Palavra 18 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 18

por Rodrigo Gurgel
22 de fevereiro de 2008
compartilhar
visualização

As concubinas do sultão
Percebo que não conheço São Paulo. Acredito que ninguém conheça. Pois a cidade não se deixa conhecer. Como se precisasse esconder o rosto, ela abafa a própria voz natural, uma vibração produzida a cada instante pelo flutuar de seus habitantes.
Aqui

Os muitos dilemas da literatura policial brasileira
Os detetives Espinosa e Mandrake, aquele mais do que este, são conseqüência de uma necessidade de auto-afirmação que ainda permeia a literatura de entretenimento no Brasil.
Aqui

Do processo de organização das idéias
Alguns poderiam dizer que saber toda a história antes de escrever tira toda a graça da escrita. Mas literatura policial é um troço assim. É um artesanato com uma técnica.
Aqui

Moça de vermelho sabe morrer
AquiRodrigo Gurgel

O que é São Paulo? As reflexões de Diego Viana, que esteve em São Paulo de passagem, depois de um longo período parisiense, abrem nossa edição. Se uma cidade é conhecida, principalmente, por seus espaços públicos, então a megalópole merece todo o estranhamento do cronista, toda a inconformação – e toda a recusa.

Paulo Polzonoff Jr. analisa o artigo de Olivia Maia – “O dilema da literatura policial brasileira” – publicado em nossa 14ª edição. Com leveza e ironia, mas sem fugir das questões que precisam ser discutidas, Polzonoff aponta os erros primários cometidos pelos escritores nacionais.

Olivia Maia fala sobre seu processo de criação. Como montar uma trama coerente? Como dar vida aos personagens? A escritora não propõe receitas, mas, com extremo bom humor, lutando para convencer sua gata a não sentar sobre as anotações, nos dá pistas para penetrarmos no labirinto que é escrever um romance.

Conto que não é apenas a narrativa de um crime mas também uma reflexão sobre o gênero policial – assim poderíamos definir a história de Manoel Fernandes Neto, “Moça de vermelho sabe morrer”. Narrador e personagem se sobrepõem, criando a ilusão que não apenas nos absorve da primeira à última linha, mas nos transforma em cúmplices.

Boa leitura e até a próxima semana!

Rod



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer
COMO ESCOAR O TRIGO DA UCR NIA

No front dos cereais

Edição 180 | Ucrânia
por Élisa Perrigueur