Sistema econômico precisa se responsabilizar pelas mudanças climáticas

RELATÓRIO DO IPCC

Sistema econômico precisa se responsabilizar pelas mudanças climáticas

por Gabriel Dantas Romano
30 de agosto de 2021
compartilhar
visualização

Recentemente, o IPCC lançou o maior relatório científico sobre as mudanças climáticas já feito. Segundo a publicação, já alcançamos efeitos irreversíveis do aquecimento global

O sistema capitalista colocou a humanidade em rota de colisão. A queima de combustível fóssil pela atividade industrial, o desmatamento e as queimadas liberam gases do efeito estufa que interferem no funcionamento do sistema climático. Agora não só a natureza se encontra ameaçada, mas também a vida na Terra como um todo. Os seres humanos e os outros seres vivos precisam de um sistema climático saudável e de condições ambientais adequadas para sobreviverem.

Recentemente, o IPCC lançou o maior relatório científico sobre as mudanças climáticas já feito. Segundo a publicação, já alcançamos efeitos irreversíveis do aquecimento global. O aumento do nível do mar, o derretimento das geleiras, o aquecimento e a acidificação dos oceanos são uma realidade que a humanidade já não pode mais evitar. O degelo dos polos coloca a vida dos ursos-polares em risco, a acidificação do oceano (causada pelo acúmulo de gás carbônico absorvido pelo mar) interfere na qualidade da vida marinha e promove o branqueamento dos corais, e o aumento do nível do oceano coloca várias regiões litorâneas na iminência de ficaram submersas.

Pouco a pouco, as mudanças climáticas vão alterando para sempre o cenário da vida na Terra. O cenário alegre de um recife de corais exuberante e colorido agora adquire a aparência de um concreto fantasmagórico. Em um futuro próximo, cidades estarão engolidas pelo mar e com isso a habitação de milhões de pessoas está ameaçada. O urso-polar, imponente e robusto, pode cada vez mais se transformar em um andarilho esquelético e depressivo, sempre à procura de comida. Segundo os cientistas do IPCC, apenas reduções drásticas nas emissões podem interromper o agravamento das complicações climáticas, porém o quadro da era pré-industrial não pode mais ser recuperado. Para evitar situações piores, o mundo precisa limitar o aquecimento a 1,5°C.

Desde a Revolução Industrial, o sistema econômico passou a ser um fator de alteração climática através da queima de combustíveis fósseis, responsável por liberar dióxido de carbono à atmosfera. A pecuária intensiva e a produção agrícola também contribuem para o problema por meio da emissão de metano, do desmatamento e das queimadas.

Dessa forma, a produção econômica capitalista sobrecarregou a atmosfera com gases do efeito estufa. A combinação na atmosfera de gás carbônico, metano e óxido nitroso são as maiores em 800 mil anos, e o nível de CO2 concentrado sozinho é o mais alto em 2 milhões de anos, segundo o relatório do IPCC. Os gases do efeito estufa, uma vez lançados pela produção humana, retêm calor na atmosfera, aumentando a temperatura média do planeta. Desde 1970, a temperatura global subiu mais rápido do que em qualquer outro período dos últimos dois milênios.

mudanças climáticas
(Foto Bruno Kelly/Amazônia Real)

Diante desse cenário, caberia ao setor privado se responsabilizar pelo problema. A redução intensiva da emissão de gases do efeito estufa e o sequestro de carbono da atmosfera é a estreita oportunidade que temos para manter o aumento da temperatura em 1,5ºC, imprescindível para evitar o agravamento do aquecimento global. Isso implica o fim das indústrias de combustíveis fósseis (como a petrolífera) e uma rápida transição para fontes de energia sustentável. Porém sabemos que o setor empresarial não vai renunciar a uma estrutura econômica bilionária responsável por fornecer dinheiro e poder aos seus proprietários. Cabe então à sociedade civil escolher entre deixar sua vida em segundo plano a favor do lucro de algumas poucas pessoas ou caminhar em comunhão para uma organização mais racional e bem direcionada. Segundo Simon Lewis, professor do College London: “Embora as mudanças radicais necessárias devam, em última instância, vir de regulamentação governamental, somos nós que devemos demonstrar que existe o desejo de mudança”.

Na verdade, num cenário onde dependemos da colaboração estatal, o que vemos em curso são governos (como o da Inglaterra e dos Estados Unidos) empreendendo planos de ampliação da produção de petróleo, carvão e atividades agropecuárias. Os Estados-nação não possuem a força necessária para enfrentar o interesse bilionário/trilionário das indústrias capitalistas, pois eles existem justamente para sustentar essa organização social.

“Deixar a tarefa para o poder privado é uma receita provável para o desastre, por muitos motivos […]. Não podemos ter fé nas estruturas de poder e no que elas farão, a menos que pressionadas fortemente por um público informado que prefere a sobrevivência ao ganho de curto prazo”, afirma Noam Chomsky.

Caso as emissões não zerem e essa transição não ocorra, a temperatura média continuará subindo, com a probabilidade de alcançar até mesmo 4ºC de aquecimento. O planeta atingirá um ponto de inflexão e presenciará cada vez mais catástrofes e eventos climáticos extremos (ondas de calor, derretimento das geleiras, secas e incêndios prolongados, temperaturas insuportáveis, inundações etc.).

“Quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo poderiam sofrer de suor em ondas de calor potencialmente fatais mais frequentes. Centenas de milhões mais lutariam por água por causa de secas severas. Algumas espécies de animais e plantas vivas hoje terão desaparecido. Os recifes de coral, que sustentam a pesca em grandes áreas do globo, sofrerão perdas em massa mais frequentes”, disseram Brad Plumer e Henry Fountain para o The New York Time.

Depois de 2.400 bilhões de toneladas de dióxido de carbono emitidas na atmosfera desde 1850, é necessária uma reformulação ampla de nossa sociedade. Agora é hora de zerar as emissões até 2050 e sequestrar o máximo de carbono possível para estabilizar o aquecimento global em 1,5ºC, segundo o IPCC. O que está em jogo é o mundo como conhecemos, ou o que ainda sobrou dele, a vida organizada na Terra e as condições de existência adequadas para a maioria dos seres vivos – que há muito tempo estão ameaçadas.

 

Gabriel Dantas Romano é estudante de História da USP e ativista ambiental.



Artigos Relacionados

EDUCAÇÃO

A decadência do ensino superior

Online | Brasil
Guilhotina

Guilhotina #166 - Rodrigo Lentz

FINANCIAR A MOBILIDADE OU OS EMPRESÁRIOS

Transporte coletivo de Salvador: subsídios para quem?

Online | Brasil
por Daniel Caribé
POUCA FISCALIZAÇÃO

Lei Geral de Proteção de Dados não impede o vazamento de dados pessoais

por Ana Carolina Westrup
YOUTUBERS NA POLÍTICA

A monetização da política

Online | Brasil
por Erica Malunguinho
RESENHA

Desaparecer com corpos e governar os vivos

Online | Brasil
por Edson Teles
REFORMA URBANA E DIREITO À CIDADE: OS DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO

A questão das desigualdades: pandemia e crise social nas metrópoles

por André Salata e Marcelo Ribeiro
SAÚDE MENTAL

A luta antimanicomial e a clínica da delicadeza

Online | Brasil
por Rachel Gouveia Passos