Sob a tutela da Casa Branca - Le Monde Diplomatique

ÁFRICA

Sob a tutela da Casa Branca

por Yao Graham
1 de junho de 2007
compartilhar
visualização

Além de seguidora emblemática do “Consenso de Washington”, Gana transformou-se, no governo de Kufuor, num aliado militar estratégico dos EUA e da InglaterraYao Graham

O presidente George W. Bush e o primeiro-ministro britânico Anthony Blair transformaram Gana em modelo do que é “bom para a África”. O presidente John Kufuor dispõe de um acesso privilegiado à Casa Branca e a 10, Downing Street [1], Bush o qualificou de “visionário e “homem de caráter”, que teria feito um “trabalho fantástico para seu país”.

O que deixa Washington tão satisfeito com Gana é a expansão discreta, mas muito clara, da cooperação com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), tanto no que diz respeito a informações quanto a operações militares. Os Estados Unidos desejam “garantir” as reservas petrolíferas do golfo da Guiné. Elas poderiam representar, até 2015, até 25% de suas importações do produto. Já em 2003, invocando a necessidade de preservar as relações militares com os Estados Unidos, Acra assinou um acordo que protegia do Tribunal Penal Internacional os residentes norte-americanos presentes em seu território.

Vários exercícios militares conjuntos foram organizados em terra e no mar. Em outubro de 2005, eles envolveram, mil soldados do exército de Gana e da Otan. Acra colocou seu território e seus equipamentos à disposição dos militares norte-americanos. Acolheu um programa estadunidense-europeu destinado a propiciar o desenvolvimento das tropas (programa Exercise Reception Facility).

“Gana nos interessa”, declarou, em maio de 2004, o general Joseph Ralston, que dirigia o Comando Aliado Supremo na Europa. “O que fundamentalmente nos interessa é a segurança, a paz, os investimentos econômicos, o desenvolvimento dos países da África. Gana revela-se um pólo de estabilidade que queremos ter certeza de reforçar. E se for preciso executar operações em países menos estáveis, poderíamos nos basear em Gana e discutir com os países interessados [2].”

Alguns ganenses inquietam-se com essa cooperação com Washington. Ela poderia transformar o país em alvo para os terroristas. A construção de uma nova embaixada norte-americana nos bairros no leste de Acra suscita intranqüilidade. No entanto, essas indagações não parecem fragilizar o governo de Kufuor.

Tradução: Wanda Caldeira Brant
wbrant@globo.com

Leia mais:

Nesta edição, sobre o mesmo tema:

Gana, retrato da África recolonizada

Primeiro país africano independente, Gana vive sem festas os cinqüenta anos da libertação. Adotadas a partir da década de 1980, políticas neoliberais devastaram a indústria nascente, arruinaram os camponeses e tornaram as cidades caóticas e violentas

Os EUA apostam no “black business”

No momento em que a influência norte-americana sobre o continente negro enfrenta a concorrência da China, ex-militantes pelos direitos civis impulsionam a GoodWorks, uma estranha rede



Artigos Relacionados

A CRISE NA CULTURA

Editais de cultura no Paraná: campo de influência na capital controla o estadual

por Por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc e os editais do “cercadinho de Curitiba”

por Rodrigo Juste Duarte com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
ARGENTINA

Por que Alfonsín está retornando?

Séries Especiais | Argentina
por José Natanson
DESAFIOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

Lula no (novo) mundo

Séries Especiais | Argentina
por Federico Merke
COPA: FUTEBOL E POLÍTICA

Aura de líder austero, espectro recorrente em Mundiais, ronda Tite

por Helcio Herbert Neto
GUILHOTINA

Guilhotina #193 - Edson Lopes Cardoso

CONTRIBUIÇÕES PARA O NOVO GOVERNO DE LULA

A nova política externa brasileira

Online | Brasil
por Marina Bolfarine Caixeta
RESENHA

Em Maví, Marco Lucchesi faz de sua poesia uma busca pelo outro

Online | Mundo
por André Rosa