Todos à direita - Le Monde Diplomatique

FRANÇA

Todos à direita

por Alain Garrigou
1 de março de 2013
compartilhar
visualização

As mobilizações conservadoras contra o casamento para todos respondem como um eco à renúncia do governo francês à maioria dos seus compromissos econômicos e sociais. Devemos concluir que há uma direitização da sociedade? Em primeiro lugar, é preciso definir o que essa expressão realmente significaAlain Garrigou

Na França, assistência social aos pobres, imigração e exílio fiscal suscitam cada vez mais reações de retorno à ordem, celebração da autoridade e justificativa para as desigualdades. Da extrema direita à extrema esquerda do espectro político, o diagnóstico da “direitização” parece ser unanimidade, seja para contentar-se, adaptar-se com ou sem complexos, acomodar-se com resignação ou peso na consciência, ou revoltar-se. Em 2007, na eleição de Nicolas Sarkozy, o tempero desse diagnóstico foi a resistência dos “valores humanistas”.1 Hoje, seria a aprovação de reformas sociais como o casamento para todos. Nos âmbitos econômico, social e político, a coisa seria clara. Restaria apenas medir a amplitude e a velocidade desse processo. Seria melhor, contudo, compreender a direitização em vez de repetir explicações feitas.

Há pelo menos cinco anos fala-se muito da “desconfiança” dos franceses, associando esse vocábulo à velha concepção de uma crise da democracia representativa – segundo a qual os eleitos representariam mal seus cidadãos – e também à impressão do aumento do “populismo”, uma visão acusatória que coloca os extremistas de direita e esquerda em um mesmo patamar. A primeira ideia retoma os temas do antiparlamentarismo de há mais de um século e as explicações do progresso da Frente Nacional e da abstenção eleitoral, em voga há vinte anos. A segunda, ao substituir a crítica obsoleta do totalitarismo, ressuscita a retórica do “nem-nem” (nem Partido Socialista nem Frente Nacional), enésima ressurgência da “terceira via” centrista, que abre caminho entre os dois extremos desde 1930.

A surpreendente unanimidade e a pobreza desses diagnósticos se originam talvez da falta de preocupação em saber de fato do que se fala. Para alguns, a direitização expressa o deslizamento da opinião pública em direção à extrema direita, tradução de uma radicalização. Para outros, seria um movimento para a direita de todas as instâncias em que se tomam posições políticas, incluídas as socialistas. Dessa forma, é possível chegar a conclusões opostas. No primeiro caso, significaria a focalização em temas da extrema direita, em particular xenófobos ou racistas, manifestados com agressividade. E, no segundo caso, um acordo amplo, espécie de consenso liberal ou de “fim das ideologias”. Ora, os indícios dessas duas tendências coexistem. De um lado está o reforço eleitoral e a normalização da Frente Nacional, e a concorrência entre diversas formações políticas sobre temas desse partido, como insegurança, ameaça islâmica, confisco fiscal, abuso de prestações sociais, preferência nacional. Do outro, um consenso dos partidos alinhados ao governo sobre o mercado, o livre-comércio, o setor privado e a redução dos gastos públicos.

A direitização concebida como uma radicalização política chama mais a atenção porque é mais perturbadora. Mudanças tão profundas como a globalização, a crise da dívida, a explosão do desemprego, o fortalecimento de países emergentes, o enriquecimento dos ricos, a pauperização das classes médias e o empobrecimento dos pobres − para citar apenas alguns elementos de um inventário interminável − acarretam efeitos políticos importantes. A angústia se agudiza com a lembrança da crise de 1930, que desestabilizou o século XX e engendrou catástrofes políticas, de regimes fascistas a guerras.

Há não muito tempo, o crescimento dos partidos de extrema direita na França, Bélgica, Hungria e Holanda alarmava. Atualmente, contudo, esse processo parece menos amplo e mais lento, pois esses setores raramente chegaram ao poder – salvo em posições marginais, como o partido do falecido Jörg Haider na Áustria, ou em instituições locais, como o Vlaams Blok na Bélgica. Outros movimentos que se desenharam nesse cenário – como o Tea Party nos Estados Unidos – visam fazer pressão sobre formações políticas institucionais, como é o caso do Partido Republicano. Como pano de fundo, o temor obsessivo de rebaixamento da qualidade de vida por parte de uma população principalmente branca, às vezes modesta, mais sensível à ameaça vinda de baixo (representada pelos mais pobres, pelos estrangeiros) do que a advinda do enriquecimento dos mais ricos. Em outras palavras, sensível à “raça”, mas não à classe. Ainda assim, esse cenário não permitiu que o candidato republicano – com matizes de extrema direita – ganhasse, e há suspeitas de que essas nuances radicais tiveram papel preponderante em sua derrota.

Se em 2007 a inflexão à direita do discurso de Sarkozy favoreceu a captação de votos da extrema direita, a mesma estratégia não permitiu sua reeleição cinco anos depois. Contudo, ao mostrar-se mais curta do que o previsto, a União por um Movimento Popular (UMP) parece ter se convencido da necessidade de se radicalizar. Seus militantes são hoje muito próximos aos da Frente Nacional no que se refere aos temas da imigração e da segurança, mas também – dessa vez, contra a visão de seus dirigentes – às questões econômicas e financeiras do protecionismo do euro.

É preciso acreditar que a questão da radicalização possui um caráter de urgência porque nada menos que três pesquisas recentes, de janeiro de 2013, atestam a escalada dos valores de extrema direita. Uma delas chegou até a concluir que 87% dos franceses desejariam um “verdadeiro chefe que pudesse recompor a ordem” (Le Monde, 25 jan. 2013). Esse tipo de formulação dá consistência a discursos violentos cada vez mais frequentes e descomprometidos contra imigrantes, delinquentes, assistidos, funcionários públicos etc. O estilo paranoico do qual falava Richard Hofstadter – que une a mentalidade conspiradora e a raiva contra a fiscalização, a burocracia, os intelectuais e sobretudo os estrangeiros – tem adeptos não apenas nos Estados Unidos.2 Nessas pesquisas, a maioria menciona uma ou mais opiniões favoráveis à pena de morte, à privatização do Estado, ao aumento da jornada de trabalho etc.

Existe um ponto em comum entre as duas concepções de direitização: o fato de o eixo médio do debate político estar deslocado para a direita e mover-se mecanicamente para a extrema direita, mas as lutas partidárias conduzirem obrigatoriamente ao aumento da busca de diferenças. Os políticos praticam a arte da lítotes para expressar pensamentos limites que evocam, como Jean-François Copé, presidente da UMP e adepto de uma “direita descomplexada”, “esses pais traumatizados porque um de seus filhos, que tomava seu lanche na saída da escola, foi atacado e teve sua merenda roubada por um bando de jovens que atuava como uma brigada iraniana de promoção da virtude”; ou “um racismo antibranco [que] se desenvolve nos bairros de nossas cidades”; ou “os sem documentos [que] são os únicos a poder se beneficiar de um sistema de subsídio 100%”; ou ainda “os empresários, artesãos e comerciantes […] aterrorizados pela ideia de um controle fiscal ou, pior, pelo possível encontro com um fiscal do trabalho”.3 Os discursos ultrapassam fronteiras: o espaço do politicamente pensável se amplia com o do politicamente dizível.

Mencionada cotidianamente por meios de comunicação influentes, como a Fox News, a dimensão conspiratória é mais pronunciada nos Estados Unidos do que na Europa. Nas sociedades europeias, há menos convencimento em relação à legitimação puritana de enriquecimento e mais interesse nos benefícios reais do Estado de bem-estar social, o que limita a crítica aos supostos abusos cometidos pelos “estrangeiros”, “preguiçosos” e “assistidos”.

 

Magnificar o egoísmo

Dessa forma, a direitização toma contornos mais suaves no Velho Continente. Contudo, quando revistas que supostamente não possuem a mesma linha editorial publicam na mesma semana matérias sobre os francomaçons – “Os francomaçons que nos governam” (Le Nouvel Observateur, 3 jan. 2013); “Hollande e seus francomaçons” (Le Point, 7 jan. 2013) –, elas conformam uma visão conspiratória velada.4 E como é preciso mudar de assunto, a matéria “Nossos inimigos islâmicos” exibe a cabeça de alguns chefes terroristas (Le Point, 24 jan. 2013) à maneira das exposições de retratos antissemitas de outrora.

