Por uma "diplomacia parlamentar" - Le Monde Diplomatique

BENS PÚBLICOS GLOBAIS P

Por uma "diplomacia parlamentar"

por Inge Kaul
1 de junho de 2000
compartilhar
visualização

Para habituar os legisladores à tomada de decisões numa perspectiva internacional, a criação de redes interparlamentares e de parcerias, em caso de decisões de interesse geral, pode ser uma via fértil a explorarInge Kaul

Os riscos mundiais não passam de “preocupações”, e há coisa melhor a fazer do que simplesmente se “inquietar” com eles. A ação coletiva em escala planetária requer uma nova concepção da noção de cooperação, que permita envolver todos os níveis (local, nacional ou regional) de decisão. Uma medida útil seria estabelecer, em todos os ministérios nacionais que se ocupam de questões de alcance internacional, um sistema orçamentário e de programação duplos, que permitisse distinguir nitidamente as atividades puramente nacionais daquelas que envolvem cooperação internacional. As responsabilidades e os orçamentos de todos os atores públicos poderiam ser reorganizados da mesma maneira, em particular nos municípios. De modo que cada tipo de atividade poderia ter um orçamento adequado às suas necessidades reais.

A “diplomacia parlamentar”

Um tal passo na direção da abolição da divisão tradicional entre “interior” e “exterior” não encontrará apoio parlamentar a menos que os legisladores concordem em olhar sistematicamente para além de suas fronteiras e adotem uma maior flexibilidade no uso que fazem de seus poderes. O fato do Estado-nação ser territorialmente definido e limitado não deve impedi-lo, quando for o caso, de intervir, enquanto tomador de decisões, no cenário internacional por meio de tratados. E no plano interno, pela observância e promulgação de leis de acompanhamento.

Para habituar os legisladores à tomada de decisões numa perspectiva internacional, a criação de redes interparlamentares e de parcerias, em caso de decisões de interesse geral, pode ser uma via fértil a explorar. A União Parlamentar Internacional já tem dado um nome a estas iniciativas: “a diplomacia parlamentar”. [1] Podemos imaginar também que as delegações representativas dos Estados-membros das Nações Unidas sejam compostas e dirigidas principalmente por parlamentares nacionais. A ONU poderia assim evoluir na direção de uma organização interparlamentar dotada de um papel de vigilância política. As delegações de Estados-membros, ao lado das agências técnicas do sistema ONU, poderiam continuar a ser recrutadas nos ministérios de seus respectivos setores. Ligações mais estreitas entre os domínios técnico e político poderiam ser tecidas graças a uma melhor informação.

“Relações internacionais e globais”

As medidas preconizadas acima teriam uma incidência importante sobre as estruturas atuais de um grande número de Estados, especialmente sobre os ministérios de Relações Exteriores e na definição do papel da diplomacia tradicional. Certos países (Canadá, Japão, Malásia e México) vêm realizando experiências interessantes neste sentido, seja delegando maior responsabilidade em matérias de relações exteriores aos ministérios especializados, seja atribuindo maior competência setorial às relações exteriores. [2] Substituir a expressão “relações exteriores” por “relações internacionais e globais” permitiria afirmar e tornar mais conhecida esta



Artigos Relacionados

RESENHAS

Miscelânea

Edição 180 | Brasil
ENTREVISTA – EMBAIXADORA THEREZA QUINTELLA

Balança geopolítica mundial deve pender para o lado asiático

Edição 180 | EUA
por Roberto Amaral e Pedro Amaral
UMA NOVA LEI EUROPEIA SOBRE OS SERVIÇOS DIGITAIS

Para automatizar a censura, clique aqui

Edição 180 | Europa
por Clément Perarnaud

Para automatizar a censura, clique aqui

Online | Europa
EMPREENDIMENTOS DE DESPOLUIÇÃO

Música e greenwashing

Edição 180 | Mundo
por Éric Delhaye
NA FRANÇA, A NOVA UNIÃO POPULAR ECOLÓGICA E SOCIAL

Os bárbaros estão em nossas portas!

Online | França
por Pauline Perrenot e Mathias Reymond
“NO TOPO, O PODER CORROMPIDO; NA BASE, A LUTA INTRÉPIDA”

A revolta popular no Sri Lanka

Edição 180 | Sri Lanka
por Éric Paul Meyer
COMO ESCOAR O TRIGO DA UCR NIA

No front dos cereais

Edição 180 | Ucrânia
por Élisa Perrigueur