“Sangrar” a Rússia - Le Monde Diplomatique Brasil - Edição 179

QUEM QUER A CONTINUAÇÃO DA GUERRA?

“Sangrar” a Rússia

por Serge Halimi
2 de junho de 2022
compartilhar
visualização

Há algumas semanas, pode-se mesmo dizer que a única conclusão do conflito que os Estados Unidos verdadeiramente aceitariam seria um triunfo à romana dos exércitos ocidentais em Moscou, com Biden na tribuna e Putin numa jaula de ferro. Para realizar seu objetivo já proclamado, “enfraquecer a Rússia”, na verdade sangrá-la, os Estados Unidos não economizam nos meios.

Em fevereiro, alguns dias antes da invasão russa, o presidente Joe Biden intimou os norte-americanos a deixar a Ucrânia em 48 horas. Desde então, os Estados Unidos voltaram ao país, mas de outro modo. Sem arriscar a vida de um único soldado, eles se beneficiam da sucessão de catástrofes provocadas pelo presidente Vladimir Putin para …

Conteúdo apenas para Assinantes



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti