas como nós, no Brasil, preocupadas com a evolução da política e da economia, e profundamente decepcionadas com o desempenho do governo, do PT e da esquerda de maneira geral.

O ajuste neoliberal se aprofunda, ceifa empregos, fragiliza a indústria, desmonta a capacidade do Estado como indutor do desenvolvimento, corta políticas sociais e direitos antes considerados cláusula pétrea da Constituição, como recursos destinados à educação e à saúde. E o incrível é a baixa resistência dos trabalhadores e das forças políticas que os representam diante desse verdadeiro saqueio que o rentismo pratica sobre a riqueza produzida e os direitos sociais.

Não há utopia, não há futuro em discussão. Não há projeto de desenvolvimento para defender. A esquerda se cala. A política, enquanto disputa dos que não têm por uma maior parcela da riqueza produzida, deixa de existir em razão do silêncio dos que estão sendo despossuídos. E assim os cortes se aprofundam, e se desenha uma espiral, ladeira abaixo, de novos cortes nos orçamentos públicos, de novas ondas de destituição de direitos. As consequências não são sacrifícios necessários para botar a economia em ordem, como dizem quase todos os economistas. São uma política deliberada para rebaixar os custos da força de trabalho, para pauperizar as maiorias.

Para mudar o jogo é preciso ir para a rua. Mostrar o desacordo das maiorias com essas políticas de ajuste e fazer renascer a política como espaço de disputas por modelos alternativos de desenvolvimento.

Há saídas para a crise, como acaba de demonstrar um importante conjunto de mais de uma centena de intelectuais progressistas, que lançou, dia 28 de setembro, num debate público, um documento que mostra o que mudar para sair da crise.1 O Le Monde Diplomatique Brasil participa e apoia essa iniciativa. Você pode ter acesso ao documento integral em www.plataformapoliticasocial.com.

É preciso desarmar a armadilha recessiva e alterar critérios de monitoramento da economia, que hoje se pautam pela ortodoxia neoliberal e ignoram as questões sociais.

 

As principais propostas de curto prazo para sairmos da crise são:
1 –  PRESERVAR O EMPREGO E A RENDA

Adotar uma agenda pró-crescimento para a preservação do emprego e da renda dos trabalhadores, o que é crucial para estancar o retrocesso social, e para a consolidação de um mercado interno de consumo de massas capaz de sustentar o crescimento econômico e revigorar a arrecadação governamental.

 

 2-  BAIXAR OS JUROS

Os juros praticados no Brasil não têm nenhuma justificativa; seu aumento não combate a inflação, que não é de demanda; eles servem para remunerar capitais especulativos internacionais e nacionais, e travam toda a economia. Baixar os juros significa estimular as atividades produtivas, o emprego e a renda do trabalhador.

 

3 –  RECOMPOR A CAPACIDADE DE FINANCIAMENTO DO ESTADO

Para recompor a capacidade de financiamento do Estado há muito que fazer: rever a política de renúncias fiscais para setores empresariais (R$ 263 bilhões em 2014); combater a sonegação de impostos (R$ 1,12 trilhão em 2011); aumentar o peso da tributação direta e reduzir a tributação indireta; aumentar a progressividade da tributação direta; tributar lucros, dividendos, remessas de lucros para o exterior; extinguir a isenção de tributos sobre juros sobre o capital próprio; aumentar o imposto territorial rural; criar impostos sobre grandes heranças e grandes fortunas etc.

 

4 –   DESTRAVAR INVESTIMENTOS PÚBLICOS E PRIVADOS

Interessa estimular o avanço rápido dos investimentos em infraestrutura social, urbana, e logística, pois devem ser a grande chave de retomada do crescimento nos próximos anos, dado que o consumo estará limitado pela queda da renda já ocorrida até o momento. A rápida resolução das crises no setor de engenharia e petróleo e gás também é fundamental para a retomada do investimento.

 

5 –  FORTALECER O MERCADO INTERNO

A retomada do crescimento econômico e industrial permite a expansão das oportunidades de emprego qualificado, a continuidade da política de valorização salarial, a ampliação dos gastos sociais e o incremento das rendas das famílias. A expansão do mercado interno é fator fundamental para a impulsão do crescimento.

 

6 – PRESERVAR OS GASTOS SOCIAIS

Os gastos sociais, por seus efeitos multiplicadores, impulsionam o crescimento e reduzem as desigualdades de renda. Devem ser considerados investimentos, e não gastos. Investimentos sociais e serviços públicos não só são indispensáveis para garantir direitos, como também integram uma estratégia de retomada do crescimento.

Esse conjunto incompleto de proposições mostra um caminho para sair da crise. Mostra também que são os bancos e o setor financeiro os únicos que ganham com a situação atual. Mudar o jogo para sair da crise é buscar reunir uma ampla frente de entidades da sociedade civil para impor essas mudanças na política macroeconômica em proveito do Brasil.

Silvio Caccia Bava é diretor e editor-chefe do Le Monde Diplomatique Brasil.



Artigos Relacionados

Eleições

A política não cabe na urna

Online | Brasil
por Mariana de Mattos Rubiano
IMPACTOS DA CRISE E DA GUERRA NA ECONOMIA CHILENA

Surto inflacionário agrava a crise alimentar

por Hugo Fazio

Junho de 2022: o plano Biden para a América do Sul

Online | América Latina
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL

A reta final da Constituinte chilena

Online | Chile
por David Ribeiro
ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud