Para ser ou ouvir Guarani-Kaiowá - Le Monde Diplomatique

A DISPUTA PELOS RECURSOS NATURAIS

Para ser ou ouvir Guarani-Kaiowá

por Cristiano Navarro
4 de dezembro de 2012
por Fora do Eixo/cc/ José Villalba depois de acidente de bicicleta
compartilhar
visualização

Da internet para as ruas, a onda de solidariedade traz pressão por justiça para a segunda maior população indígena do país. Ainda há muito que fazer por parte de apoiadores, Estado e justiça para superar a situação de genocídio − especialmente aprender a ouvi-losCristiano Navarro

622705_133762126771674_1504885767_o

Não seria necessária uma lupa sobre o povo Guarani-Kaiowá para constatar a gravidade do processo de genocídio a que nas últimas décadas está submetida essa que é a segunda maior população indígena do Brasil (43,3 mil, conforme o IBGE). Segundo dados do Conselho Indigenista Missionário, entre 2003 e 2011, 279 pessoas do povo Guarani-Kaiowá foram assassinadas. No mesmo período, a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) registrou 555 suicídios. A falta de terra acarreta ainda grave vulnerabilidade alimentar, provocando com frequência morte por subnutrição entre as crianças.

Estranhamente, no entanto, foi só após a má interpretação de uma carta que a tragédia teve seu retrato ampliado para boa parte da sociedade brasileira. Em uma mensagem divulgada no dia 8 de outubro, em resposta a uma ordem de despejo e reintegração de posse, a comunidade Pyelito Kue, em Iguatemi (MS), externava sua indignação perante a determinação da Justiça Federal de Navirai (MS). O texto relatava a impossível compreensão das 170 pessoas da comunidade com relação à decisão judicial. “A quem vamos denunciar as violências praticadas contra nossa vida? Para qual justiça do Brasil, se a própria Justiça Federal está gerando e alimentando violências contra nós?”, contestava a carta.

Diante de tal situação desoladora, a comunidade afirmava ainda que resistiria à reintegração de posse até a morte. “Cientes desse fato histórico, nós vamos e queremos ser mortos e enterrados junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje, por isso pedimos ao Governo e à Justiça Federal que não decretem a ordem de despejo/expulsão, mas solicitamos decretar a nossa morte coletiva e enterrar a nós todos aqui”. Foi exatamente esse trecho da carta sobre resistência que acabou sendo mal interpretado como uma decisão de suicídio coletivo e chamou a atenção de milhares de pessoas.

É quase impossível apontar a origem da leitura equivocada. O que se sabe é que primeiro a confusão tomou conta das redes sociais. Em seguida, e muito rapidamente, a imprensa passou a publicar matérias sobre o assunto. Por fim, oito dias após a carta ser divulgada, o líder do Partido Verde na Câmara, o deputado Sarney Filho (MA), cobrava publicamente do ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, providências para evitar um iminente suicídio coletivo.

Quando o boato do suicídio tomou proporções gigantescas, o cacique de Pyelito Kue/Mbarakay, Apykaa Rendy, decidiu fazer um vídeo para, em nome da comunidade, explicar que não havia plano de morte, mas sim de vida e resistência. A voz, até então ignorada, pôde ser vista e ouvida pela primeira vez em um vídeo no YouTube: “Se for para a gente se entregar, não nos entregaremos fácil. Se a gente vai se matar ou se a gente vai se suicidar? Não, nós não iremos fazer isso”, esclareceu Rendy.

Em meio ao clamor pela vida, nasceu a campanha de solidariedade “Somos todos Guarani-Kaiowá”, em que pessoas, no Facebook, acrescentavam o nome do povo ao seu sobrenome, demonstrando apoio à luta. Além dos nomes trocados, protestos em dezenas de cidades dentro e fora do Brasil e abaixo-assinados foram organizados pela rede social. O apoio foi bem recebido e a pressão fez efeito. No dia 30 de outubro, a desembargadora federal do Tribunal Regional Federal, CecíliaMello, suspendeu a reintegraçãode posse de Pyelito Kue, permitindo aos 170 ocupantes permanecer em uma área de 1 hectare até o término dos trabalhos de demarcação de seu território.

De vítimas a suspeitos

Apesar dos sistemáticos crimes de pistolagem encomendados por fazendeiros contra os Guarani-Kaiowá, até a metade deste ano nenhum não indígena tinha cumprido prisão por matar um indígena em Mato Grosso do Sul. Mesmo em casos com provas materiais, testemunhas e réus confessos, ninguém nunca foi condenado à prisão.

Em julho deste ano, essa história aparentemente começou a ser reescrita. Beneficiado por uma delação premiada, um homem testemunhou o ataque de pistoleiros à comunidade Guaiviry, município de Aral Moreira, em 18 de novembro de 2011. Tendo participado também do incidente, ele relatou à Polícia Federal (PF) detalhes do violento episódio que deixou inúmeras pessoas feridas e culminou com a execução e o desaparecimento do cacique Nízio Gomes, de 59 anos.

Apesar de o inquérito seguir em segredo de justiça, o delator contou para uma TV local que os fazendeiros decidiram não esperar pela ordem judicial e resolveram por conta própria retirar as famílias da comunidade Guaiviry. Segundo o criminoso, a determinação para os capangas era de chegar atirando. “Velhos, jovens e crianças. Todos, à força. Era para chegar atirando em todo mundo”, conta.

Na ação foram utilizadas seis armas calibre 12 munidas com bala de borracha e moedas. “Disseram que era para a gente atirar à vontade porque não era letal, mas não foi isso que aconteceu. Orientaram para colocar moedas nos canos das armas para ferir mais, ter mais impacto e ser mais letal. Foi a ordem passada”, recorda a testemunha.

No início das investigações, a PF chegou a emitir relatórios duvidando da versão das testemunhas indígenas e trabalhou com a hipótese de que tudo não passava de uma armação e que o cacique estava vivo. Com o desenrolar do caso, testemunhas e provas materiais comprovaram que o plano dos mandantes era sumir com o corpo e comprar uma testemunha indígena para confirmar a tese de que Nízio estava vivo e escondido no Paraguai.

No final de julho, a polícia encerrou o inquérito e concluiu que Nízio Gomes foi assassinado. Seu corpo segue desaparecido. Os dezenove acusados pela PF responderão por homicídio qualificado, lesão corporal, ocultação de cadáver, quadrilha ou bando armado, porte ilegal de arma de fogo e corrupção de testemunha. Entre os que tiveram prisão decretada estão o presidente do sindicato rural de Aral Moreira, Osvin Mittanck, catorze funcionários da empresa de segurança privada Gaspem e seu proprietário, o empresário e ex-policial militar Aurelino Arce. Na ficha corrida de crimes da Gaspem contra os Guarani-Kaiowá constam a acusação de pelo menos outros dois assassinatos, tentativas de homicídios e incêndios criminosos.

Ouvir

Uma imagem verdadeira com informação falsa: a foto é de um Guarani-Kaiowá com muito sangue escorrendo da cabeça por todo o rosto, e a legenda diz: “Violência no campo – Guarani-Kaiowá. Segurança indígena do 18º Encontro de Professores e Lideranças Guarani-Kaiowá é atacado na noite de ontem por grupo desconhecido com arma de fogo”.

Mas José Villalba não havia sido atacado por arma de fogo nem por nenhum desconhecido no dia 1º de novembro, durante o encontro, mas sim caído de bicicleta. Lideranças e professores Guarani-Kaiowá pediram aos fotógrafos que a imagem não fosse divulgada, mas, depois de publicada na página do Facebook da Coluna PósTV Guarani-Kaiowá, ligada ao grupo Fora do Eixo, mais de 3,2 mil pessoas a compartilharam. “Pedimos aos fotógrafos que não fosse publicada para que não desse uma impressão errada, mas pelo visto nos desrespeitaram”, lamenta o professor indígena Anastácio Peralta.

Ainda no afã de dar visibilidade ao genocídio contra os Guarani-Kaiowá, outros episódios mais graves e sem nenhum fundamento surgiram nas redes sociais, como as denúncias da participação de um prefeito no estupro de uma indígena Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue e o assassinato de uma liderança Kaiowá da terra Yvy Katu − que nunca morreu.

A onda de solidariedade é uma boa oportunidade para avançar na mudança da cultura do não índio, que não costuma dar ouvido aos indígenas nem acreditar na voz desses povos.

Cristiano Navarro é jornalista e autor do documentário À Sombra de um Delírio Verde.



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa