Quando a cor importa: o racismo estrutural na esquerda

Extermínio

Quando a cor importa: o racismo estrutural na esquerda

por Érico Andrade
23 de maio de 2020
compartilhar
visualização

Quando crianças negras com uniforme escolar ou mesmo dentro de casa são mortas começamos a pensar como retiramos dos negros o futuro. Para ser preciso lhe delegamos um futuro: a morte

Para João Pedro Matos Pinto

Os fascistas nunca esconderam o seu desejo pela punição da população negra. A famosa frase “bandido bom é bandido morto” tem endereço e cor. Esse texto não é para eles. Quem se coloca no lugar de julgar quem deve morrer e viver já abandonou qualquer resíduo disso que ainda chamamos de forma vaga de humanidade. O que pretendo entender é porque o campo da esquerda negligenciou por tanto tempo a questão da segurança pública responsável por chacinar vários negros e negras por todo país.

A minha hipótese não se pavimenta pelo caminho mais óbvio. De fato, os campos progressistas sempre entenderam, com razão, que a violência está relacionada à desigualdade econômica. Que era preciso colocar no centro da discussão sobre a violência o combate à desigualdade. Meu ponto, contudo, não é esse. A questão que levanto, e que é inspirada no questionamento do deputado Federal do PSOL RJ Marcelo Freixo, é por que entregamos à direita o monopólio sobre a discussão a respeito da atuação da polícia. Eu tenho um palpite. Racismo.

Militares na favela da Rocinha , Rio de Janeiro (Fernando Frazão/Agência Brasil)

À exceção de Marielle Franco (negra, também do PSOL RJ e morta por esta razão) e de alguns movimentos de base, nunca nos preocupamos seriamente nem com os policiais nem com as suas vítimas igualmente negras na sua maioria. Os policiais sempre fizeram de modo institucionalizado o serviço sujo das elites. Mas, eles mesmos morrem da própria violência que o Estado fomenta. A mesma polícia que mata morre. Claro que mata mais do que morre, mas os corpos mortos, este é o ponto, são majoritariamente negros. Seja qual for o lado.

A conivência com a morte de milhares de negros, vidas sequestradas pela estupidez da proibição da comercialização das drogas, é o esteio. A desculpa tácita para o extermínio, incorporada em parte pelas próprias comunidades carentes, é que aquelas vidas enveredaram pelo crime sobretudo ligado ao tráfico. Aqui cabe, na forma de ironia, a expressão do presidente. E daí? Isso justifica que elas sejam dizimadas? O Estado brasileiro acredita que sim.

O passo nessa direção foi se autorizar a polícia a matar mesmo sem um confronto. À medida que as palavras institucionais escasseavam diante dessas mortes, a escalada da polícia avançava para dentro das comunidades. O passo seguinte foi transformar as favelas em territórios de guerra, negligenciando o trabalho de inteligência da polícia para colocar o contingente de policiais negros na linha de frente do extermínio dos negros sem farda ou até mesmo com fardas da escola. Os efeitos colaterais da guerra não poderiam ser eles mesmos mais racistas. A bala perdida sempre encontra o corpo negro.

Achille Mbembe alerta para o fato de que a categoria “negro” remete a um vínculo de dominação. Neste sentido, o corpo negro é duplamente submetido ao Estado. Por um lado, porque é vigiado e morto. Por outro, porque a atuação do Estado enquanto polícia reconhece no corpo negro a sua cota de sacrifício.

Quando crianças negras com uniforme escolar ou mesmo dentro de casa são mortas começamos a pensar como retiramos dos negros o futuro. Para ser preciso lhe delegamos um futuro: a morte. Um futuro que pouco difere da lógica da colonização. Se não são propriamente mais escravos, são colonizados pelas mesmas formas de opressão. O destino comum dos policiais e moradores de favela ainda encontra na morte o seu principal ponto em comum.

E o que fizemos? Deixamos para a direita a pauta da segurança pública. E na nossa omissão deixamos as vidas negras à sua própria sorte. Reproduzimos, repito, pela omissão, o racismo estrutural que dá às vidas negras o mesmo destino que elas tinham na colonização: a morte precoce ou a insegurança sem fim.

Para que toda negritude seja emancipada é preciso tomar a segurança pública da mão dos fascistas, mas antes disso é preciso entender que as mesmas causas que concorrem para a morte de meninos como João Pedro são as que nos fizeram por muito tempo ineptos para uma discussão mais radical sobre a segurança pública: o racismo. É ele quem mata aqueles para os quais na história do Brasil nunca foi facultado plenamente o direito de existir.

Érico Andrade é filósofo, psicanalista em formação e Professor UFPE



Artigos Relacionados

Resistências latino-americanas

Resistências mexicanas: entre massacres, travessias e lutas

Séries Especiais | México
por Simone da Silva Ribeiro Gomes
RESENHAS

Miscelanêa

Edição 164 | Brasil
UM OPOSITOR MAIS INCÔMODO DO QUE O KREMLIN IMAGINA

Alexei Navalny, profeta em sua terra?

Edição 164 | Russia
por Hélène Richard
JACK MA, O EMPRESÁRIO QUE INCOMODA O GOVERNO CHINÊS

Alibaba, uma epopeia chinesa

Edição 164 | China
por Jordan Pouille
“UM CASTELO FEUDAL EM RUÍNAS COM UMA FACHADA CAPITALISTA DE PAPELÃO”

O Ícaro e a impossível democracia latino-americana

Edição 164 | América Latina
por Renaud Lambert
DUZENTOS ANOS DE UMA GUERRA DE INDEPENDÊNCIA QUE AINDA DESPERTA PAIXÕES

“Somos todos gregos”

Edição 164 | Grécia
por Samuel Dumoulin
GUERRA SOCIAL

Os dentes dos pobres

Edição 164 | França
por Olivier Cyran
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS: IMAGEM “MODERNA” E ABUSOS NO IÊMEN

Quando a vitrine começa a rachar

Edição 164 | Emirados Árabes
por Eva Thiébaud