Palavra 18 - Le Monde Diplomatique

LITERATURA

Palavra 18

por Rodrigo Gurgel
22 de fevereiro de 2008
compartilhar
visualização

As concubinas do sultão
Percebo que não conheço São Paulo. Acredito que ninguém conheça. Pois a cidade não se deixa conhecer. Como se precisasse esconder o rosto, ela abafa a própria voz natural, uma vibração produzida a cada instante pelo flutuar de seus habitantes.
Aqui

Os muitos dilemas da literatura policial brasileira
Os detetives Espinosa e Mandrake, aquele mais do que este, são conseqüência de uma necessidade de auto-afirmação que ainda permeia a literatura de entretenimento no Brasil.
Aqui

Do processo de organização das idéias
Alguns poderiam dizer que saber toda a história antes de escrever tira toda a graça da escrita. Mas literatura policial é um troço assim. É um artesanato com uma técnica.
Aqui

Moça de vermelho sabe morrer
AquiRodrigo Gurgel

O que é São Paulo? As reflexões de Diego Viana, que esteve em São Paulo de passagem, depois de um longo período parisiense, abrem nossa edição. Se uma cidade é conhecida, principalmente, por seus espaços públicos, então a megalópole merece todo o estranhamento do cronista, toda a inconformação – e toda a recusa.

Paulo Polzonoff Jr. analisa o artigo de Olivia Maia – “O dilema da literatura policial brasileira” – publicado em nossa 14ª edição. Com leveza e ironia, mas sem fugir das questões que precisam ser discutidas, Polzonoff aponta os erros primários cometidos pelos escritores nacionais.

Olivia Maia fala sobre seu processo de criação. Como montar uma trama coerente? Como dar vida aos personagens? A escritora não propõe receitas, mas, com extremo bom humor, lutando para convencer sua gata a não sentar sobre as anotações, nos dá pistas para penetrarmos no labirinto que é escrever um romance.

Conto que não é apenas a narrativa de um crime mas também uma reflexão sobre o gênero policial – assim poderíamos definir a história de Manoel Fernandes Neto, “Moça de vermelho sabe morrer”. Narrador e personagem se sobrepõem, criando a ilusão que não apenas nos absorve da primeira à última linha, mas nos transforma em cúmplices.

Boa leitura e até a próxima semana!

Rod



Artigos Relacionados

DIREITO À CIDADE

Os desafios da precarização do trabalho e o avanço da nova informalidade nas metrópoles

por Vários autores
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Brasis no Catar: primeiro carnaval, primeiro pelourinho também

por Helcio Herbert Neto
SEGURANÇA ALIMENTAR

Entre o consignado e a fome: tumultos e cozinhas solidárias

Online | Brasil
por Denise De Sordi
IDEIAS PARA UM BRASIL DEMOCRÁTICO

A democracia na mira das plataformas digitais

Online | Brasil
por Aline Souza, Nataly Queiroz e Sheley Gomes
RESGATE DE IDENTIDADE E HONRA DE UMA ETNIA PERSEGUIDA

Justiça retributiva e vingança

Online | Mundo
por Felipe Labruna
ENTREVISTA

Editor do Wikileaks: 'o jornalismo está sob grave ameaça'

Online | Mundo
por Carolina Azevedo
A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil