Palavra 13 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 13

por Rodrigo Gurgel
12 de janeiro de 2008
compartilhar
visualização

Janet Malcolm e a busca elusiva por Gertrude Stein
Os que conhecem a autora americana Janet Malcolm sabem que não encontrarão em Two lives – Gertrude and Alice, seu último livro, uma biografia no sentido estrito da palavra
Aqui

O ficcionista das ruas
João Antônio alega ter buscado firmar um compromisso com o leitor brasileiro, o qual procurou conhecer a fundo, a fim de desmistificar a sentença de que “não temos leitores”
Aqui

Huymans ensaísta
O que caracteriza o conjunto de ensaios de J. K. Huysmans é a alternância entre a militância inicial ao lado da pintura impressionista, dos salões dos independentes ou de vários artistas e o caminho religioso que o faria aproximar-se da pintura de Fra Angelico ou de Mathias Grünewald
Aqui

Animais distantes
O escritor é o leitor que acompanha detalhadamente cada passo de um texto e cabe a ele decidir os rumos ? mesmo que depois os encontre errados ? de sua criação
AquiRodrigo Gurgel

Nesta primeira edição de 2008, abrimos Palavra com a resenha de Marina Della Valle sobre o mais recente livro da controvertida Janet Malcolm, Two lives – Gertrude and Alice, uma compilação de três longos ensaios, originalmente publicados na New Yorker. Mais que um estudo da vida de Gertrude Stein e de sua amante, Alice Toklas, o livro é uma análise dos limites e das contradições do gênero biográfico.

Os contos de João Antônio, reunidos em Leão-de-chácara, passam pelo crivo de Cristina Betioli Ribeiro, para quem o escritor não teve receio de ir “às ruas constatar a realidade que gostaria de representar para enlaçar um público amplo, com todas as suas fissuras sociais”.

Pablo Simpson comenta os ensaios de J. K. Huysmans dedicados às artes plásticas. Escritos entre 1867 e 1905, os textos – cuidadosamente editados por Patrice Locmant, que também é biógrafo do escritor – foram reunidos no volume Écrits sur l?art, recentemente lançado na França. Para Simpson, J. K. Huysmans percorreu, “como um nômade ou um flâneur, boa parte da tradição pictórica européia”.

Renata Miloni fecha nossa 13ª edição decompondo a figura do escritor em duas unidades que se completam: o escritor-escritor e o escritor-leitor. Na opinião de Miloni, “os escritores são movidos pela leitura. Todos escrevem principalmente para ler ? mesmo que não seja algo que levem em consideração ? porque deles se origina algo que supostamente ainda não foi escrito”.

Boa leitura e até a próxima semana.



Artigos Relacionados

ARGENTINA

Isso não pode acontecer aqui...

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer