Palavra 13 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 13

por Rodrigo Gurgel
12 de janeiro de 2008
compartilhar
visualização

Janet Malcolm e a busca elusiva por Gertrude Stein
Os que conhecem a autora americana Janet Malcolm sabem que não encontrarão em Two lives – Gertrude and Alice, seu último livro, uma biografia no sentido estrito da palavra
Aqui

O ficcionista das ruas
João Antônio alega ter buscado firmar um compromisso com o leitor brasileiro, o qual procurou conhecer a fundo, a fim de desmistificar a sentença de que “não temos leitores”
Aqui

Huymans ensaísta
O que caracteriza o conjunto de ensaios de J. K. Huysmans é a alternância entre a militância inicial ao lado da pintura impressionista, dos salões dos independentes ou de vários artistas e o caminho religioso que o faria aproximar-se da pintura de Fra Angelico ou de Mathias Grünewald
Aqui

Animais distantes
O escritor é o leitor que acompanha detalhadamente cada passo de um texto e cabe a ele decidir os rumos ? mesmo que depois os encontre errados ? de sua criação
AquiRodrigo Gurgel

Nesta primeira edição de 2008, abrimos Palavra com a resenha de Marina Della Valle sobre o mais recente livro da controvertida Janet Malcolm, Two lives – Gertrude and Alice, uma compilação de três longos ensaios, originalmente publicados na New Yorker. Mais que um estudo da vida de Gertrude Stein e de sua amante, Alice Toklas, o livro é uma análise dos limites e das contradições do gênero biográfico.

Os contos de João Antônio, reunidos em Leão-de-chácara, passam pelo crivo de Cristina Betioli Ribeiro, para quem o escritor não teve receio de ir “às ruas constatar a realidade que gostaria de representar para enlaçar um público amplo, com todas as suas fissuras sociais”.

Pablo Simpson comenta os ensaios de J. K. Huysmans dedicados às artes plásticas. Escritos entre 1867 e 1905, os textos – cuidadosamente editados por Patrice Locmant, que também é biógrafo do escritor – foram reunidos no volume Écrits sur l?art, recentemente lançado na França. Para Simpson, J. K. Huysmans percorreu, “como um nômade ou um flâneur, boa parte da tradição pictórica européia”.

Renata Miloni fecha nossa 13ª edição decompondo a figura do escritor em duas unidades que se completam: o escritor-escritor e o escritor-leitor. Na opinião de Miloni, “os escritores são movidos pela leitura. Todos escrevem principalmente para ler ? mesmo que não seja algo que levem em consideração ? porque deles se origina algo que supostamente ainda não foi escrito”.

Boa leitura e até a próxima semana.



Artigos Relacionados

RELAÇÕES EXTERIORES

Lula em Washington: entre compromisso político e autonomia

Online | Brasil
por Luciana Wietchikoski e Lívia Peres Milani
UM MÊS DE GOVERNO LULA PELOS EDITORIAIS DO ESTADÃO

Terrorismo, genocídio e uma escolha muito difícil

Online | Brasil
por Marcelo Semer
SER AMADO OU SER TEMIDO?

Lula à luz do “Príncipe” de Maquiavel

Online | Brasil
por Railson da Silva Barboza
A SOMBRA DO EXTREMISMO

Encarar o abismo

Online | Brasil
por Marcos Woortmann, Alexandre Araújo e Guilherme Labarrere
REACIONARISMO

Contra Olavo

Online | Brasil
por Felipe Luiz
MERCADO

O governo Lula e a “política” do mercado financeiro

Online | Brasil
por Pedro Lange Netto Machado
NEGLIGÊNCIA

Os Yanomami são um paradigma ético mundial

Online | Brasil
por Jelson Oliveira
APAGÃO JORNALÍSTICO

O escândalo da Americanas: bom jornalismo é ruim para os negócios

Online | Brasil
por Luís Humberto Carrijo