Essas capas sensacionalistas não são motivadas por objetivos comerciais, asseguram os barões da imprensa. Se é assim, o que elas expressam? As novas visões de uma profissão jornalística afetada pela crise que traduz o medo compartilhado do rebaixamento da qualidade de vida entre os leitores? As qualidades críticas elementares do trabalho intelectual parecem se resumir à revelação de “segredos” e “complôs”. Mas onde está a virtude crítica quando questões mais apelativas e menos generosas se alinham sem que ninguém preste atenção ou, pior, sem que ninguém se alarme?

Também não seria necessário mencionar que as sondagens (Ipsos-Le Monde, 25 jan. 2013) solicitam voluntários previamente selecionados mais à direita e oferecem pequenas gratificações pela participação. Tudo isso com o objetivo de perguntar sobre o “racismo antibrancos” (cuja existência é dada como certa) ou sobre o “esforço de integração” dos imigrantes na França (obrigatoriamente uma questão de “esforço”). E de oferecer alternativas tão tergiversadas quanto a “confiança” que alguns atribuem à “maioria das pessoas”, em oposição ao incremento de “prudência” que deveriam suscitar os “outros” (quem são os outros?). E, por último, o de propor que digam se “se sentem em casa como antes” (na França, mas antes do quê?). Quanto a essas artimanhas de pesquisa, que ingenuamente sugerem que talvez “a autoridade seja um valor muito criticado na França”, como profissionais podem cometer esse descuido metodológico flagrante que consiste em fomentar o consentimento?

O baile de ideias que mistura preconceitos neoliberais e um bom senso grosseiro contribui à direitização dos espíritos quando magnifica o egoísmo. Como é possível esperar dos cidadãos que acreditem que os dirigentes políticos servem ao interesse geral? Seria no mínimo uma aberração esperar dos políticos um comportamento altruísta, que eles seriam os únicos a demonstrar. Difundida há tempos no espaço público, a predicação do “cada um por si” é tão poderosa que ganha a forma de um temor popular, essa disposição das pessoas modestas de não serem “passadas para trás”.5

Esse cinismo generalizado é o insumo mais ordinário dos discursos públicos atrás dos quais se esconde sempre a disputa de cargos, de votos, dinheiro ou petróleo. Menos conservadores e tradicionalistas do que eles pensam, os ideólogos midiáticos encorajam uma fascinação pelo momento dedicado unicamente aos espíritos, pois o princípio do cada um por si não permite, por definição, qualquer mobilização das massas. Isso deveria nos confortar?

Alain Garrigou é professor de ciências políticas na universidade Paris X-Nanterre. Autor de Histoire sociale du suffrage universel en France [História social do sufrágio universal na França], Paris, Seuil, 2002.



Artigos Relacionados

Eleições 2022: a mídia como palanque

Internet abre espaço para a diversidade de perfis, mas impulsiona velhas práticas

Online | Brasil
por Tâmara Terso
A CRISE DA CULTURA

Lei Aldir Blanc: reflexões sobre as contradições

por Rodrigo Juste Duarte, com colaboração de pesquisadores da rede do Observatório da Cultura do Brasil
AMÉRICA DO SUL

A “nova onda rosa”: um recomeço mais desafiador

Online | América Latina
por Cairo Junqueira e Lívia Milani
CORRUPÇÃO BOLSONARISTA

Onde está o governo sem corrupção de Bolsonaro?

Online | Brasil
por Samantha Prado
CONGRESSO NACIONAL

Financiamento de campanhas por infratores ambientais na Amazônia Legal

Online | Brasil
por Adriana Erthal Abdenur e Renata Albuquerque Ribeiro
EDITORIAL

Só existe um futuro para o Brasil, e ele passa pela eleição de Lula neste domingo

Online | Brasil
por Le Monde Diplomatique Brasil
UMA ENCRUZILHADA SE APROXIMA

Os militares e a última palavra da legitimidade das urnas

Online | Brasil
por Julia Almeida Vasconcelos da Silva
ELEIÇÕES 2022

Voto útil: o chamado ao primeiro turno em 2022

Online | Brasil
por Luísa Leite e Alexsandra Cavalcanti