Singular seletividade dos manifestantes árabes - Le Monde Diplomatique

A INOCÊNCIA DOS MUÇULMANOS

Singular seletividade dos manifestantes árabes

por Asad Abu Khail
2 de outubro de 2012
compartilhar
visualização

A publicação de caricaturas dinamarquesas causou mais manifestações nas capitais árabes que a ocupação dos Estados Unidos em Bagdá ou a persistência das agressões israelenses contra os palestinos. Por que essa seletividade?Asad Abu Khail

A publicação de caricaturas dinamarquesas causou mais manifestações nas capitais árabes que a ocupação dos Estados Unidos em Bagdá ou a persistência das agressões israelenses contra os palestinos. O mesmo ocorreu no caso do filme norte-americano A inocência dos muçulmanos, sobre o profeta Maomé, lançado na internet. Por que essa seletividade?

A concorrência entre os salafistas e a Irmandade Muçulmana é intensa no conjunto do Oriente Médio. Em vários países – como Síria, Tunísia e Egito –, essa competição expressa as rivalidades entre a Arábia Saudita, que apoia os primeiros, e o Catar, que aprova os segundos. Em razão do patrocínio de Riad, os salafistas são reticentes em tomar posição com relação a grandes questões como justiça social, ocupação estrangeira e Palestina. Por outro lado, a defesa do Islã, de seu profeta maior e do código moral restrito não apresenta qualquer perigo. Os salafistas se manifestam sobre esses temas com a mesma intensidade que acusam a Irmandade Muçulmana de pragmatismo político e laxismo.

Os governos árabes e seus meios de comunicação também alimentam esse tipo de protesto. A Al-Jazira, por exemplo, com seu ulemá vedete Yussef al-Qaradawi, não hesitava em atiçar as paixões do público, em particular desde que as relações entre Catar e Estados Unidos ficaram mais tensas pelas boas relações desse país árabe com o Irã e o Hezbollah.

No caso do filme sobre Maomé, por outro lado, o canal catariano e os meios de comunicação financiados pelos sauditas adotaram uma postura muito mais prudente, hesitando entre as ruas e a cólera dos Estados Unidos. Al-Qaradawi chegou até a fazer declarações conciliadoras em relação a Washington.

Os regimes árabes do Golfo, responsáveis por financiar e armar diferentes facções do islamismo radical, se encontram em uma posição difícil: querem aparecer como defensores da fé, mas também devem se esforçar para não se indispor com os Estados Unidos.

As formações islamitas – em particular depois de terem acesso ou se aproximarem do poder, como a Irmandade Muçulmana – buscam evitar motivos que possam perturbar suas relações internacionais ou com os países do Golfo. Mas os ataques contra o Islã suscitam fortes reações e estimulam a concorrência entre os diversos grupos que não querem perder terreno de influência. Por outro lado, a injustiça social, a ocupação estrangeira, a guerra, a tirania, a desigualdade de gênero e outros temas semelhantes não provocam a cólera dessas organizações. Preferem denunciar um filme trash na internet.

De seu lado, os meios de comunicação ocidentais – tanto os mais conservadores como os mais liberais – manifestam rejeição por qualquer expressão islamita ou muçulmana. Em vez de levar os países ocidentais a rever suas políticas, as manifestações no mundo muçulmano geram mais preconceito. Ironicamente, o fanatismo dos muçulmanos salafistas alimenta, assim, os islamofóbicos ocidentais, e vice-versa.

*Asad Abu Khail é jornalista e autor do bloh Angry Arab



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa